Olá como estão? Demora mas chega, e ai vai mais um capítulo de Os originais em Conflronto

ooec 10

 

OOEC Cap10

Uma visita indesejada

 

O vento soprava entre as arvores e cada detalhe era esplendoroso eu admirava tudo da janela do meu quarto, pois se este era o quarto de Klaus e agora eu ficava acredito que poderia chamar de meu, apesar de ele não ter dormido aqui por duas noites seguidas, isso estava me intrigando, no entanto eu prometi não me envolver em nada que se referisse aos seus planos.

Suspirei pesarosamente imaginando que seria tão fácil se os sentimentos não me prendessem mais que um simples feitiço, eu estava realmente livre a qualquer momento eu poderia sair daqui voltar a Volterra acabar com tudo isso, mas algo me prendia além de tudo isso, o sentimento que crescia a cada dia.

Klaus é diferente quando se conhece melhor, sua dor, sua mágoa, tudo que ele passou na mente dele fazia sentido, e entrando em sua mente eu podia entendê-lo e assim o amar mais.

Duas batidas na porta me tiraram de minha meditação diária, não era Klaus ele não batia, e nem Elijah, pois sempre suas batidas eram mais leves, pelo cheiro e os pensamentos eu identifiquei que era Rebekah.

— Posso entrar?

— Já entrou. — respondi, já que as batidas se seguiram com ela abrindo a porta.

— Podemos conversar a vontade hoje, estamos totalmente sozinhas.

— Sério? Nenhum cão de guarda?

Rimos juntas, pois mesmo eu não estando presa, Klaus era muito cuidadoso, e sempre mantinha a casa sobre vigilância constante.

— O que quer conversar Rebekah?

— Sobre aquele assunto.

No dia de minha briga com Klaus Rebekah veio com uma proposta, de unirmos forças e retirar o poder da mão de homens visto que eu sou tão poderosa a ponto de eu mesma não ter noção do meu poder.

— Rebekah andei pensando, mas quero saber que vantagem eu terei de aceitar seu acordo, visto que, eu já estou na vantagem, se meu pai governar estou bem, sou filha dele, se Klaus governar estarei bem, pois estarei ao lado dele.

— Atrás Bella, não ao lado, nós sempre estamos atrás deles, você não vê que sempre quando o poder é o foco ficamos jogadas de lado, e não somos tão importantes?

— Isso não me incomoda. — dei de ombros.

— Incomoda e muito, eu vejo Bella em seus olhos, isso está aqui dentro entalado assim como está em mim, não minta para si mesma.

Eu sabia que ela tinha toda razão eu me incomodava de sempre ser a segunda opção, a dominação sempre vinha em primeiro lugar.

— Bella analisa se Klaus ou seu pai dominar um deles sempre estará subjugado isso nunca vai terminar, agora se o jogo inverter, nenhum dos dois dominar nenhum se voltará contra você, essa é a vantagem.

Tudo que Rebekah falava fazia muito sentido, eu não poderia negar, mas como seria feito isso? Como eu iria me voltar contra meu próprio pai e até mesmo contra quem eu amava?

— O que as duas mulheres estão tramando? — disse Damon entrando no quarto sorrindo como sempre.

— Não existe educação de onde você vem? E se eu estivesse me trocando ou algo assim Damon?

— Aí a porta não estaria aberta creio eu, e por que as moças estão todas de segredos? Pois mulher quando se reúne nada de bom sai. — Damon falou e se aproximou de Rebekah pegando uma mecha de seu cabelo e a cheirando.

— Nem vem Damon hoje estou sem paciência para suas gracinhas!

— Como estamos ariscas hoje! Não era assim que estava essa noite… Vejamos estava selvagem, mas não arisca.

— Damon! — olhei para os dois e Rebekah chegou a ficar corada algo estranho a um vampiro, mas era comum na espécie dela.

***

A fome era algo que eu sempre senti, mas atualmente estava sendo demais.

— Como quer seus ovos Bella?

— Pela milésima vez Damon, eu prefiro eles bem duros.

— Bella vai querer bacon?

— Sim Rebekah, meu Deus eu não preciso de babá! Eu mesma posso fazer meus lanches.

— Não se preocupe, eu gosto de cozinhar. — Damon sorriu.

Era o segundo lanche que eu fazia depois de um café da manhã bem reforçado e antes do almoço que eu já estava pensando no que comer, ficar sem fazer nada estava me deixando ansiosa, e eu me perguntava se uma híbrida poderia se tornar obesa.

O dia se passou e eu tive a companhia de Rebekah e Damon, que não sei por que motivo eles brigavam muito, sabendo que a noite eles estariam em outra situação.

As pinturas de Klaus estavam mais suaves, parte de mim queria acreditar que eu fazia parte desta mudança, suas pinceladas eram de menos raiva, eu sentia a leveza dos novos traços que ele agora estava mais sereno em cada detalhe, o quadro inacabado de sua mãe estava coberto, e eu não me atrevia a tocar nele, sentia que era algo pessoal demais, e estar ali admirando sua pinturas já era uma invasão grande, esse era seu mundo, seu espaço.

— Você gosta de admirar meus trabalhos!

— Klaus! — corri em sua direção, e o agarrei pelo pescoço, ele não passou a noite em casa, e o dia praticamente chegava ao final, era como estar muito tempo longe dele levasse parte de mim.

— Bom saber que se sente assim. — como sempre eu deixava parte do que pensava escapar junto com as emoções.

— Você sumiu.  — fiz um biquinho.

— Minha garota mimada, não é acostumada ser deixada de lado.

— Não é isso, ser deixada de lado é algo comum para mim, mas ficar longe de você está ficando insuportável, porque sempre quero estar ao seu lado como um vício uma droga.

Klaus afastou meus cabelos e olhou em meus olhos por alguns minutos, ele nada disse e não deixou nada de sua mente escapar, somente me encarava, eu poderia estar querendo que isso acabasse, mas me deleitei a esse momento, e também o encarei era bom admirar seus olhos.

Meu estômago protestou e eu sorri.

— Vamos jantar, acho que estou faminto passei o dia somente com uma bolsa de sangue.

— Eca, eu gosto de sangue fresco, mas como temos que manter as aparências, tudo bem, mas na verdade estou com fome de comida humana mais que sangue.

— Vamos, faz dias que não preparo uma boa comida italiana para você.

Elijah estava próximo a lareira lendo um livro, Rebekah e Damon estavam na beira da piscina, Klaus terminava de preparar uma massa que só o cheiro estava me enlouquecendo.

Duas batidas desesperadas na porta da frente fizeram todos se sobressaltarem,

— Que inferno! — Klaus abandonou o molho que eu corri para desligar assim que ele foi em direção à porta que Elijah abria.

— Stefan, o que temos a honra de sua visita irmão? — Damon veio rapidamente também e foi em direção ao rapaz alto, cabelos levemente arrepiados e o abraçou.

— Agora sim mais um Salvatore.

Estava sem entender muita coisa, mas entendi que se tratava de um irmão de Damon.

— O que o trás a esses lados de Mystic Falls?

— Katherine.

Quando ele pronunciou esse nome vi o olhar de morte de Klaus e a colher que ele segurava para mexer o molho se tornou nada mais que um minúsculo emaranhado de metal retorcido.

Elijah estava mais ereto que todos e Damon e seu irmão se encaravam como se o nome desta mulher fosse o nome da morte, o clima estava tenso.

— Ah, qual é?! Não acredito que esse fantasma veio dos quintos dos infernos, e vocês estão aí todos preocupados! Poupe-nos, Stefan! — Rebekah entrou toda despreocupada, o que me aliviou mais, no entanto eu analisei que somente os homens presentes estavam preocupados com esse nome, o que me deixou ressabiada.

— Olá Rebekah, você não entende, Katherine voltou, e ela não está sozinha, ela tem aliados, da raça dela.

Ele apontou para mim.

— Espere um pouco, eu nem te conheço, e você aponta assim para mim?!

— Todos sabem quem você é, e pelo visto as notícias chegaram a Katherine onde se quer que ela estivesse e agora ela quer usar isso contra Klaus.

— Calma aí! — falei e fui andando em direção a todos. — Por que essa tal de Katherine vai querer usar algo contra Klaus?

— Não se preocupe Bella, isso é algo que resolverei.

— Como sempre resolveu irmão? Katherine é esperta, ela foge de você há séculos e se voltou tão descaradamente assim ela tem algo muito grande contra você.

— Não tenho medo dela, ela quem deve me temer.

— Acho que deve rever seus conceitos irmão, há algo maior em jogo, e pelas informações de Stefan ela tem aliados.

— Pois que venham! Quem é ela para achar que pode se intrometer nos meus planos?

A discussão estava indo longe, eu estava sem entender nada, eu só sabia que essa tal de Katherine pelo visto havia já irritado muita gente e pelo visto seu alvo preferido eram os homens, e algo me veio à mente e aproveitei a distração de todos e segurei meus pensamentos.

— Rebekah venha comigo dar uma volta enquanto eles discutem sobre essa Katherine.

Rapidamente saímos em direção ao bosque o mais longe que pude da casa de Klaus.

— Explique-me por que essa Katherine mexe com os ânimos de todos eles?

— É uma longa, uma não, várias longas histórias! Katherine é uma vampira e ela já deu muito trabalho a Klaus.

— E o seu irmão Elijah, Stefan? E até Damon, eu percebi que ela mexe com todos!

— Como eu disse várias longas histórias, resumindo se você achava Hayley uma vadia, precisa conhecer Katherine, ela praticamente se envolveu com todos ali!

— Até com Klaus?

Rebekah não respondeu, mas pude ver em seu olhar que sim.

— Bella, mas isso é passado.

— Um passado que ainda atormenta.

— Katherine quer poder, e ela sobrevive da forma que lhe é conveniente, ela não mede nada sentimento amor nada, ela somente vive pela coisa mais importante pra ela, ela mesma.

— Entendi. — um leve sorriso brotou em meus lábios e eu comecei a bolar um plano.

— Rebekah eu preciso encontrar Katherine, antes de qualquer um ali dentro.

 

POV Klaus

Não acredito que esse inferno volta agora, justo agora, que eu estou arquitetando meu grande plano essa criatura volta dos infernos, eu achei que jamais a veria depois de tudo.

— Klaus eu posso entrar?

Estava olhando para o bosque e imaginando quanto tempo de minha eternidade eu já havia perdido com ela e agora ela retorna, quando a voz de Bella me retirou qualquer pensamento ruim.

Eu sabia estar me afastando de Bella a cada dia que não dormia em casa, a cada dia que me mantinha afastado, mas eu estava me preparando, Aro estava sim tramando algo.

— Entre.

Bella caminhou em minha direção e seus pensamentos estavam tão calmos que conseguiu me tranquilizar, hoje depois de tudo eu não iria sair e deixá-la sozinha, eu iria ficar, queria estar ao seu lado o máximo possível, se realmente Katherine estava voltando e com alianças a meus inimigos eu deveria arquitetar outros planos, mas não esta noite, não agora.

Bella me encarou serenamente, e queria dizer algo, falar a ela sobre tudo, a história de Katherine.

— Bella…

— Shi… Não Klaus, não agora. — ela selou meus lábios com um beijo sereno.

Minhas mãos não se contiveram, e agarraram seus longos cabelos, Bella subiu suas delicadas mãos por minha coluna e sentia suas unhas cravando minha pele.

Um suspiro de satisfação saiu de seus lábios e eu gemi em resposta.

Ela estava com sede, e eu estava com sede dela, a ergui em meus braços a levando em direção a cama.

Em instantes nossas roupas não passavam de trapos rasgados no chão.

Nossos corpos estavam em uma alta conexão e éramos um só, Bella estava tão entregue, tão serena.

Minhas mãos traçavam o contorno do corpo escultural e delicado dela, arrancando suspiros e gemidos de sua boca.

Bella não se conteve e suas mãos atacaram minha pele com as unhas deixando marcas que se reconstituíam logo, mas deixavam uma sensação boa de dor e prazer.

A hora não passava de algo inexistente e o tempo estava como parado para nosso momento.

E mal percebi que a noite dava lugar ao amanhecer.

Bella estava deitada em meu ombro e dormindo serenamente, levemente eu sentia sua respiração e junto suas batidas de coração, mas algo me chamou atenção, outro som, um som estranho aquele momento silencioso.

Eu ouvia outro pulsar outra batida de coração, olhei para Bella ela ainda dormia, mas o som que eu ouvia vinha dela, duas batidas, em sequências e compassos diferentes, em uma mesma criatura.

Isso era impossível!

 

 

Anúncios