OOEC- Cap 11- manda quem pode, obedece quem quer


Isso não é um sonho, estamos tendo um post de umas das fics abandonadas.

Vamos retomar uma a uma para não sobrecarregar

Boa leitura

 

OOEC capítulo 11

 

Manda quem pode obedece quem quer.

Certo dia eu estava sentava no refeitório da faculdade e analisei um casal de namorados estúpidos e humanos, o rapaz brigava com a garota por um simples sms que ela recebeu de um amigo, eu me perguntava como seria ter isso, brigar por coisas bobas, detalhes simples, e não ter que enfrentar um namoro escondido com um vampiro e dias mais tarde foi morto por seu pai vampiro mestre supremo, ou mesmo brigar por que seu namorado, se isso que eu posso chamar Klaus, pelo fato dele somente falar de poder e dominação do mundo sobrenatural.

Enfim eu queria algo simples, e depois do episódio com a Hayley, e ainda mais agora essa tal de Katherine eu vi que mesmo um assunto de ciúmes, quando se trata de vampiros, lobos ou híbridos, a coisa nunca é simples.

A música que vinha do cômodo de Klaus era revigorante, uma das mais conhecidas operas O Barbeiro de Sevilha de Rossini, conhecia muito bem, pois meu pai igualmente admirava as artes que os humanos proporcionavam, apesar de muitas vezes ele conseguir achar um sábio ou até mesmo um cientista que ele jurava que eram seres do sobrenatural.

Klaus andava diferente, como se algo o incomodasse muito, mas ele não se abria para mim, as mudanças que eu sentia estavam evidentes, e preocupantes, mas eu nada falava, imaginava que isso não fosse algo na hierarquia de suas importâncias.

Eu ficava imaginando como seria uma conversa com ele e meu pai se eles conseguissem se dar bem, e quem me ajudava nesse teatro todo era Damon.

— Sim meu caro Niklaus, vejamos bem que a classe de vampiros não necessita de uma grande lista de leis, basta se concentrar na principal lei, a lei acima de tudo – tentava imitar a voz de meu pai, em uma imitação um tanto barata, mas estava saindo e ainda soltei a frase em italiano- Legge soprattutto!

− Claro que sim Aro, no entanto os lobos, tem uma forma melhor, a submissão, a capacidade de ter que seguir um líder nato, ter um alpha, e eu como primeiro hibrido, sei que sou o mais alpha desta classe! − Damon imitava a voz e o sotaque de Klaus.

− É muito bom saber que usam de seu tempo na diversão.

− Elijah − Damon se levantou rapidamente observando o outro irmão original que entrava na sala enquanto caiamos na gargalhada.

− Claro cunhadinho, temos que nos divertir de alguma forma, isso esta um tédio.

− O que vocês não entendem é que estamos em uma guerra, e uma batalha ainda esta por vir.

− Eu já disse sou a suíça e neutra nisso.

− Isabella, minha cara cunhada como anda me chamado, quando vai perceber que você é tudo nessa guerra menos a suíça.

− Claro meu irmão, ela é a rainha, e melhor uma rainha curinga.

Rebeka surgiu ao lado do irmão.

− Espere, me perdi, estamos falando de uma guerra, batalha, jogo de xadrez ou de baralho?- Damon falou.

− O que vocês não entendem é que eu não quero ser nada, entendam isso.

Gritei e sai correndo para a floresta. Fiquei por um bom tempo sentada em uma pedra.

− Você deveria entender o que eu te disse Bella, e principalmente entender o que Elijah quis dizer − Rebeka surgiu atrás de mim − Eu pensei que se podia ter privacidade quando queria.

− Isabella, você é a rainha, e uma rainha com vantagens, vejamos você é a princesa de Volterra, a filha do rei, daquele que os vampiros temem sua lei, e agora esta ao lado do rei hibrido da outra raça de vampiros, e aquela encenação patética que estavam na sala você e Damon fazendo pode muito bem se tornar realidade pense nas possibilidades.

− Eu não entendo Rebeka o que vocês querem? O poder ou a união?

− Os dois minha cara Isabella − Elijah agora surgia em meio as arvores.

− Como assim os dois?

− Pense comigo, você Isabella pode conseguir isso, temos de um lado Klaus, meu irmão forte e poderoso não pode ser morto, e do outro lado seu pai, igualmente forte, mas entre esses dois temos o que?

− A sede de poder – respondi.

− Está errada Isabella, temos você, e o amor.

− Como o amor? Agora sim que não estou entendendo nada, o que amor tem haver?

− Seu pai Isabela − Rebeka agora quem falava − ele te ama, e Klaus também.

− Meu pai não me ama, se me amasse já estaria aqui.

− Ai que se engana, Bonnie venha ate aqui- Bonnie surgiu também.

− Nossa! Daqui a pouco faremos uma festa na floresta de tanta gente que surge isso que vim ficar sozinha para pensar.

− Bonnie mostre a Isabella o que me mostrou − Elijah mandou, Bonnie se aproximou e colocou as suas mãos em minha mente e tudo ficou escuro, as imagens foram surgindo aos poucos e eu estava agora em Volterra, mais precisamente estava na sala do trono de Aro e seus irmãos.

− Meu caro irmão devemos atacar logo!

− Não Caius, ela esta no poder deles eu ne sei ate que ponto eles a dominaram, não posso arriscar.

− O que não podemos é ficar com essa demora.

− Aro tem razão Caius, Isabela esta no meio disso, não podemos arriscar sem poder deixa-la em segurança.

− Então o que faremos?

− Eu tenho um plano.

Bonnie caiu no chão e percebi que sangue saia de seu nariz.

− Bonnie − gritei e se ajoelhei em sua frente- o que ouve com o resto e o plano?

− Ela não consegue mais que isso Bella, olhe já foi muito conseguir ter essa visão, volterra é protegida as bruxas não conseguem muito acesso a ela, você é a ligação e mesmo assim é só isso que ela conseguiu.

Percebi pela visão que eu sentia falta de casa, e Elijah tinha razão eu estava no meio disso tudo, não importava o que eu tentasse ser a suíça, eu não era, pois nesse caso eu era a Onu, pois eu amava e queria a paz dos dois lados.

− Me deixem sozinha por favor.

As lagrimas vinham intensas estava na hora de amadurecer, e deixar a hibrida mimada de volterra e agir como eu realmente era, a rainha, sim a rainha por direito e se há uma coisa que dizem , as mulheres tem o domínio.

A minha decisão estava tomada, eu não podia voltar para casa de Klaus não com isso em mente.

−Ora, ora, ora se não é famosa hibrida.

Olhei para o lado e uma garota morena de cabelos longos alta e magra, e coloca magra nisso, eu ate dei uma bela olhada em meu corpo comparando, o tanto que eu comia deveria ter afetado meu peso.

− Quem é você?

− Bem ainda não chegou a seu ouvido sobe mim?

− Visando que você sabe de mim e eu não sei de você, podemos pesar a importância das pessoas aqui pela popularidade não é mesmo. − um pouco de sarcasmo não mata ninguém.

− Eu sou Katherine, a seu dispor e acho que deve ter ouvido sobre mim sim.

− Acho que devo ter ouvido algo sim, mas não dei muita importância.

A garota veio bem perto de mim, o que eu fiquei intrigada ela não tinha medo, e se realmente sabia que eu era sabia do que eu era capaz.

− Se eu fosse você queridinha eu não me aproximava muito.

− Isabella, Isabella, vejamos bem, você tem dons maravilhosos, você é altamente poderosa e melhor ainda, você queria uma aliança comigo.

− Como… Bem na verdade de onde tirou isso?

− Ah! Minha cara, sou Katherine Pirce, eu sei de muitas coisas e uma delas é a sua fraqueza.

− Não tenho fraquezas.

− Vejamos, verbena liquida, mas para isso teria de injetar em você., mas sei que não é imune a feitiços, e novidade a você queridinha, eu vivo a séculos e tenho muitos aliados.

− Mas…

− Shi −ela colocou a mão em meus lábios e continuou a falar eu tentei me mover e não consegui.

− Vejamos minha cara Isabella, eu estou espionando vocês a tempos, e aquele projeto de bruxa que arrumaram a vocês, ela não é tão poderosa quanto a uma bruxa vampira.

− Como?

− Minha cara…pode aparecer Alice.

− Alice? − olhei em volta e la estava ela saindo dentre as arvores.

− Oi Bella!

− Mas o que você esta…

− Quando meu irmão morreu pelas mãos de seu pai, eu estava sempre atrás de vingança, e Katherine me ofereceu a melhor de todas, como não me vingar de Aro, usando a preciosidade que ele tem.

− Mas éramos amigas…

− Éramos…

− Chega disso tudo, melhor que temos premio duplo, pois Klaus fez um trabalho e tanto, então mato dois coelhos com uma cajadada, você e o seu herdeiro ou seja la o que for que cresce dentro de você.

− Herdeiro?

− Ela não sabe ainda katy.

− Oras então você é a ultima a saber, pois pelas visões de Alice Klaus já sabe. Bella eu fiz..

− Katy na verdade eu fiz!

− Tanto faz, Alice fez com que Bonnie tivesse aquela visão somente para te deixar mansa e te dar algo a pensar, mas foi tão fácil chegar ate você aqui sozinha.

Elas ficaram ali por um tempo, ate que Alice proferiu algumas palavras e eu vi tudo escuro.

(***)

Um mês depois

  Klaus POV

Enfrentamos nossos demônios sempre que uma derrocada acontece, o fim de uma batalha, geralmente trás um vencedor ou perdedor, mas quando não há este desfecho quando ao invés de uma batalha se tem a desistência?

Os demônios não acabam eles tendem a crescer, a aumentar, a se tornar mais fortes dentro nós, a cada pincelada que dava no quadro, a cada força que eu impregnava naquela pintura eu deixava vir a raiva dentro de meu peito, eu a deixava crescer. A dor essa não tinha espaço, ela somente me consumia, me corroía e por isso eu tentava a fazer ir embora de alguma forma.

O cheiro de sangue impregnava minhas narinas, e eu ainda estava com raiva e nada acabava essa raiva que me consumia.

− Meu caro irmão, vejo que esta somente se destruindo.

− Se vai vir meu irmão novamente com suas lições de moral, creio que não é o momento.

− Klaus, pare de fingir que não se importa que somente as suas atitudes já te entregam meu caro irmão, já é o que a quinta só essa semana? Desta forma teremos de nos mudar o mais breve possível

− Não me importo Elijah, não é assim que vivemos a anos, se mudando de cidade em cidade, sendo a escoria a sombra, e quando eu tenho o plano todo arquitetado eu confio na pessoa errada.

Peguei o quadro em minha frente, mais uma representação dela, desta vez a pintei sorrindo, pois realmente era assim que imaginava ela neste exato momento, sorrindo debochando de mim, peguei o quadro e o fiz voar longe juntando-se aos outros destroços de representações dela.

− Vai desenhá-la ate quando, e destruir o quadro, realmente acha que é isso que faria se a encontrasse?

− Não vou a encontrar meu irmão, ela foi embora, e visto que nosso inimigo nem veio antes atrás dela, e nem depois, já sabemos que realmente ela não desejava estar aqui foi tudo um jogo, ela arquitetou e assim que baixamos a guarda agora ela esta lá em seu castelo em seu trono.

− Não sabemos se é isso irmão.

− O que eu sei foi que EU FUI ENGANADO- gritei jogando o resto das tintas em cima da mesa e em uma representação patética de minha dor, eu comecei a jogar tudo ao ar, como uma hibrida, podia ter feito isso comigo, como essa dor podia ser maior que qualquer coisa que já senti.

− Não adianta Klaus você descontar nas pinturas, na mobília, em mulheres que traz somente para mata-las você é um líder, forte destemido e se ela tomou essa atitude há uma explicação.

− Já disse não importa, ela me enganou Elijah, e pior, ela me quebrou e onde ela me machucou, não tem como se curar.

Voltei a meu quarto que nessa altura já haviam retirado o corpo de mais uma garota que eu havia estraçalhado, sim agora meus dias se resumiam a encontrar uma garota indefesa e depois de aproveitar dela eu a destruía em pedaços imaginando que estava fazendo isso com ela, bati a porta .

As lagrimas já não me pertenciam, eu não queria deixar a dor me dominar, queria ser forte arquitetar outro plano, mostrar a ela que eu estava sendo eu mesmo e que a sua partida não tinha me afetado.

Mas a dor me consumia e mesmo tentando não demonstrar isso eu acabava sendo alvo da vã filosofia de Elijah. Ele nem sabia do pequeno detalhe, da desconfiança da suposta gravidez se isso realmente era verdadeiro.

− Se importa e sabe disso, pare de fingir que não doí, pare de mostrar que é forte, e faça algo!

− O que? Invadir Volterra exigir uma explicação dela.

− Se for preciso.

− Não Elijah não darei esse gostinho visto que ela vai me ver se humilhar a sua família e ainda correr o risco disso ser uma armadilha, eu acabar morto ou pior prisioneiro , não meu irmão, eu não irei correr atrás dela.

− O orgulho esta te dominando.

Ser uma das mais fortes criaturas da terra não me livrava dessa fraqueza, esse sentimento que veio em mim para me assolar, me dominar.

Eu queria mais, eu precisava saciar novamente ir atrás de uma garota, e a dominar a fazer minha e depois a matar, saciar a minha raiva.

Quando eu estava descendo as escadas de minha casa, fui cercado por todos eles.

− O que é isso? Uma comitiva em prol de salvamento do depressivo e volátil Klaus? Tenho uma noticia a vocês, eu não preciso de babas que fiquem me rondando, agora caiam fora de minha casa, melhor se quiserem ir embora vão, todos vocês, eu digo TODOS – gritei as palavras me direcionando a meus irmãos Elijah e Rebeka.

-Não tão rápido Klaus, antes veja que Bonnie tem algo para mostrar a você

− E eu quero lá ver o que essa bruxa tem para em mostrar.

− É importante Veja irmão

Mesmo contra a minha vontade, eu deixei a bruxa colocar as suas mãos em minha cabeça e em instantes a imagem de uma imensa sala estilo imperial e rustico, colunas brancas, três tronos em vermelho a luz que entrava servia para iluminar o local que era sombrio, imagine que era a sala do trono de Volterra, mas em seus tronos não havia ninguém, eu ouvi vozes, virei para trás e Aro e seus dois irmãos estavam em pé, eu não conseguia organizar as falas e não sabia o que discutiam, mas sabia que tinha alguém por trás deles.

Caminhei ate que a vi, era ela, Bella estava ajoelhada em frente ao seu pai, e os três irmãos estavam observando com ar de abominação para ela.

Neste instante escutei o choro de Isabella.

− Por favor Pai, não, não faça isso, pense na mamãe, quando aconteceu com ela e você não a deixou mata-la

− Um.. hibrido Isabella, um hibrido de Lobo ainda mais daquela raça nojenta isso não pode ser perdoado

− E uma hibrida de humana com vampiro pode ser tolerada?

− Isso é pior, é algo que não sabemos nada, não sabemos o podemos esperar.

− Eu devia renegar você como pai.

Neste instante Aro levantou as mãos e eu somente gritei no momento e que vi sua mão chegar ao rosto delicado e aparentemente frágil de Bella….

Tudo se escureceu.

− Não!!!

− Me mostre mais sua bruxa- tudo escureceu e vi Bonnie caída no chão com sangue saindo de seu nariz

−Bruxa, me mostre mais

− Calma irmão, era somente isso, você viu tudo

− Vi que ela estava apanhando aquele pai dela é um hipócrita

− Não irmão, prestou atenção do que eles falavam?

− Era de algo inexplicável, acho que era de nossa relação.

− Não irmão, ele falava de algo maior, de algo que surgiu dessa relação.

− Eu sei exatamente do que ele falava Elijah, e agora eu tenho que salva-los, Bella e meu filho.

Meu livro: Diário de uma vida dupla


capa fb amazon

Olá povo do The cullens, saudades imensas de vocês, infelizmente andei muito afastada daqui, porém não é só vocês quem estão abandonados, o Nyah anda paradinho, eu ando mais pela Plataforma Wattpad onde acabei transformando algumas de minhas fanfics em originais. E como já havia avisado uma de minhas fanfics se tornará livro.

Tudo aconteceu tão rápido que eu acabei tendo pouco tempo para explicar, então ai vai:

Eu ia repostar a fanfic CTM em versão de fanfic e também original, porém a repercussão superou as minhas expectativas, eu acabei recebendo uma proposta de uma editora e meus planos mudaram por completo, eu tive de deixar a postagem da fanfic e passar a me dedicar somente ao livro, que se tornou uma trilogia, isso sim é trabalho de mais, porém estou gratificada.

Mas por outro lado, vocês aqui do The Cullens foram minha primeira casa, e mesmo que sejam poucos a acessar o blog ainda, eu devo muito a vocês.

Sobre as fics incompletas: eu vou reservar um tempo para terminar pelo menos essas que postei aqui, sei que vai demorar, e não posso saber quanto tempo, depende de inspiração e a mente ocupada acaba bloqueando as ideias.

O lançamento do meu livro na Amazon em E Book será dia 09/01/2015

Depois de uma meta a cumprir pela editora rumo a publicação do impresso

Espero vocês nesse novo caminho

para quem deseja acompanham meu novo trajeto vou deixar alguns links para me achar:

Wattpad Plataforma de postagens de livros : LINK

Pagina do livro DIÁRIO DE UMA VIDA DUPLA

Facebook da IZIS

Facebook da DILA

Cinquenta Tons de Medo- Diário de Uma vida dupla


Olá, bem como eu disse iria começar a postar fancs sem vampiro, e então aqui estou eu, mas antes vamos a um aviso muito importante sobre isso:

Primeiro desculpa a demora nas postagens, é que como as fanfics aqui postadas estão com probleminhas eu acabei sumindo .

Vejamos: In Love Forever estará em Hiatos, sem tempo para voltar, estou com bloqueio com essa fanfic sendo que foi excluída ate mesmo do Nyah, Os originais em Confronto? ela já tem capítulo estão todos para correção, beauty anda Best esta com esse mesmo problema, mas logo terão postagem,

Agora falaremos dessa fafic aqui: é um Universo sem vampiros, ela já foi postada no nyah e no Blog Lana Aguiar, porém eu estou reescrevendo ela no momento, totalmente nova e ela só será postada essa versão agora, em meus perfis, antes eu liberava minhas fics em outros blogs, essa não vai ser postada, pois ela além de ser especial, esta cotada para uma possível publicação.

Isso mesmo ela pode e se tudo der certo virar um livro, e por isso e pelo carinho das leitoras aqui do blog eu irei postar ela aqui para vocês

Conheçam CTM, Cinquenta tons de medo- Diário de Uma vida dupla, Uma crossover de Twilight e Cinquenta Tons

 

Capa CTM nyah

VOLTA DE ETERNAL FLAME


Boa tarde a todos!!!

Não me matem por favor, sei que estou sumida faz algum tempo e todos estão ansiosos pra saber se Eternal Flame vai continuar…

A resposta é SIM!!! VAI CONTINUAR.😀

Estou distante do Blog pois minha vida está uma loucura, muito trabalho e ansiedade com os preparativos do meu casamento.
Pois é Galera a Lanynha vai casar e estou atolada de afazeres, pois estou fazendo tudo praticamente sozinha (O noivo mora em outra cidade e minha mãe, não leva muito jeito) convites, caixeta de tecido para os doces, contratando os fornecedores em fim… uma correria só!

Me caso em Outubro desse ano, então creio qua à partir de Novembro consigo voltar a postar!

Por hora é isso galerinha Nos vemos em Novembro!

Mil beijinhos e aguardem grandes emoções em Eternal Flame!

Novas fanfics sem Vampiros


Olá leitores do The Cullens, pensando em não acabar com esse blog que amo, visto que as vezes demora as postagens das fics, eu tive uma ideia mas que quero muito a opinião de vocês aqui e se querem essa mudança

Eu tenho varias fics que estão concluídas, e outras em andamento, porém elas usam o Universo alternativo

que é , usam os personagens de Twilight, porém eles não são vampiros, e sim humanos.

Gostaria de saber se vocês querem que essas fanfics sejam postadas aqui?

ai vai algumas dessas fanfics e suas capas :

Edward Cullen um Médico cardiologista bem sucedido, Isabela Swan Cullen sua esposa e Jacob Black, são amigos e se conhecem desde Jovens,todos viviam bem até um mal entendido acabar com a paz de cada um, mas ao ponto de vista de cada um as coisas aconteceram de forma diferente.

Isabela Swan uma garota simples que vem para cidade, e para poder ter uma vida confortável entra para um club de Pole Dance, ela conhece Edward Cullen, um homem de negócios e conhecido entre a sociedade e se apaixona.

Poderia ser a Cinderela se não fosse por fatos que sempre os separassem.

 

Isabella Swan Grey era casada com o milionário Christian Grey, com vida perfeita aos olhos da sociedade. Carros, jóias, imóveis, tudo uma fachada para uma vida de submissão que ela não aceitava, porém para manter as aparências, ela convive com um homem que a faz viver sobre a pressão de ser vigiada e controlada.
Na intimidade os jogos a atraem, no entanto na vida, ela detesta ser controlada como é em quatro paredes.
Um plano… Uma fuga… Uma nova identidade… Surge Anastácia Steel.
Mas, Edward Cullen entra na sua vida mostrando que o amor pode sim trazer felicidade e liberdade.
Mas ambos tem um passado nebuloso e ambos vivem uma mentira.
Começa um triangulo perigoso, onde cada olhar, cada gesto, é monitorado.

 

Quatro amigas: Bella, Rosalie, Alice e Elena. Quatro personalidades completamente diferentes:

Bella é uma grande advogada que terá que trabalhar com Edward Cullen, um homem tão impetuoso e persistente quanto ela, gerando, entre eles, um ódio natural. Mas, graças ao convívio com ele, Bella irá descobrir que os opostos realmente se atraem.

Elena, uma jovem destemida, que, em uma viagem a Roma, vê sua vida mudar completamente.

Rosalie, uma mulher com um passado traumático que tem medo de viver novos relacionamentos e abrir seu coração.

Alice, uma mãe devota que faz de tudo para ver a filha feliz. 

Agora, essas quatro amigas estão prestes a vivenciar as maiores experiências de suas vidas…

Edward Cullen é um rapaz perturbado por seu passado. Cresceu sem o pai e conviveu com a mãe alcoólatra e usuária de drogas, o que o levou a uma vida sem regras e sem limites. 
Isabella Swan sempre foi ama mulher dedicada e mesmo com seu passado sofrido sendo mãe adolescente, ela se reergueu e tem uma vida estável e equilibrada. Quando o destino une duas pessoas que são diferentes e ao mesmo tempo iguais ele pode destruir ou levantar.
Construir um alicerce para uma vida é cimentar, e não andar ou construir em vidro, pois um dia tudo isso pode quebrar Na vida às vezes o que mais necessitamos é de alguém que nos ame e nos estenda a mão.

 

 

In Love Forever- capítulo 19


ilf cap19

 

Oláaa, e ai viram que estou postando novamente, e para alegria das Belwards, ai vai um capítulo de ILF, esse está pequeno, mas é uma introdução a nova fase da fanfic, espero comentários beijos

In love forever

Capítulo 19

Introdução a segunda fase

“Não há palavras para descrever essa sensação nova, tudo o que meu corpo sente de novo, todas as mudanças, a força a agilidade, elas são sentidas em meu sangue, eu só sei que nada disso é bom, mas ao mesmo tempo eu sei que era necessário, a cada memoria que vinham em minha mente elas estocavam meu peito feito faca de dois gumes que giravam dentro de meu peito.”

-Bella…

Cam, meu irmão de alma, o meu equilíbrio na terra, aquele cujo o sofrimento era causado pela minha simples existência, e a morte por minha morte, não estava contente com a nossa atual situação, mas foi necessário, ele sabia mesmo não aceitando.

-Sim Cam…Fale

-Eu estou bem

-Não está, eu sei disso, posso sentir, agora mais que nunca.

-É estranho

-Sim eu sei, totalmente novo

-Estranho que as memorias estejam mais vivas do que nunca, como dói saber  de tudo e ao mesmo tempo não poder voltar e resolver tudo antes mesmo de acontecer as tragédias

-Não pense assim, pense que é uma nova vida, novos caminhos.

Cam sabia exatamente do que eu falava, assim como eu ele via o mesmo que eu via.

Entrei novamente na mansão Cullen todos estavam em volto ao grande livro que eu carregava sempre, a famosa bíblia dos vampiros, e sabíamos que não podíamos tocar nele, mas sabia que nele ainda poderia haver algo de importante alguma coisa que deixamos passar.

-Bella- a voz suplicante de Edward me mostrava que ele como todos ali estavam esperando algo de mim.

-Sabemos o  que tem de ser feito.

-Sim, temos que viajar o quanto antes, esperamos somente que Marcus e Miguel estejam conosco.

Não demorou muito senti a chegada deles.

– Bella posso falar com você a sós?

Edward e eu não tivemos chance de uma conversa intima, e meu foco nem era esse, mas eu sabia que ele sendo um vampiro diferente fadado a viver com um coração apaixonado ele precisava disso, ele temia a perda desse amor, eu podia sentir, assim como eu podia sentir a aflição em seu coração, assim como eu sentia a preocupação de todos, dizem que vampiros vem com dons, foi neste instante que descobri meu dom, eu podia sentir além do que ninguém podia , eu sentia o que cada um sentia a minha volta.

Subimos ate o seu quarto, eu olhei diretamente em seus olhos

-Bella eu..

– Eu sei, esta com medo, esta aflito, angustiado.

– Sim, eu não consigo disfarças isso de você nunca, isso não mudou.

-Não mudou, mas ainda assim isso é novo, eu posso sentir com mais intensidade, não somente o que você sente, mas todos a minha volta, foi bom sair de la, a preocupação ficou maior assim que Miguel e Marcus chegaram.

-Me desculpe por isso também.

-Não se desculpe, não é porque me transformou que é culpado pelo dom, é o que tem de ser, e agora eu posso ver com mais clareza.

– É uma das vantagens de ser vampiro, tudo fica mais intenso.

Edward colocou a mão em meu rosto, era diferente agora as sensações os toques, ele não era mais frio, seu toque agora era quente, estávamos na mesma temperatura.

-Não me impressiona isso.

-Nem a mim, a sua beleza sempre foi rara e perfeita para mim.

-Não estava falando nisso- Sorri para ele- Eu falava de seu toque, ele é perfeito.

-Sim isso também.

Não podia me sentir feliz, pois minha jornada ainda estava no início, mas eu me sentia bem, como se parte de meu intimo sempre soubesse que eu era fadada a isso, a ser uma vampira uma hora ou outra, mas eu sabia que esse tempo deveria ter um fim, não havia nada que eu quisesse mais do que dar a Edward o que sempre ele sempre almejou, ser humano, a ambos envelhecermos juntos, mas antes tínhamos um longo caminho a ser percorrido.

Assim que saímos do quarto, eu já havia dado um tempo para que as emoções de todos estivessem mais singelas, descemos as escadas, Edward segurou minha mão, eu sentia conforto em estar ao seu lado.

-Bella,

Miguel veio a meu encontro envolvendo meu novo corpo em um abraço

– Vi que ocorreu tudo bem.

Era estranho um anjo estar tão em conformidade a isso, ver um novo vampiro, mas visto ao nosso objetivo, tudo corria plenamente bem.

Eu não seria um peso morto, os demônios não mais seriam tão fortes a ponto de me matar facilmente, eu agora era tão forte quanto a qualquer um ali presente, e igualmente poderia me defender, mas agora o foco seria outro.

-Eu posso tocar no livro, e isso não é segredo, visto que eu mesmo o coloquei na biblioteca para que você o encontrasse, e tem um detalhe ao qual ninguém notou.

Fiquei intrigada com esse detalhe, mas fui observar o que Miguel tinha que mostrar.

-Vejam, há uma folha faltando igualmente em cada uma das línguas escritas nele.

-Já havia notado isso, mas não sabíamos o  motivo.

-É a parte exata que fala sobre a cura, mais especificamente a forma de que ela age.

-Isso quer dizer que quem arrancou as paginas não queria que soubéssemos de que forma a cura age.

-Sim, mas o problema é saber quem? E porque?, visto que o livro foi selado para que vampiros não o toquem, e além disso ele repele os demônios, deduzo que quem retirou as paginas..

– Foi um humano..

– Ou um anjo , veja eu sou um caído, mas não me tornei um demônio, e isso me deixa pegar o livro, pois ainda não fui condenado, eu não tive meu julgamento , mas os demônios assumidos

-Assim como Daniel- Edward falou

-Isso assim como Daniel, os demônios são maldiçoados assim como os vampiros, o julgamento final trará a eliminação ou salvação a eles,

-É por isso que Daniel não quer que cheguemos a cura, ele sabe que assim que os vampiros chegarem a cura, eles podem ter a salvação, e o purgatório será eliminado, isso tudo é parte do que esta no livro, eu o li muitas vezes, e sei que como os vampiros os anjos caídos podem receber a salvação basta querer, só que os que não aceitarem.

-Sim, eles serão destruídos, Daniel é egoísta, ele não quer isso assim como muitos caídos e demônios mais antigos como o próprio Lucifer, só que como ele designou Daniel a ser seu lacraio, ele mesmo não entra em uma batalha

-Mas Miguel- Edward chamou atenção – e se ele ver que esta perdendo, e se ele ver que estamos com nosso objetivo quase alcançado

– Ai meu caro Edward vem a parte pior, o próprio Lucifer pode entrar nessa batalha.

-E as paginas faltando?- perguntei

-Teremos de encontra-las, ou saber exatamente qual o conteúdo delas, há somente uma pessoa que leu esse livro antes dele ser enfeitiçado e protegido

– Quem? – perguntei

-A sua primeira mãe

-Mas isso nos ajuda como?  Eu não sei onde ela esta, e ate onde eu sei ela aparece quando quer em apenas visões que nem sei se terei novamente

-Bella ela foi amaldiçoada, ela se tornou vampira, mas …

-Mas o que Miguel?

-Eu me tornei um caído não somente por vocês dois Cam e Bella, eu me tornei um caído por ela, eu pedi uma chance a ela, mas eu fui condenado a não me encontrar com ela, mas eu fui contra as regras, Rose esta no purgatório, mas ela tem acesso a este mundo, e creio que com o feitiço certo podemos falar com ela.

Lucy era uma bruxa excelente, então ela canalizou sua energia em Marcus que segurava o livro em suas mãos, ela queria um contato com Rose, ela usou a mim e a Cam, que éramos a ligação que ele tinha neste mundo.

As palavras em línguas diferentes foram proferidas, quando olhei os olhos de Lucy estavam negros, o vento entrou com tudo pela janela, as velas que estavam acessas em volta de um circulo se apagaram, e em um instante tudo ficou escuro, quando aos poucos as velas foram acendendo, uma a uma, e isso era um sinal de que o feitiço estava em andamento.

Quando Lucy fechou seus olhos as velas acesas ficaram mais fortes, e foi quando a vi, a mesma mulher da biblioteca, a mesma que vi um dia que eu fui quase atacada, sim era a minha primeira mãe.

OOEC- 10- Uma visita Indesejada


Olá como estão? Demora mas chega, e ai vai mais um capítulo de Os originais em Conflronto

ooec 10

 

OOEC Cap10

Uma visita indesejada

 

O vento soprava entre as arvores e cada detalhe era esplendoroso eu admirava tudo da janela do meu quarto, pois se este era o quarto de Klaus e agora eu ficava acredito que poderia chamar de meu, apesar de ele não ter dormido aqui por duas noites seguidas, isso estava me intrigando, no entanto eu prometi não me envolver em nada que se referisse aos seus planos.

Suspirei pesarosamente imaginando que seria tão fácil se os sentimentos não me prendessem mais que um simples feitiço, eu estava realmente livre a qualquer momento eu poderia sair daqui voltar a Volterra acabar com tudo isso, mas algo me prendia além de tudo isso, o sentimento que crescia a cada dia.

Klaus é diferente quando se conhece melhor, sua dor, sua mágoa, tudo que ele passou na mente dele fazia sentido, e entrando em sua mente eu podia entendê-lo e assim o amar mais.

Duas batidas na porta me tiraram de minha meditação diária, não era Klaus ele não batia, e nem Elijah, pois sempre suas batidas eram mais leves, pelo cheiro e os pensamentos eu identifiquei que era Rebekah.

— Posso entrar?

— Já entrou. — respondi, já que as batidas se seguiram com ela abrindo a porta.

— Podemos conversar a vontade hoje, estamos totalmente sozinhas.

— Sério? Nenhum cão de guarda?

Rimos juntas, pois mesmo eu não estando presa, Klaus era muito cuidadoso, e sempre mantinha a casa sobre vigilância constante.

— O que quer conversar Rebekah?

— Sobre aquele assunto.

No dia de minha briga com Klaus Rebekah veio com uma proposta, de unirmos forças e retirar o poder da mão de homens visto que eu sou tão poderosa a ponto de eu mesma não ter noção do meu poder.

— Rebekah andei pensando, mas quero saber que vantagem eu terei de aceitar seu acordo, visto que, eu já estou na vantagem, se meu pai governar estou bem, sou filha dele, se Klaus governar estarei bem, pois estarei ao lado dele.

— Atrás Bella, não ao lado, nós sempre estamos atrás deles, você não vê que sempre quando o poder é o foco ficamos jogadas de lado, e não somos tão importantes?

— Isso não me incomoda. — dei de ombros.

— Incomoda e muito, eu vejo Bella em seus olhos, isso está aqui dentro entalado assim como está em mim, não minta para si mesma.

Eu sabia que ela tinha toda razão eu me incomodava de sempre ser a segunda opção, a dominação sempre vinha em primeiro lugar.

— Bella analisa se Klaus ou seu pai dominar um deles sempre estará subjugado isso nunca vai terminar, agora se o jogo inverter, nenhum dos dois dominar nenhum se voltará contra você, essa é a vantagem.

Tudo que Rebekah falava fazia muito sentido, eu não poderia negar, mas como seria feito isso? Como eu iria me voltar contra meu próprio pai e até mesmo contra quem eu amava?

— O que as duas mulheres estão tramando? — disse Damon entrando no quarto sorrindo como sempre.

— Não existe educação de onde você vem? E se eu estivesse me trocando ou algo assim Damon?

— Aí a porta não estaria aberta creio eu, e por que as moças estão todas de segredos? Pois mulher quando se reúne nada de bom sai. — Damon falou e se aproximou de Rebekah pegando uma mecha de seu cabelo e a cheirando.

— Nem vem Damon hoje estou sem paciência para suas gracinhas!

— Como estamos ariscas hoje! Não era assim que estava essa noite… Vejamos estava selvagem, mas não arisca.

— Damon! — olhei para os dois e Rebekah chegou a ficar corada algo estranho a um vampiro, mas era comum na espécie dela.

***

A fome era algo que eu sempre senti, mas atualmente estava sendo demais.

— Como quer seus ovos Bella?

— Pela milésima vez Damon, eu prefiro eles bem duros.

— Bella vai querer bacon?

— Sim Rebekah, meu Deus eu não preciso de babá! Eu mesma posso fazer meus lanches.

— Não se preocupe, eu gosto de cozinhar. — Damon sorriu.

Era o segundo lanche que eu fazia depois de um café da manhã bem reforçado e antes do almoço que eu já estava pensando no que comer, ficar sem fazer nada estava me deixando ansiosa, e eu me perguntava se uma híbrida poderia se tornar obesa.

O dia se passou e eu tive a companhia de Rebekah e Damon, que não sei por que motivo eles brigavam muito, sabendo que a noite eles estariam em outra situação.

As pinturas de Klaus estavam mais suaves, parte de mim queria acreditar que eu fazia parte desta mudança, suas pinceladas eram de menos raiva, eu sentia a leveza dos novos traços que ele agora estava mais sereno em cada detalhe, o quadro inacabado de sua mãe estava coberto, e eu não me atrevia a tocar nele, sentia que era algo pessoal demais, e estar ali admirando sua pinturas já era uma invasão grande, esse era seu mundo, seu espaço.

— Você gosta de admirar meus trabalhos!

— Klaus! — corri em sua direção, e o agarrei pelo pescoço, ele não passou a noite em casa, e o dia praticamente chegava ao final, era como estar muito tempo longe dele levasse parte de mim.

— Bom saber que se sente assim. — como sempre eu deixava parte do que pensava escapar junto com as emoções.

— Você sumiu.  — fiz um biquinho.

— Minha garota mimada, não é acostumada ser deixada de lado.

— Não é isso, ser deixada de lado é algo comum para mim, mas ficar longe de você está ficando insuportável, porque sempre quero estar ao seu lado como um vício uma droga.

Klaus afastou meus cabelos e olhou em meus olhos por alguns minutos, ele nada disse e não deixou nada de sua mente escapar, somente me encarava, eu poderia estar querendo que isso acabasse, mas me deleitei a esse momento, e também o encarei era bom admirar seus olhos.

Meu estômago protestou e eu sorri.

— Vamos jantar, acho que estou faminto passei o dia somente com uma bolsa de sangue.

— Eca, eu gosto de sangue fresco, mas como temos que manter as aparências, tudo bem, mas na verdade estou com fome de comida humana mais que sangue.

— Vamos, faz dias que não preparo uma boa comida italiana para você.

Elijah estava próximo a lareira lendo um livro, Rebekah e Damon estavam na beira da piscina, Klaus terminava de preparar uma massa que só o cheiro estava me enlouquecendo.

Duas batidas desesperadas na porta da frente fizeram todos se sobressaltarem,

— Que inferno! — Klaus abandonou o molho que eu corri para desligar assim que ele foi em direção à porta que Elijah abria.

— Stefan, o que temos a honra de sua visita irmão? — Damon veio rapidamente também e foi em direção ao rapaz alto, cabelos levemente arrepiados e o abraçou.

— Agora sim mais um Salvatore.

Estava sem entender muita coisa, mas entendi que se tratava de um irmão de Damon.

— O que o trás a esses lados de Mystic Falls?

— Katherine.

Quando ele pronunciou esse nome vi o olhar de morte de Klaus e a colher que ele segurava para mexer o molho se tornou nada mais que um minúsculo emaranhado de metal retorcido.

Elijah estava mais ereto que todos e Damon e seu irmão se encaravam como se o nome desta mulher fosse o nome da morte, o clima estava tenso.

— Ah, qual é?! Não acredito que esse fantasma veio dos quintos dos infernos, e vocês estão aí todos preocupados! Poupe-nos, Stefan! — Rebekah entrou toda despreocupada, o que me aliviou mais, no entanto eu analisei que somente os homens presentes estavam preocupados com esse nome, o que me deixou ressabiada.

— Olá Rebekah, você não entende, Katherine voltou, e ela não está sozinha, ela tem aliados, da raça dela.

Ele apontou para mim.

— Espere um pouco, eu nem te conheço, e você aponta assim para mim?!

— Todos sabem quem você é, e pelo visto as notícias chegaram a Katherine onde se quer que ela estivesse e agora ela quer usar isso contra Klaus.

— Calma aí! — falei e fui andando em direção a todos. — Por que essa tal de Katherine vai querer usar algo contra Klaus?

— Não se preocupe Bella, isso é algo que resolverei.

— Como sempre resolveu irmão? Katherine é esperta, ela foge de você há séculos e se voltou tão descaradamente assim ela tem algo muito grande contra você.

— Não tenho medo dela, ela quem deve me temer.

— Acho que deve rever seus conceitos irmão, há algo maior em jogo, e pelas informações de Stefan ela tem aliados.

— Pois que venham! Quem é ela para achar que pode se intrometer nos meus planos?

A discussão estava indo longe, eu estava sem entender nada, eu só sabia que essa tal de Katherine pelo visto havia já irritado muita gente e pelo visto seu alvo preferido eram os homens, e algo me veio à mente e aproveitei a distração de todos e segurei meus pensamentos.

— Rebekah venha comigo dar uma volta enquanto eles discutem sobre essa Katherine.

Rapidamente saímos em direção ao bosque o mais longe que pude da casa de Klaus.

— Explique-me por que essa Katherine mexe com os ânimos de todos eles?

— É uma longa, uma não, várias longas histórias! Katherine é uma vampira e ela já deu muito trabalho a Klaus.

— E o seu irmão Elijah, Stefan? E até Damon, eu percebi que ela mexe com todos!

— Como eu disse várias longas histórias, resumindo se você achava Hayley uma vadia, precisa conhecer Katherine, ela praticamente se envolveu com todos ali!

— Até com Klaus?

Rebekah não respondeu, mas pude ver em seu olhar que sim.

— Bella, mas isso é passado.

— Um passado que ainda atormenta.

— Katherine quer poder, e ela sobrevive da forma que lhe é conveniente, ela não mede nada sentimento amor nada, ela somente vive pela coisa mais importante pra ela, ela mesma.

— Entendi. — um leve sorriso brotou em meus lábios e eu comecei a bolar um plano.

— Rebekah eu preciso encontrar Katherine, antes de qualquer um ali dentro.

 

POV Klaus

Não acredito que esse inferno volta agora, justo agora, que eu estou arquitetando meu grande plano essa criatura volta dos infernos, eu achei que jamais a veria depois de tudo.

— Klaus eu posso entrar?

Estava olhando para o bosque e imaginando quanto tempo de minha eternidade eu já havia perdido com ela e agora ela retorna, quando a voz de Bella me retirou qualquer pensamento ruim.

Eu sabia estar me afastando de Bella a cada dia que não dormia em casa, a cada dia que me mantinha afastado, mas eu estava me preparando, Aro estava sim tramando algo.

— Entre.

Bella caminhou em minha direção e seus pensamentos estavam tão calmos que conseguiu me tranquilizar, hoje depois de tudo eu não iria sair e deixá-la sozinha, eu iria ficar, queria estar ao seu lado o máximo possível, se realmente Katherine estava voltando e com alianças a meus inimigos eu deveria arquitetar outros planos, mas não esta noite, não agora.

Bella me encarou serenamente, e queria dizer algo, falar a ela sobre tudo, a história de Katherine.

— Bella…

— Shi… Não Klaus, não agora. — ela selou meus lábios com um beijo sereno.

Minhas mãos não se contiveram, e agarraram seus longos cabelos, Bella subiu suas delicadas mãos por minha coluna e sentia suas unhas cravando minha pele.

Um suspiro de satisfação saiu de seus lábios e eu gemi em resposta.

Ela estava com sede, e eu estava com sede dela, a ergui em meus braços a levando em direção a cama.

Em instantes nossas roupas não passavam de trapos rasgados no chão.

Nossos corpos estavam em uma alta conexão e éramos um só, Bella estava tão entregue, tão serena.

Minhas mãos traçavam o contorno do corpo escultural e delicado dela, arrancando suspiros e gemidos de sua boca.

Bella não se conteve e suas mãos atacaram minha pele com as unhas deixando marcas que se reconstituíam logo, mas deixavam uma sensação boa de dor e prazer.

A hora não passava de algo inexistente e o tempo estava como parado para nosso momento.

E mal percebi que a noite dava lugar ao amanhecer.

Bella estava deitada em meu ombro e dormindo serenamente, levemente eu sentia sua respiração e junto suas batidas de coração, mas algo me chamou atenção, outro som, um som estranho aquele momento silencioso.

Eu ouvia outro pulsar outra batida de coração, olhei para Bella ela ainda dormia, mas o som que eu ouvia vinha dela, duas batidas, em sequências e compassos diferentes, em uma mesma criatura.

Isso era impossível!

 

 

Beauty And Beast — 2ª Temporada : Capítulo 5


Notas:N/T : Hey Babys! Tudo bem? Voltamos, depois de um bom tempo, aqui estamos! Estão com saudades? Pois eu estou com vocês…
Então, o que acharam?
Vamos voltar com o att, e muito mais rápido! Deixem comentários, estamos com saudades my girls e boys! Beijos ♥
By : Tory Night.

N/I : Oláaa meu povo lindo, as autoras sumidas voltaram o; e com tudo agora não deixaremos vocês na mão mais teremos sim um dia de postagem, que logo veremos qual sera o melhor beijos a todas e corram ler.

 

Não havia nada que eu pudesse fazer em minha mente para poder fazer Damon deixar de ser esse pateta sentimental.

Escolhi um vestido azul que batia na altura da coxa, uma jaqueta de couro preta, e uma bota.

Estava sensual o bastante e acreditava que desta forma eu podia começar a tentar chamar atenção de Damon.

Eu me sentia forte e soberana, sabia que devia tomar cuidado, humanidade nada tem a ver com cautela, e se alguma coisa eu aprendi nos meus anos patéticos de humana, foi que a discrição e a estratégia são fatores cruciais.

Desci as escadas lentamente na velocidade humana, era estanho saber de todo esse potencial que meu corpo é capaz, mas ter de agir de forma normal.

Damon estava sendo extremamente exagerado, ele sabia que eu estava desligada, mas o que resta saber era se ele sabia que eu queria desligá-lo.

— Bom dia grande família. — Lexy me encarou perplexa. Damon me olhou com desprezo como se eu fosse a pior coisa do mundo, como se isso me afetasse! Stefan por sua vez veio ao meu lado.

— Como está se sentindo hoje Bella?

Patético idiota, eu queria era arrancar a cabeça dele em um só movimento, mas ao invés disso eu sorri tentando não ser sarcástica.

— Melhor, me desculpe por ontem!

Todos olharam espantados, era visível que não acreditariam que eu estaria ligada assim do nada, mas não custava tentar agir feito uma pateta para meu objetivo ser alcançado.

Virei-me e sorri torto, tentando fazer meu teatrinho, aqueles idiotas uma hora vão ter que acreditar que eu não estou desligada.

Assim que fui em direção a porta senti Damon se aproximar, sim meu plano talvez começasse a dar certo.

— O que foi isso? Você pedindo desculpa?

— Damon, eu não sei bem o que houve só sei que estou me sentindo bem hoje, mas sei que fiz burrada, sei que podem não confiar em mim a partir de agora, mas faz parte e se vou aprender a viver eternamente tenho que aprender a ter paciência.

Virei-me novamente, mas antes eu não perdi a cara de espanto de Damon com minha declaração, fui em direção a porta e saí caminhando.

— Bella espere.

— Damon deixe-a, essa aí está fingindo.

Ai que vontade de dar um chute naquela Lexy, mas não agora eu era a Bella boazinha que todos amam, e melhor a bela confusa, fiz que nem ouvi essa acusação e continuei.

— Lexy me deixe ir, eu sinto que algo está errado, ela está diferente.

Senti Damon me seguindo.

— Porque não escuta os outros, Damon? Depois do que fiz você deve estar muito chateado comigo.

— Bella eu só não entendo como de uma hora para outra você…

— Engraçado Damon, isso está vindo do assassino que eu vi dentro de uma cela recuperar a humanidade em minha frente, eu sei que preciso de um voto de confiança para que me aceitem, o problema é que você Damon, é o ultimo que pode me recriminar.

Vi que ele parou por um instante, eu continuei andando, estava sendo tão fácil manipula-lo, era somente disso que eu precisava da confiança dele, assim eu poderia seguir com meu plano.

Voltei para residência Salvatore me servi de uísque sempre sendo vigiada pelos olhos de todos, eu sabia que seria assim sempre, então tratei de nem ligar. Um cheiro característico se aproximava, Elena sim aquela sem sal estava vindo aqui, antes de achar entediante isso, me lembrei de que era uma oportunidade de mostrar que estava bem.

Assim que ela bateu à porta, todos olharam e imediatamente e me encararam.

— Calma, sei que não é seguro para Elena, então estou indo para o meu quarto.

— Não precisa ir, você precisa passar por isso, cedo ou tarde.

Damon disse recebendo um olhar de advertência de Stefan.

— Está louco Damon? — Lexy perguntou.

— Damon deixe, nós não precisamos discutir eu vou para meu quarto.

Subi as escadas sabendo que deixei mais uma pulguinha na mente deles, entrei e esperei o resultado.

Depois de alguns minutos, bingo! Damon entrou.

— Bella, podemos conversar direito?

— Claro entre.

— Eu preciso entender o que está acontecendo?

— Damon, como eu vou explicar se nem ao menos eu entendo?! Sei que eu andava confusa, atormentada por mim mesma, dentro de minha mente.

— Como assim?

— Como se houvesse alguém me dizendo que eu era fraca, e foi quando eu para me livrar de todo tormento eu desliguei.

— Mas e depois?

— Eu sei que é estranho, sei que não se sente mais nada, e tudo fica mais fácil, mas Damon, não fica, no final esta tudo lá dentro ainda.

Damon me encarou perplexo eu estava vendo o resultado de meu teatro. O senti se aproximando, suas mãos foram ao meu rosto, ele acariciou minhas bochechas, eu gostava desta sensação lembrava-me disso, mas naquele momento eu não sentia nada, era vazio.

Continuei ali imóvel em sua frente, quando seu rosto estava próximo ao meu.

— Bella, eu só quero que você não sofra. — seus lábios chegaram aos meus e quando eu ia intensificar o beijo alguém bateu na porta.

— Maldição! — soltei sem pensar.

Vi que ele me encarou novamente na dúvida.

— Desculpe-me é que…

Damon arqueou a sobrancelha me encarando, eu tentei continuar.

— Eu entendo os sentimentos estão muito aflorados ainda.

—Bella, eu posso entrar?

Era a voz da insuportável da Elena.

— Entre. — dei um sorriso para Damon, mas por dentro eu queria era matá-la, seu sangue deveria ser muito bom, pois o cheiro dela era apetitoso.

Elena vestia um short mostrando que o tempo estava relativamente quente, era bom eu começar a me ligar em certas situações já que como vampira eu não sentia a temperatura como humana.

— Você está bem, Bella?

— Melhor impossível.

— Elena eu acho melhor não brincar muito com a sorte… — Stefan estava atrás dela. Ai almofadinha idiota!

— Stefan ela está bem, olhe para Bella a imortalidade lhe caiu bem.

Claro que caiu, só para essa sonsa que não daria certo.

Pensei e dei um leve sorriso sarcástico.

— O que foi Bella? — Stefan perguntou;

— Nada só estou rindo que apesar de tudo estamos todos aqui e bem.

— Vamos deixar Bella e Damon a sós Elena venha.

— Bella eu só queria dizer que não importa o que acontecer, eu sempre serei sua amiga.

Naquele instante algo em mim estava mexendo, eu sentia que era a humanidade querendo se ligar, maldição, era isso, muitas pessoas conhecidas reunidas esse afeto todo, não essa humanidade não poderia se ligar.

— Sim Elena, mas agora realmente escute Stefan não brinque com a sorte.

Elena me abraçou e sentia aquele leve calor de estar recebendo afeto, assim que eles saíram logo do quarto eu respirei fundo.

— Bella realmente você está bem! — Damon afirmou.

Ele novamente veio em minha direção, suas mãos voltaram a afagar minhas bochechas, tentei me livrar do pouco de sentimento que estava tentando crescer em mim, pois essa demonstração de afeto todo estava mexendo comigo,

Seus lábios chegaram aos meus, e uma luta interna se movia em meu corpo.

— Sim Damon. — era ela sim a Bella fraca e volátil ela estava se manifestando, ela queria seu espaço nos braços de Damon.

Eu lutava com minhas forças internas não ela não pode ganhar, ela tem que ficar lá reclusa. Então deixei o extinto se manifestar nada de sentimento somente sensações, minhas mãos foram até a nuca de Damon, segurei fortemente e o girei em direção à cama sem muita paciência.

Damon me encarou perplexo, mas deixei que meu corpo mandasse nas ações, eu queria mais de Damon, e menos de mim mesma, queria logo que fôssemos ligados a extintos e não a sentimentos.

— Bella você é tão linda é tão bom te ver assim bem.

Foi neste instante que deixei meu olhar chegar ao dele, e encarei as duas pedras azuis. Deixei por um instante que a Bella frágil em mim se manifestasse somente para que meu olhar o chamasse.

E funcionou! Eu vi o exato momento em que Damon se sentiu feliz, o exato momento em que eu consegui meu objetivo, ele me segurou com força, ele sorriu maliciosamente e me jogou contra a parede. Nossos corpos se chocaram fortemente.

Olhei em seu olho e vi quem eu queria vi ela a Fera.

Sorri maliciosamente para ele.

— Aí está você!

— Era isso que queria então. — suas mãos foram ao meu pescoço tentando me sufocar, mas eu era nova recém-criada estava forte, então virei nossas posições rapidamente retirando sua mão de mim e o imobilizando.

— Sim era isso, pois venhamos e convenhamos, você estava muito chato.

Meus lábios encostaram-se aos dele.

— O que você pensa que quer? Acha que poderá me dominar?

— Não, essa jamais seria minha intensão. — mordi seu lábio inferior, apertando de leve e deixando escorrer sangue e depois o sugando. — Quero somente me divertir juntamente com você.

Foi quando Damon entendeu meu ponto, ele sorriu maliciosamente me jogando na cama, e rasgando meu vestido.

***

— Você ficou bem melhor assim, então quer dizer que o tempo todo era fingimento você estava desligada?

— Sim, é fácil enganar alguns patetas. — ri jogando minha cabeça para trás.

— Não esqueça que me enganou também.

— Sim, mas te garanto que esse Damon aqui não seria enganado nunca.

— Temos de ser espertos, eles vão tentar nos segurar.

— Damon, Damon, somos dois, por tato a nossa força está grande agora, vamos encarar a realidade ninguém pode nos conter.

— Realmente nisso você tem razão.

Eu falava enquanto vestia minhas roupas, estava certa de que agora ninguém mais nos seguraria.

Assim que saímos em direção aos outros na sala fomos recebidos pelos sorrisos idiotas que estavam acreditando na mentira, eu não aguentei.

— O que foi seus estúpidos? Nunca viram uma vampira totalmente glamorosa? Pois bem vejam bem.

Fui passando recebendo os olhares de todos perplexos andei em direção a porta e Stefan se atravessou em minha frente.

— Eu sabia que não podia ser verdade, o que está planejando Bella, pois algo bom não é!

— Stefan a deixe irmão. — Damon descia pela escada vestindo sua tradicional jaqueta de couro e seu sorriso mais sarcástico de todos, eu olhei para ele sorrindo também. — Não vai querer encarar uma recém-criada.

— Não acredito que você fez isso! — Lexy apareceu em frente a Stefan.

— Ah você sua anã loira, olha aqui espero muito que vocês me deixem em paz ok, na verdade nos deixem em paz!

Com minha velocidade saí correndo dando a volta em Stefan e Damon me seguiu.

— Viu a cara deles?

— Sim.

Rimos junto e saímos em busca de algo menos entediante que lidar com os vampiros naquela casa.

***

A noite caiu como um véu negro sobre nós, eu só desejava caçar e sabia que a única vontade de Damon era a mesma, até o momento nenhum dos vampiros patéticos veio em nossa busca.

Deitei no meio da rua observando as estrelas, a noite era linda sim, mas naquele momento eu só tinha um pensamento um objetivo. Fiquei ali parada.

As luzes estavam distantes, escutei a quilômetros o barulho do motor, eu continuei ali no meio da estrada deitada, em minha mente nada se passava foi quando o carro se aproximou, ele estava em uma certa velocidade, sorri em meu íntimo, era uma adrenalina diferente, quando o carro se aproximou freou forte e desviou do meu corpo. Eu me mantive imóvel até que o motorista desceu, o cheiro dele era bom, conseguia ouvir seus batimentos frenéticos, a adrenalina em seus corpo, seus coração pulsando deixando mais apetitoso ainda.

Assim que ele se aproximou de meu corpo.

— Moça está bem? O que aconteceu?

Levantei-me na velocidade de vampiro, ele nada entendeu podia ver por de trás da árvore que sua expressão foi de espanto, assim que ele se levantou e olhou em volta era essa hora, eu fui até sua frente.

— Olha que rapaz prestativo, seu sangue deve ser até doce de tão bonzinho que você é.

Ele olhou sem nada entender.

— Isso querida, assim, mas não brinque muito com a sua comida.

Assim que Damon chegou por trás o rapaz sentiu medo pude perceber isso.

— Querido o que está acontecendo?

Uma garota desceu do carro, neste instante minha face se transformou.

— Vejo que termos lanche duplo hoje. — Damon disse e foi rapidamente em direção a garota vi seu rosto se transformar e atacar o pescoço dela.

O grito estridente e aterrorizante dela ecoou entre as árvores, quando Damon sugava seu sangue.

— Mas o que? Não! — o rapaz gritou também quando viu Damon drenando a vida de sua companheira, essa parte me deu mais um pouco de satisfação quando eu o ataquei e segurei seu pescoço fazendo o mesmo com ele e drenando seu sangue, sentindo sua vida escorregar na minha garganta quente, saboroso.

— Você aprende rápido. — Damon estava ao meu lado, seus lábios estavam ainda sujos de sangue, e sua face estava ainda transformada com suas presas aparecendo.

— Tenho o melhor professor! — o corpo do rapaz caiu em meus pés eu cheguei até Damon e meus lábios igualmente sangrentos. Dei um beijo compartilhando com ele de nossa pequena chacina.

— A Bella e a Fera! — Damon disse olhando para mim.

— Não, somos igualmente Feras.

DUAS SEMANAS DEPOIS:

Não importava mais nada, nosso único objetivo era caçar e se esconder deles, Stefan e Lexy, eles faziam de tudo para nós achar, mas sempre estávamos um passo a sua frente.

A noite de sexta trazia sempre muitas oportunidades, tentávamos ser mais discretos, mas a adrenalina em caçar era tamanha que não conseguíamos nos conter.

Damon era esperto, anos de fuga, anos de fera incontrolável valeram muito. Quando avistamos um pequeno acampamento, isso nos traria uma boa caça, Damon amava perseguir suas vitimas por um tempo, cansa-las se divertir, e eu estava aprendendo isso com ele.

Em duas semanas não matamos muito, decidimos brincar com as pessoas, se alimentar e depois compeli-los a esquecer de tudo, Damon não era burro, ele era inteligente sabia como se esconder muito bem.

Às vezes por algum deslize de principiante eu acabava matando um humano, mas isso era efeito colateral, Damon dizia.

Aquele acampamento estava estranho, por um momento eu observei e foi então que percebi.

— Damon vamos embora isso é uma armadilha!

No instante em que disse isso, não deu muito tempo uma voz conhecida soou.

— Isabella, Isabella, quem diria que eu estaria caçando você!

Jeremy irmão mais novo de Elena saiu dentre as árvores ele estava com aparência diferente do que eu lembrava, como podia em algumas semanas o rapaz criou músculos e parecia ter aparecia mais velha.

Quando me virei para Damon, Alaric saiu de outra de árvore, realmente era uma armadilha.

— Vocês dois humanos acham que podem comigo e com Damon?

Foi quando Alaric apontou para o lado, e para minha surpresa Nick estava ali, sim meu antigo amigo aquele cujo estava em coma estava ali são e salvo mais forte que nunca e segurava firmemente Damon que estava amarrado, e desacordado.

— O que? Como fizeram isso?

— Verbena minha cara. — Alaric falou.

Neste instante me vi encurralada, e a minha volta os dois caçadores. Tentei com minha velocidade de vampira escapar, mas Jeremy era rápido e me segurou, em seguida Alaric veio em minha direção e senti algo em minhas veia me deixando fraca.

Vi na mão de Alaric a seringa, sim eles me injetaram verbena e somente vi tudo escurecer.

***

Aos poucos abri meus olhos, estava entorpecida.

— Ela está acordando.

Escutei algumas vozes, mas não reconhecia muito bem.

— Será que ela não está igual a ele?

—Não Damon é a maldição é fácil ele voltar depois de tanto tempo desligado, já ela é nova recém-criada ainda guiada por instintos. Não acredito que ela esteja desligada quando acordar.

Percebi que era de mim que falavam, abri meus olhos olhei em volta e estava na cela que um dia vi Damon, e na minha frente por fora das grades todos estavam ali.

Stefan, Lexy, Jeremy, Alaric, Nick e até ela a maldita humana Elena.

— Ela acordou. — Nick falou.

— Malditos! Pensam que podem me segurar?

— Bella! — a voz de Damon ecoou. Ele veio por trás de Stefan talvez ele pudesse me soltar.

— Damon! Ajude-me! — falei suplicando.

— Não posso Bella até ter certeza de que está ligada novamente, eu deixei isso chegar a este ponte e se não fosse por eles.

— Isso está errado, eles deveriam ter morrido! — Jeremy cerrou os dentes ao falar.

Eu dei um impulso para frente, mas estava acorrentada.

— Vocês vão me pagar seus estúpidos, ah se vão!

— Não ninguém vai matar ninguém aqui esse foi o trato. — Lexy disse.

— Chegamos a esse ponto, eu nunca imaginei em ver isso! Caçadores fazendo tratos com Vampiros. — Alaric dizia e vi Damon por a mão em seu ombro.

— É a vida meu caro, nem eu imaginaria beber um dia com um caçador.

— Ei você são idiotas né? Eu só vou ficar com mais raiva, e assim que sair daqui eu vou matar todos vocês.

A raiva me consumia, todos foram saindo.

— Isso mesmo! Vão embora seus covardes, pois assim que eu conseguir sair daqui, eu vou matar a todos.

O único que não saiu foi Nick.

— Vamos cara, depois tentamos.

— Não, quero ficar, tenho muito a conversar com ela.

— Você quem sabe, só não ligue muito para o que ela falar tudo bem?

— Eu sei.

— Pode falar o quanto quiser, duvido conseguir ter o seu objetivo.

— Duvida? Pois então se prepare, pois eu tenho uma história de vampiros a te contar, e nesta historinha, uma garota perde a mãe, assassinada por um vampiro.

OOEC- 9 No Amor e Na guerra


Olha a postagem dupla saindo, vocês merecem depois desse tempo enorme sem postagem

 

Os Originais em… Confronto?

Capítulo 9

No Amor e na guerra

 

POV Bella

— Porque essa loucura Bella? Eu não te fiz nada, sua híbrida louca!

— Só o fato de dirigir a palavra para mim já está me ofendendo depois de se jogar igual uma loba vadia nos braços do Klaus!

— Ah agora eu entendi a sua! — ela sorriu maliciosa. — Está louquinha pelo Klaus!

— Não sua idiota, estamos apaixonados.

Neste instante olhei para Klaus que recebia uma encarada de Elijah.

— Poupe-me, você e essa… Eca… Híbrida!

Quando Hayley cuspiu aquelas palavras eu não me segurei. Voei novamente no pescoço da Loba infeliz.

Ela por sua vez como fraca que é tentou agarrar nos meus cabelos, eu simplesmente a fiz sentir um pouco de minha força, pois se eu me soltasse mais eu poderia matá-la.

Minha vontade naquele instante era de acabar com a sua raça desgraçada de lobas vadias, mas eu sabia que iria ser mais que errado.

Senti alguém me puxando assim que abaixei a guarda.

— Bella só não me machuque.

Identifiquei a voz de Damon, e senti a verbena líquida sendo colocada em meu braço fazendo assim eu ficar fraca no mesmo instante.

— Por quê?

Encarei Klaus, meu olhar poderia dizer tudo, decepção, porque deixar fazer isso comigo, depois de tudo que tivemos!

— Damo chega, não precisa da seringa inteira.

— Como não? Essa híbrida é forte!

— Obedeça-me verme, chega!

Meu olhar ainda era de revolta, e de pesar ao mesmo tempo, ele não podia deixar me sedar eu não era uma prisioneira, pelo menos eu não me sentia até agora, pelo menos era o que eu imaginava que depois de tudo eu não era uma prisioneira, e talvez eu estivesse enganada.

Meus olhos foram se fechando, eu sentia meu corpo amolecendo.

— Deixe que eu a levo.

Eu senti quando meu corpo foi passado aos braços dele, eu o conhecia, sim aquele cheiro, o meu cheiro, era aconchegante, mesmo me sentindo traída eu me sentia bem naqueles braços, e foi quando tudo escureceu.

Meus sonhos sempre foram mais específicos, mas agora nada era igual, eu estava novamente me sentindo colorida, me sentindo em um mundo diferente, tranquilo onde nada poderia me abalar.

A sensação de que eu estava segura, que eu estava sendo protegida me dominava, algo em mim estava mudando.

Abri lentamente meus olhos, pois por mais que meus sonhos fossem claros como nunca foram, a claridade que vinha direto da janela em meus olhos me feria.

Eu demorei até recapitular tudo o que houve.

Lembrei-me daquela loba vadia se atirando em Klaus, e senti raiva, mas lembrei-me também que eu estava dando uma lição das boas a ela que não se mexe no que é meu quando…

Sim eu fui traída, pela pessoa que eu achava que significava algo para ela, sim Klaus me traiu assim que deixou Damon me sedar.

Eu não era prisioneira, e estava aqui. Assim que levantei fui até a porta, parte de mim esperava que como prisioneira ela estivesse trancada.

Mas não, ela estava aberta, fui me direcionando para perto da escada quando ouvi vozes, e decidi escutar melhor.

— Não acredito que ela e ele… Ai eca como ele pôde?

Era a voz da loba nojenta.

— Hayley, não adianta chorar, e eu que achei que ia dar uns pegas nela!

— O que? — pensei comigo, era a voz de Damon.

— Os dois, parem de idiotice, isso pode ser bom, pois se agora meu irmão está apaixonado pela princesa Volturi, pensem nas possibilidades, meu irmão sempre buscou redenção e pode ser agora que ele a encontre.

— Redenção? Quem aqui está pensando nisso? Elijah e todo esse plano de poder, onde vai parar? Agora Klaus vai amarelar só por que…

— Klaus é um bobão, afe aquela híbrida sem sal!

— Podem me escutar e pararem de chegar a conclusões, Niklaus, meus caros, estava pensando somente com a cabeça no poder, agora ele pode analisar de forma diferente, pense um homem com amor no seu coração ele luta mais firme e forte.

— Escutando conversa alheia?

Senti seu hálito quente soprando em meu ouvido.

— Como não te vi chegar? — dei um sobressaltei.

— A verbena em seu corpo deixa você mais fraca.

— Sim a verbena que você deixou injetarem em mim.

— Mas deixei por uma boa causa.

— Boa causa? Prender-me novamente?

— Está vendo correntes? Por acaso estava trancada? E pode testar nada de feitiço você está livre já disse. Fique a vontade para ir embora.

— Mas e a verbena?

— Para você não fazer uma besteira que se arrependesse depois, você é forte e acho que nem você tem noção de seu poder e força, podia matar Hayley facilmente.

— E porque não me deixou matá-la? Por acaso sente algo pela loba vadia?

Ele riu de mim, sim ele estava gargalhando.

— O que foi? Ah já sei, eu virei palhaça. — revirei os olhos.

— Bella, como você pode ser tão absurda? É linda, inteligente, mas é infantil e mimada.

— Nossa acabou os elogios!

— Bella, eu não queria ver você com remorso.

Bufei, quem ele pensa que é?

— Bella isso te consumiria dia após dia…

— Falou o vampiro que quer ser o dominador todo poderoso!

— Bella, eu posso matar, esmagar humilhar as pessoas e ainda assim viver eternamente sem culpa, pois eu sou assim, mas você… — ele se aproximou de mim, eu tentei me afastar, porém foi inútil, uma de suas mãos pegou a minha e a outra acariciou meu rosto. — Você Bella é pura, não conseguiria conviver com uma morte assim sem sentido.

— Sem sentido? Você não sabe o que essa loba vadia estava pensando no momento em que estava se atirando a você, ela merecia! E Klaus, pelo amor, eu já matei tantos homens na…

Ele arregalou os olhos e fez um gesto para que continuasse.

— Esqueça! Eu sou pura e sentiria culpa. — menti.

— E você por um acaso ao invés de se importar somente com o que Hayley pensava, tentou ver o que eu estava pensando naquele momento?

Abaixei a cabeça, Klaus ergueu com as pontas do dedo, fazendo com que eu o encarasse.

— Pensei em como fui idiota por ter ficado com ela, pois a beleza dela não se compara a sua.

— Ah então acha ela bonita.

— Bella cala essa boca, eu pensava naquele instante que você é a única que me faz sentir o que senti e que nada nem ninguém vai estragar isso!

— Ah sim, agora me vem com esse papinho… — quando eu ia começar a argumentar as suas palavras Klaus não deixou, ele me agarrou me beijando, eu não resisti deixei, e ali eu lia seus pensamentos que estavam todos voltados a mim. Talvez ele tivesse um pouco de razão sobre eu matar a vaca da Hayley, não seria pelas mesmas razões e motivos os quais matei vários garotos insignificantes da faculdade. E a loba estava ali, convivia comigo infelizmente, mesmo que ela merecesse, eu não a mataria, mas não significa que não possa brincar com a vadia.

— Pare de ser ciumenta Bella.

Percebi que sem querer no beijo compartilhei minha mente com ele, eu tinha que me controlar.

— Não é ciúmes é saber cuidar do que me pertence.

— Sei, agora vamos que eu cansei desse povo falando de nós e achando que sabem algo é hora de enfrentar a realidade.

Klaus pegou em minha mão descendo as escadas, ao chegar ao final dela nos deparamos com três pares de olhos fixos em nós. Klaus estava firme e não soltou minha mão em momento algum.

— Caro irmão, vejo que temos novidades.

— Sim temos, mas nada que mude meus planos.

Neste instante percebi que mesmo juntos Klaus não ia abandonar seus planos de ser o líder supremo.

— E como faremos visto que as circunstâncias mudaram radicalmente?

— Nada mudou aos olhos de Aro, para os Volturi ainda estamos com a sua filha refém.

Soltei imediatamente a mão de Klaus, e fiquei analisando. Como pôde depois de tudo?

— Klaus, mas como vamos continuar isso? Eles não deram nenhum sinal de vida até agora.

— Parem! — gritei. — Parem de falar sobre esse assunto como não me afetasse, eu achei Klaus que estávamos vindo aqui e assumir algo, e decidir o que vai ser feito de agora em diante, mas não a dominação o poder isso é o assunto principal, sempre vai ser isso, minha vida inteira eu cresci rodeada com isso ouvindo isso, e vejo que você não é diferente em nada que meu pai!

Saí de lá em direção à porta dos fundos que dava acesso a piscina.

Percebi que Klaus estava vindo em minha direção, mas algo o segurou.

— Deixe-a Klaus, dê um tempo a ela.

Sentei a beira da piscina e fiquei analisando, esse era meu destino? Estar rodeada de pessoas que só querem dominar, ser o supremo? Klaus não percebe que é da minha família que ele está falando?

— Homens. Como sempre têm seu ego masculino e seu espírito de domínio.

Era Rebekah se aproximando e sentou ao meu lado na borda na piscina.

— Mas como vamos suportar isso?

— Temos que saber ser mais dominantes que eles, Bella pense nas possibilidades, você é a filha de Aro, e não uma criação, você é sangue dele.

— Mas ele não está nem aí para mim, pense todo esse tempo e nada!

— Bella fique calma, seu pai é inteligente ele não faria nada arriscado ainda mais se arriscasse a sua vida.

— Sei.

— E tem outra agora, nem Klaus vai querer isso, então como disse você tem a vantagem sobre eles.

— Do que em adianta ter essa vantagem? Eu não quero saber nada disso quero distância dessa busca por poder.

— Mas eu tenho uma ideia muito melhor.

POV Klaus

— Eu tenho que falar com ela, ela pensa que eu quero somente o poder, mas não é isso Elijah!

— Dê um tempo para ela.

— Bella não é alguém que precisa de tempo, ela é de momento.

— Mas tem certas coisas que é bom dar tempo.

— Elijah, eu quero isso para nosso bem, meu e dela, se o pai dela governa nunca poderemos ser felizes ou sequer pensar em nós dois, mas comigo no domínio as coisas e as leis serão diferentes.

— Meu caro irmão está confundindo as coisas.

— Meu irmão, pense bem, não é fácil escolher entre o amor e o poder.

— Isso sem duvidas.

— Então o que me resta é lutar pelos dois.

— Está pensando que essa luta pode ser mais que o poder dos vampiros.

— Elijah, pense eu sou híbrido de lobo e vampiro, quem mais pode governar o sobrenatural do que eu? E Bella sendo filha do próprio Aro, ela será a perfeita rainha ao meu lado, o rei e sua rainha, soa muito bem.

— Klaus, mas tenha cuidado, está mexendo não somente com a guerra agora, está lutando com um sentimento forte o bastante para cegá-lo.

— Não Bella não me cega pelo contrário ela me dá luz, e veja estar ao nosso lado só nos trás uma vantagem, ela é poderosa.

— Mas ela não está do nosso lado.

— E pelo que vi nem do lado do pai, é uma vantagem que tenho.

— Vai se aproveitar dela? Do amor que ela sente? Isso é baixo até para você Niklaus!

— Eu não vou me aproveitar, só estou usando as cartas que tenho. Não se diz que no amor e na guerra vale tudo?

— Mas não usar um para vencer outro.

— Elijah meu caro irmão, eu não vou usar Bella, jamais faria isso, eu só disse que é uma vantagem, uma carta na manga.

Depois da conversa com meu irmão, fui atrás de Bella ela já teve seu tempo, ela não podia ficar assim, sempre que falássemos sobre esses assuntos.

Chegando a porta dos fundos Rebekah estava entrando.

— Bem meu irmão, é a primeira vez que te vejo com alguém que verdadeiramente ama, e você consegue estragar no primeiro dia, parabéns.

— Saia daqui que eu não estraguei nada.

Fui na sua direção Bella estava linda ali com a luz da água refletindo em sua pele branca.

— Podemos conversar?

— Vai vir com aquele papo de dominação novamente?

— Bella entenda eu sou assim…

— Pare Klaus eu não quero falar sobre isso, olhe o que houve entre nós foi mágico, mas entenda…

— Não faça isso Isabella Volturi, não tente terminar antes de começar.

— Depois sou eu que interrompo. — ela levantou-se bruscamente e veio em minha direção rapidamente. — Entenda Klaus, apesar de tudo que temos contra, apesar da sua estupidez, de tudo que eu odeio em você, de toda essa vontade de dominar a qual eu sempre odiei em meu pai apesar de tudo, eu estou disposta a enfrentar sabe por quê?

Eu somente fiz que sim com a cabeça, encarei seus olhos.

— O que eu senti, me dá forças para enfrentar e passar por cima de tudo isso.

Continua…

Notas finais do capítulo

ual, bem três perguntas ficam no ar com esse capítulo:
1…O que a Rebeka e Bella conversaram?
2… Será que klaus ficará entre o poder e o amor?
e a terceira e ultima: quando essa Loba vai se tocar que esta sobrando????
kkkkk
bem ate o próximo que desta vez não vai demorar uma eternidade eu garanto
beijos

OOEC- 8- Caminhando entre Aranhas


Olá, depois de muita espera estou realmente voltando as postagens, e para compensar estamos aqui com postagem dupla espero que gostem, esta de volta esse casal maravilhoso, sim a nossa Bella mimada filha de Aro e nosso mega hibrido fodoso Klaus, e paramos em um momento muito intenso e vamos ver o que Bella vai fazer com a oportunidade de fugir..

sem enrolar mais vamos a leitura…

 

Os Originais em… Confronto?

Capítulo 8

Caminhando entre aranhas

 

POV Bella

Fiquei ali parada naquela floresta, eu podia ir embora a qualquer momento, mas algo me prendia naquele lugar, não era algo em si, era alguém:

Fui à mesma direção que ele, a velocidade vampírica me levou rapidamente de volta a casa.

Ao entrar, vi que já estava servindo uma bebida.

— Vejo que decidiu voltar aqui. Por quê? Eu posso prendê-la novamente. — disse ele com seu olhar direcionado a seu copo.

O observei da porta, Klaus sabia que eu estava ali, mas nem fez questão de me olhar.

— Para onde mais eu iria? Eu não sei onde é meu lugar. — ele virou-se e ficou me encarando.

Klaus se aproximou de mim e encarou meus olhos, vi algo diferente ali, quando suas mãos chegaram a meu rosto e delicadamente o acariciaram.

— Você é linda. — sua voz saiu rouca e entrecortada.

Aquilo me pegou de surpresa, mas eu gostei de ouvir isso. Fez meu coração disparar fortemente. Ele sorriu, sabia que ouviu essa oscilação, minha mão por impulso foi até a dele, mas fechei os olhos, eu gostava de ser tocada, era diferente, a sensação. Klaus era quente sentia sangue em suas veias.

Era algo bom, a todo o momento que estive aqui eu estava me apegando a cada um, mas no fundo o que mais se aproximava de mim, o que mais eu tinha algo em comum era ele.

Foi quando algo ali naquele pequeno momento fez-me ver que éramos compatíveis, sim, apesar das diferenças éramos muito parecidos.

Ele percebeu também, e foi ali que nossos lábios se encontraram. A emoção o fez jogar o copo de vidro no chão.

E quando percebi estava sendo carregada até o quarto.

As mãos de Klaus estavam naquele momento traçando cada parte de meu corpo, durante o processo senti a respiração quente sobre meu pescoço, seu cheiro não era o que eu dizia, de longe ele fedia, pelo contrário, eu evitava deixar me levar pelo entorpecimento ao qual me proporcionava.

Terrible Love

Amor Terrível

T’s a terrible love and I’m walking with spiders

É um amor terrível e eu estou caminhando com aranhas

It’s a terrible love and I’m walkin’ in

É um amor terrível e eu estou caminhando em

It’s a terrible love and I’m walking with spiders

É um amor terrível e eu estou caminhando com aranhas

It’s a terrible love and I’m walkin’ in

É um amor terrível e eu estou caminhando em

It’s quiet company, it’s quiet company.

É uma companhia tranquila, é uma companhia tranquila.

Ele não deixou nenhuma parte sem atenção, era como se ele quisesse decorar cada traço, cada forma.

Como ímã, eu estava ali, grudada em seu corpo, minhas pernas estavam em volta dele, sua boca dava pequenos chupões em meu pescoço, me retirando o fôlego.

— Você é tão ridiculamente linda. — seu hálito quente soprou minha face, eu já não tinha as forças que necessitava.

— Você é intensamente estúpido e idiota. — sua brutalidade em empurrar minhas costas na parede do quarto me fez gemer intensamente.

— Sua garota mimada! Sabe o quanto seu corpo me chama? Sabe que eu desejo essa pele de mármore? Eu te quero. — ele estava falando muito, aquilo me fazia pensar e aquela não era uma boa hora de pensar, era hora de agir, hora de deixar que os instintos guiassem meu corpo. Eu estava guiada pelo imã, e somente sentia aquela força me atraindo, aquela força magnética grudando cada vez mais nossos corpos.

And I can’t fall sleep without a little help

E eu não posso adormecer sem um pouco de ajuda

It takes a while to settle down

Leva um tempo para se acalmar

My shivered bones

Estremeceu meus ossos

Until the panic sets.

Até o pânico define

It takes an ocean not to break

Vai demorar um oceano para se terminar

— Klaus. — sussurrei próxima a seus lábios, encarando seus lindos olhos.

— O que? — ele sussurrou de volta ofegando.

— Cala a boca que você fala demais! — foi nesse instante que eu peguei a minha força em total potência e o empurrei, fazendo suas costas baterem contra o chão, eu fui violenta e nada de delicadeza. Eu o desejava, em segundos a sua camisa virava somente restos de retalhos espalhados pelo quarto. Foi a minha vez de provar a sua pele, e saborear cada centímetro de seu pescoço, eu podia sentir o fluxo do sangue que ali passava, e arrisco a dizer que minha boca salivou.

Company

Companhia

It’s quiet company

É uma companhia tranquila

And I won’t follow you

Mas eu não vou segui-lo

Into the rabbit hole

Para o buraco do coelho

I said I would but then I saw

Eu disse que iria, mas então eu vi

Your shivered bonés

Seus ossos trêmulos

They didn’t want me too

Eles não me querem também

Meu corpo desejava cada pedaço do dele, mesmo que sem saber o que podia acontecer eu cheguei a seus lábios e levemente eu arrisquei passar meus dentes ali, sua pele era tão macia, e ao mesmo tempo forte, que eu pressionei de leve, senti o gosto de sangue e me afastei.

— Está selvagem, amor. — ele proferiu as palavras sorrindo malicioso e sentindo o gosto do próprio sangue. Klaus passou a língua em seus lábios, foi quando ele me puxou pressionado seus lábios nos meus, eu entendi o recado, ele queria que eu saboreasse aquilo.

T’s a terrible love and I’m walking with spiders

É um amor terrível e eu estou caminhando com aranhas

It’s a terrible love and I’m walkin’ in

É um amor terrível e eu estou caminhando em

It’s a terrible love and I’m walking with spiders

É um amor terrível e eu estou caminhando com aranhas

It’s a terrible love and I’m walkin’ in

É um amor terrível e eu estou caminhando em

It’s quiet company, it’s quiet company.

É uma companhia tranquila, é uma companhia tranquila

Eu não era venenosa como o resto de minha raça então eu saboreei, ele estava delirante, sangue quente e calor, os dois desejos que me dominavam naquele momento.

Ele se afastou, e seus dentes passeavam por minha pele que era lisa e dura, não sendo afetada por ele, assim seu próprio veneno não me afetava,

As coisas começaram a se encaixar, éramos compatíveis.

Foi uma brecha, foi uma permissão, e sem pensar meus dentes traçaram seu ombro e peitoral sentindo o sabor dele, sua pele, seu calor que invadiam.

Sem mais pensar, minhas roupas agora estavam em igual estado das dele, estraçalhadas.

Ele me puxou em cima de seu quadril, senti quando seu membro estava pronto e pulsante, eu não resisti, e me encaixei, sentindo o encaixe de nossos corpos, ele me ajudava, e a velocidade de vampiro e lobo ali estavam intensas.

It takes an ocean not to break

Vai demorar um oceano para se terminar

It takes an ocean not to break

Vai demorar um oceano para se terminar

It takes an ocean not to… Break

Vai demorar um oceano para se… Terminar

Nossos olhos em nenhum momento se desligaram, eles estavam ligados, eu via vida nos olhos de Klaus uma vida intensa.

Não demorou a eu sentir um prazer me consumir.

Eu fiz uma única vez em minha vida, mas nem se comparava a essa sensação agora.

Estava me sentindo livre, eu estava me sentindo dele, completa.

Klaus gemia, e eu estava movendo meu corpo em um fluxo intenso.

Ele abruptamente se posicionou em cima de mim, ele observou meu corpo, seu dedo indicador tocou a ponta de meu nariz.

Sorri com o gesto, aquilo estava indo além do prazer, eu vi em seus olhos sentimento, ele se mantinha dentro de mim, mas logo se retirou, eu fiz uma cara manhosa, ganhando uma advertência.

— Não vamos apressar nada. — ele tocou minha testa levemente enrugada e voltou a tocar meu nariz, eu entendi, ele queria aproveitar.

Seu dedo agora foi descendo por meus lábios, ele foi desenhando o contorno deles, e desceu por minha clavícula, sentia queimar pelo caminho onde ele percorria, chegando a um de meus seios.

Ele agora pegou o seu dedo indicador que traçava cada detalhe, foi quando ele pegou seu polegar e agora o pressionava, aquilo ia além de prazer, eu arqueei meu corpo, percebi que ele usava força, e isso era bom, ele continuou com seu tour com seus dedos por meu corpo, chegando à minha região quente e úmida.

— Seu corpo é diferente, mas ao mesmo tempo sente igualmente as sensações.

Neste instante sentia seus dedos sendo introduzidos de leve em mim, ele explorava cada pedaço de minha intimidade, eu nunca havia sentindo tais sensações de prazer.

Mas eu queria partilhar, deixar tudo ainda mais intenso, então eu simplesmente peguei minhas mãos e o toquei deixando minha mente aberta transparecer a ele o que eu sentia, vi em sua face o prazer, ele estava saboreando a sensação.

Foi quando o meu prazer já atingia um grau tão alto ao qual ele não aguentou, eu via tudo em sua mente que estava totalmente aberta para mim.

Ele então se posicionou novamente em cima de meu corpo, e novamente estávamos unidos, e ali ficamos, sem perceber o tempo.

POV Klaus

Os raios de sol entraram no quarto e atingiram as costas de Bella, eu fiquei por um instante maravilhado pelos pequenos feixes de luz que refletiam, podiam aos olhos humanos serem imperceptíveis, mas aos meus olhos eu via cada pequeno brilho.

Tracei de leve a curva da base de seu corpo, ela ressonava levemente. O que estava havendo dentro mim? Tudo era novo, era tão intenso.

Não era a primeira vez que prazer se misturava a sentimento, mas há séculos que eu não sabia o que era sentir o coração misturar as sensações.

Eu estava ali, feliz, pela primeira vez em minha vida eu podia dizer que estava feliz.

Séculos em busca de poder, e eu estava ali diante de algo maior, pois eu me senti completo ao tê-la em meus braços.

Vi Isabella sorrir de leve, assim que sentiu meus dedos chegarem à base de sua nuca e afagarem seu cabelo.

— Bom dia. — disse ela meio encabulada.

— Dormiu bem, amor? — ela sorriu assim que proferi a palavras. — O que foi?

— É estranho vê-lo assim carinhoso. — ela levantou-se encarando mais de perto meus olhos. — Gosto de você estúpido, mas também amo esse novo Klaus.

— Quem te disse que sou novo? Eu sou o mesmo e você é a mesma menina mimada de sempre.

— Sou sim, mas estou diferente, pois eu…

Ela refreou as palavras.

— Diga. — arqueei uma sobrancelha para que ela continuasse seu raciocínio.

— Não sei como falar, mas é tudo muito novo, só sei mostrar.

Assim que ela tocou em meu rosto, foi um misto de imagens coloridas sem muito sentido, foi como ela fez na floresta me mostrando sua breve vida, e depois aqui durante nossa relação foi tão intenso, pois eu sabia o que ela sentia, mas estas imagens estavam diferentes, eram coloridas.

— O que foi isso?

— É assim que me sinto, eu não consigo expressar em palavras, mas é uma parte de mim nova e colorida.

Ela levantou, eu admirei seu corpo, era perfeito.

— Estou com fome, mas fome de comida! Sei lá me deu essa vontade.

— Sei uma culinária italiana que vai te agradar.

— Me sentirei em casa.

Mas antes, eu levantei com muita velocidade e a peguei nos braços.

— Klaus! — ela gritou.

— Vamos tomar um banho.

Levei-a em meu ombro até o banheiro, ela se debatia, mas assim que liguei a água e a coloquei em baixo seu olhar era tão lascivo.

Naquele momento ela me puxou para debaixo da água juntamente com ela, seus beijos mostravam que ela queria mais, e sua intensidade era esplendorosa.

Na cozinha Bella sentada na bancada, estava outra pessoa, contando sobre suas travessuras no castelo, e que Heidi e Felix sempre a ajudaram a se safar. Ouvindo-a falar assim eu percebia que a parte de família sempre estava presente.

Eu não poderia negar, ela tinha uma vida além daqui, um lugar de onde veio, e pior, essa família era minha inimiga.

POV Bella

Poderia eu acreditar que havia amor realmente em Klaus? Eu duvidava mas ao mesmo tempo sua mente estava tão aberta ultimamente.

Assim que ele serviu-se de uma bebida, eu observei pegar um livro e sentar-se completamente ereto e começar a ler, era bom vê-lo, era interessante admirar cada ação que ele fazia.

Eu estava sentada ao alto da escada, não querendo interromper nada daquele momento dele.

Mas senti o cheiro e li na mente de uma certa loba que ela estava a fim de retirar isso.

Ela entrou sem bater o que me irritou muito, e foi em direção de Klaus, deixei ver até onde ela ia, ela se aproximou dele passando a mão em seus ombros.

— Klaus eu gostaria de saber se terei algum agrado, ultimamente ando sendo deixada muito de lado.

— Hayley pode parar. — Klaus levantou-se tentando se afastar dela, mas ela insistia em persegui-lo.

Ali meu sangue ferveu, ela insistiu e assim que vi em sua mente o que pretendia voei praticamente escada abaixo e a peguei pelo seu colarinho.

— Quer morrer vadia?

—Klaus, pare Isabella! — ouvi quando Elijah entrou pela porta e gritou.

Eu a encarava erguendo-a e admirando que eu tinha mais força que ela.

Carreguei Hayley até a porta e a joguei para fora. Andei em sua direção.

— Venha minha querida! Mostre-me a loba que está em você!

— Ei garota, o que pensa que é? Porque essa arrogância toda?

— Hayley, você pode não saber nada de mim, pode achar que sou uma híbrida nojenta e mimada, pois vejo em sua mente, a repulsa que sente de mim, mas uma coisa você nem imagina, eu odeio que peguem o que é meu.

Neste instante Elijah e Klaus estavam ao meu lado e li em suas mentes que cada um queria me pegar, foi neste instante que eu ergui meus braços e movi uma rajada de vento em meu favor em direção aos dois.

— Não me segurem, pois hoje essa Loba vai ver com quem ela se meteu.

Notas finais do capítulo

Mel dels que capítulo..
isso mesmo Foi.. ao invez de fugir Bella e Klaus se acertaram, e como em ..
Mas tem certa Loba ai querendo apanhar não tem kkkkkk