Rising Sun Cap 18 Escuridão


18 Escuridão
Em algum lugar no meio da escuridão eu podia sentir minha consciência, era a única forma de acreditar que eu ainda existia. Mas não era nada além de um pensamento, como se minha mente tivesse sido arrancada do meu corpo, por que eu não podia sentir nada, ouvir nada, todas as coisas se tornaram insubstanciais. Eu morri? Essa era a sensação da morte? Um nada? Um nada sem começo e sem fim? Eu nem a vi chegando, e agora eu estava mergulhada num mar de escuridão onde o tempo não existia. Poderiam ter sido horas, dias, semanas, ou até mesmo a eternidade – quem poderia saber? Só me restava as lembranças… Tentei me lembrar de quem eu era, de quem eu fui um dia. Eu costumava ser gentil com as pessoas, e elas gostavam de mim. Meus pais me amavam, eu tinha certeza disso, mesmo aqui, onde o amor parecia ser algo distante e imaginário. Eu conhecia o amor bem demais para acreditar que ele só tenha sido um sonho. Jacob Black parecia um sonho, mas ele existiu, em algum lugar, em algum tempo, eu o toquei, eu estive com ele. Eu me lembrava de cada detalhe de seu rosto, do jeito que ele sorria, do som de sua voz, a cor exata de seus olhos. O marrom derreteu em minha pele e aos poucos empalideceu na escuridão que me cercava de todos os lados. Eu senti uma leve brisa soprar meus cabelos e tocar meu rosto, senti o frio pressionar minhas costas, então percebi que tinha reencontrado meu corpo. Ele estava alí – frio e rígido – preso pelo torpor da minha consciência vazia. Eu não entendia, eu ainda me sentia viva, ainda podia sentir o ar entrando pelos meus pulmões, mas não havia cheiro, não havia substância. Tentei encontrar meus olhos, obrigá-los a se abrirem, quando ergui minhas pálpebras não enxerguei nada além do breu, mas aos poucos – à medida que meus olhos se ajustaram à escuridão – eu percebi que eu ainda podia enxergar, bem, pelo menos até onde a escuridão me permitia. Isso não parecia ser o inferno, então talvez eu não estivesse morta. Havia a escuridão e o frio a minha volta, e um silêncio desorientador, mas era pacífico. Onde estavam os gritos, as pessoas queimando? Talvez cada um tivesse um tipo de inferno, seu próprio sofrimento e danação eternos.
Você parece assustada. – Uma voz de veludo cortante penetrou em meu ouvidos. O choque me fez despertar completamente do torpor, trazendo de volta à tona meu corpo e meus sentidos adormecidos. – Não tenha medo, eu não te machucarei. – Procurei na direção daquela voz, mas a escuridão só me entregou uma silhueta alta e imóvel à alguns metros de mim. Eu senti as correntes eu meus pulsos baterem contra pedra escura, e o tilintar ressonou pelo espaço imerso na escuridão. O que era esse lugar? Algum tipo de câmara?
Quem é você? – Deixei minha voz firme e destemida, eu não ia dar uma de moçinha em perigo, o que era bem verdade considerando que eu estava em algum lugar com um estranho e que não sabia absolutamente nada a respeito dele – ou de suas intenções. Não houve resposta e por um momento eu pensei que estava tendo algum tipo de alucinação, mas então – mais atenta e desperta, eu pude sentir o cheiro adocicado vindo dele. Um vampiro – eu já deveria saber. Mas como eu tinha chegado alí, era algo completamente fora do meu poder de conclusão. Tentei me concentrar no espaço a meu redor. O chão era frio e duro como mármore, mas plano. As paredes eram igualmente rígidas, e ao julgar pelo completo isolamento de som, elas eram grossas – ou isso ou estávamos no subterrâneo. As correntes em volta de meus pulsos pendiam de algum lugar acima de minha cabeça, e eram grossas, talvez eu pudesse quebrá-las, mas eu duvidava disso – meu sequestrador deveria ter se certificado de que essas correntes fossem fortes o suficientes para resistirem a minha força – nessas horas eu odiava ser meio humana. Mas que diabos era isso? Há um minuto atráz eu estava na sala medieval de Rose, encarando os rostos chocados de minha família diante do fato de que nós estávamos sendo seguidos e vigiados – entre outros acontecimentos absurdos. E agora eu estava em algum lugar remoto, presa em correntes maciças e sendo vigiada por um vampiro anormalmente educado e silencioso. Era parte do plano de Aro? Me sequestrar? Como? Como alguém poderia ter me tirado de uma casa cheia de vampiros – e um lobisomem – sem que nenhum deles impedissem? Eu sempre achei que nossos dons e nossa força fosse praticamente invencíveis, nossas barreiras eram intransponíveis com Alice e meu pai, e mesmo se alguém conseguisse se aproximar demais, minha mãe protegeria nossas mentes de investidas hostis que nos paralizasse. O único jeito de eu estar aqui agora, era se… Eu gelei com o pensamento. Não, eu não poderia me permitir pensar isso. E se tivesse havido uma luta e minha família tivesse sido derrotada? E se eles estivessem todos mortos? O ódio começou a me inundar como uma maré de água fervente – o que eles queriam de mim?
Hey, você. – Eu chamei. O vulto permaneceu imóvel, mas eu tinha a nítida impressão de que ele me observava atentamente. – Você é um Volturi? Está aqui seguindo as ordens de Aro? – Eu duvidava que conseguiria alguma resposta dele, mas procurei ganhar algum tempo para encontrar um meio de fugir, ou para estudá-lo melhor. Ele fez um leve movimento nas sombras, mas não foi o suficiente para me deixar ver nada além de seus sapatos e as barras de sua calça – e eram sapatos caros, pretos e lustrosos, e o tecido de sua calça era igualmente fino e impecável. Não se ouvia nada além do leve farfalhar de nossas respirações fluindo suavemente.
Você parecia mais disposto a conversar antes. Ficou desapontado por quê eu não estou com medo de você? – Eu estava com muita raiva, e imaginei que destilar um pouco do meu sarcasmo ajudaria a aliviar minha tensão. Ele riu, e o som era suave e gentil, como se ele estivesse se divertindo realmente com minha presença alí.
Sobre o que você quer conversar? – Ele perguntou, e novamente a delicadesa e cavalheirismo no tom de sua voz me sobressaltou. A pergunta me pegou de surpresa, mas eu fingi indiferença.
Que tal conversarmos sobre quem diabos é você e o quê eu estou fazendo aqui? – Trinquei meu maxicilar com força, tentando conter o impulso selvagem de arrancar a cabeça dele, bem, logo após de conseguir me soltar. Um silêncio pesado pairou no espaço entre nós, e eu pensei que ele não diria absolutamente nada. Eu esperei, talvez ele estivesse ponderando sobre os riscos de me dar informações demais.
Meu nome é Alec. E você está nos arredores de Volterra, nós ficaremos aqui algum tempo, e eu fui encubido da missão adorável de cuidar de você. – Meu queixo não caiu nem nada, mas com certesa meus olhos se abriram quase ao ponto de pularem das órbitas. Se a situação fosse menos preocupante eu gritaria Bingo. É claro que estávamos “nos arredores de Volterra”, e é claro que havia um dedo – talvez os dez dedos – de Aro nisso. Eu odiava ser a pessoa que diz: “Eu avisei”, e talvez eu nem tivesse para quem dizer isso. Minha família estava um oceano de distância de mim, e talvez… Deus, talvez eles nem estivessem mais vivos.
O que você fez com eles? – Eu ainda não conseguia acreditar que – mesmo a guarda Volturi – fosse capaz da proeza de nos pegar desprevenidos. E até onde eu lembrava, até o momento em que terminei de contar minha história para minha família, nem Alice nem meu pai detectaram nada estranho vindo atrás de nós – e eles estavam em alerta vermelho desde o momentos em que fiz aquela ligação. Mas Alice tinha se queixado de suas visões – ou da falta delas, e algo me dizia que isso estava inteiramente ligado ao fato de que Aro estava agindo nas sombras.
Eu? Eu não fiz nada. Minha única missão era te trazer em segurança até aqui, e me assegurar de que você não faça nada imprudente. – Alec deu um passo à frente, e a única réstia de uma fraca luz iluminou seu rosto marmóreo. Seus olhos carmim brilharam na escuridão, mas a expressão gentil e afetuosa em seu rosto impediu que um arrepio subisse pela minha espinha. Eu podia entender por quê Aro o enviou até mim, ouvi meus pais conversarem sobre os poderes dele. Alec podia anular todos os nosso mais afiados sentidos, e agora eu entendia de onde viera a escuridão repentina. Ele me deixou imersa em seus poderes durante todo o trajeto até aqui, sem ver ou ouvir, sem sentir absolutamente nada, sem poder reagir, para que eu não tentasse escapar. Isso explicava a sensação de extremo vazio e desolação, mas ainda não explicava como Alec se aproximou de nós sem que percebêssemos.
Como você não foi pêgo? Alice veria você chegando, meu pai te notaria à quilômetros. – Essa dúvida estava me matando, por quê poderia muito bem ter havido uma briga depois que Alec me apagou, e se houve briga, houve perdas, e eu precisava saber alguma coisa além de…nada.
Vamos deixar esse pequeno detalhe em mistério por enquanto. – Um sorriso simpático surgiu no canto de seus lábios e seus olhos me fitaram com uma curiosidade lisonjeira. Eu queria exigir mais respostas, mas algo na expressão dele me fez parar por um minuto. Qual era a dele afinal? Se ia me manter trancada deus-sabe-lá-onde esperando Aro decidir o que fazer comigo, eu gostaria que ele não parecesse tão gentil, isso só tornava as coisas mais difíceis. Eu sempre fui muito direta com relação aos meus sentimentos, não havia meio termo. Se ele era meu inimigo, eu o odiava. Se ele feriu alguém que eu amo, eu o odiaria em dobro. Tantas coisa giravam em minha mente…e mesmo com todo o caos, eu não conseguia me sentir desesperada. Havia uma friesa em meus sentimentos, que de imediato me alertou – era como se eu pudesse observar todos os fatos de um ângulo externo.
Do que se trata tudo isso? Eu quero dizer, o que vocês pretendem? Qual é o grande plano? – As palavras saíram monótonas, frias, e eu pude ver na expressão de Alec que ele achava essa minha reação tão inusitada quanto eu. Talvez tenha sido isso que o fez falar, e eu o ouvi, absorvendo e guardando palavra por palavra quer saía de sua boa delicadamente desenhada.
Você é esperta, devo reconhecer isso. Você percebeu o que estava acontecendo antes de qualquer um, e acredite, nós cobrimos bem nossos rastros. – Ele parou em minha frente e me observou mais atentamente, eu sustentei seu olhar com firmesa, podia sentir meus olhos impacíveis. – Sabe…Nessie, não é? – Ele parou, esperando uma confirmação, eu não queria que ele me chamasse assim, só pessoas queridas me chamavam assim, ele não tinha esse direito. Contudo, preferi ficar em silêncio, eu queria mantê-lo falando. – Você é diferente dos outros da sua espécie. E não eram muitos para se considerar
Eram? – Interrompi. Heidi então estava falando sério quando disse que eu era a última de minha espécia nojenta? Alec me olhou mais uma vez, e eu senti seus olhos penetrarem minha alma. Seu rosto não denunciava nenhuma reação a minha pergunta.
Sim, eram. Nós caçamos e matamos todos os outros. – Ele falou isso com uma serenidade quase doentia. – Dois meses após nosso…encontro, Aro colocou a guarda em movimento. Fomos para as florestas do sul e não foi difícil para Demetri encontrar os outros mestiços. – Ele suspirou e olhou para algo além de mim. A friesa em meu corpo oscilou, Nahuel e suas irmãs, caçados e abatidos como animais.
Por quê? – A pergunta escorregou de meus pensamentos e escapou por meus lábios. Alec colocou as mãos nos bolsos de seu terno preto e impecável e me olhou daquele jeito ilegível dele. Ele parecia se fazer a mesma pergunta.
Aro passou esses sete anos limpando a bagunça que vocês fizeram. – Apesar da acusação, Alec falava lenta e suavemente, quase como se estivesse comentando sobre o tempo. – E devo dizer que foi uma campanha bem sucedida, talvez até demais. – Ele sorriu, mas o sorriso não alcançou seus olhos. Era estranho, havia um cansaço intrínseco em seus olhos felinos, que não condizia com o estigma durão e impiedoso de um Volturi. Eu o olhei enojada, e isso pareceu perturbá-lo.
Entenda. – Ele disse, desviando de meu olhar. – Nós precisávamos reestabelecer a ordem depois daquele pequeno motim. Nosso mundo precisa de controle, nossa espécie também precisa de governo, e como todo governo, nós também temos oposição. – Um segundo de silêncio se passou, então ele contornou meu corpo suspenso pelas correntes em meus pulsos e disse: – Se a notícia se espalhasse, nós teríamos muitos problemas. E Aro sabia disso no momento em que partimos de Forks. E então, nos anos seguintes, nós limpamos a bagunça. – Ele suspirou outra vez e se colocou de frente para mim. Mais uma vez aqueles olhos injetados penetraram minha alma. Eu não sabia dizer por quê sentia isso quando ele me olhava, talvez fosse parte do poder dele, invadir nossos sentimentos e sensações daquele modo tão peculiar. Começei a imaginar as coisas que Alec me contou, e fazia pleno sentido. Soava como Aro. Eu me lembrava de muita coisa daquele dia, foi algo que me perturbou durante muito tempo. As conversas sobre os motivos de Aro mover toda a corte, o “julgamento teatral” dos anciões que meu pai descreveu, o desejo de Aro pelo domínio dos poderes de Alice, sua cobiça pela matilha… E eu me lembrava também da indignação e disposição dos que estavam presentes de provarem minha inocência – ou bem, minha não selvageria. Tudo aquilo – toda farsa – ficou exposta, e Aro teve que recuar. Eu podia imaginá-lo, confrontado pelo desejo de poder e pela reputação de seu clã. “Limpar a sujeira” parecia algo inteligente e eficaz para se fazer na posição em que ele estava, mas era também arriscado. Todos os vampiros que estiveram naquela clareira para testemunhar a meu favor, estavam cientes do risco, sabiam que estavam com a mira na testa, mas ninguém sabia ao certo como Aro reagiria àquilo. Bem, pelo que parecia, ele resolvera silenciar as testemunhas do ocorrido. De imediato me vieram à mente os rostos, mas um rosto me preocupava em particular…
Alec. – Ele pareceu sobressaltado ao ouvir seu nome sair de minha boca num tom tão natural, na verdade eu mesma achei estranho.
Sim. – Ele respondeu, igualmente amigável. Sua expressão estava leve enquanto me observava.
Vocês… – Eu exitei. – Vocês mataram todos? – Minha voz saiu embargada e eu me aborreci com isso, não queria demonstrar o quanto eu sentia por aquilo tudo. Alec também exitou, seu olhar oscilou por um instante, então ele disse:
Como disse, foi uma campanha bem sucedida. Eliminamos quase todos que estiveram presentes naquele dia. – Engoli o que parecia ser uma bola enroscada em minha garganta. Alec esperou com o olhar ainda preso em meu rosto. Deus, quase todos. Mortos. Por minha culpa. Eu nem me lembrava de todos, apenas alguns nomes se destacavam em minhas lembranças: Benjamin, Maggie, Garret, Kate, Tânia, Eleazar, Senna, Zafrina…
Alec, quem resta? – Perguntei, e dessa vez minha voz saiu quase como um grunhido. Alec não respondeu, apenas ficou me encarando como seu eu fosse alguma coisa de outro mundo. – ALEC. – Insisti, eu precisava saber, eu merecia isso. A vida de todos eles se perdeu para que eu tivesse o direito de viver. Alec fechou os olhos – e isso me sobressaltou muito, era um genuíno sinal de fraqueza, não condizia com sua força, seu poder. Um segundo depois ele os abriu e me fitou com uma determinação quase hostil.
Restam o clã Denali, os Cullen e o clã da Romênia. Há alguns em Volterra, sob a vigílha da guarda e um ou dois foragidos. – Ele parou e sua expressão se tornou mais soturna. – E claro, os transmorfos, Aro quis deixar os melhores para o final. – Ele se afastou, sumindo na escuridão que nos rodeava, e me deixou com meus pensamentos – um misto de alívio por minha família estar incluída nos “assuntos pendentes” e horror por todas as outras vidas que se perderam, e as que ainda estavam em perigo enquanto eu permanecesse aqui. Não que eu acreditasse que pudesse fazer muito, mas eu definitivamente não queria ficar presa aqui enquanto Aro completava sua “faxina”.
Me tire daqui. AGORA. – Um grito estrondoso e hostil irrompeu de mim, e era tão colérico que não pensei ter saído de minha boca. Usei toda minha força para me desprender das correntes, mas como eu pensei, ele tinha se certificado de que elas me mantessem alí o tempo necessário – ou pelo menos até Aro dar a ordem para me matar.
Alec não voltou naquela noite.
Anúncios

9 opiniões sobre “Rising Sun Cap 18 Escuridão”

  1. Nossa, tadinha da Ness… e o Alec, tao “GENTIL” com ela. porke sera né? Alguma regra de aro? “Ser gentil com os ‘convidados'”.
    bom… to gostando mto.

  2. Twilight Forever disse:

    Nossa essa fanfic é mara!
    Só não entendo como levaram nessie,porque teria o escudo de Bella para proteger todos.
    Bem,só lendo pra saber né?

    Parabéns pra quem escreveu,está perfeito.

  3. Eu acho que o Alec so foi gentil com a Nessie porque ele gosta dela.
    Acho que no final os dois deviam ficar juntos.
    Alec e Rensmee s2s2s2
    Bjsss

  4. Teté Rodrigues disse:

    Concordo com a Bel es pero que renesmee e alec fiquem juntos isso seria maravilhoso.

  5. eu acho q tem alguém da guarda que anula os poderes dos outros, só pode ser isso… e Alec deve estar apaixonado por Renesmee. só pode!
    To adorando as fanfic’s!!!!

  6. Paloma Santos Brandão disse:

    putz quem sera que ta no poder do Aro alem da ness
    cara sera que eles casaram todos aqueles vampiros se perde ninguem?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s