As sensações eram estranhas, eu estava sentindo todo meu corpo como se cada terminação nervosa estive se regenerando.

As dores estavam intensas, mas eu não me mexia.

Aos poucos abri meus olhos, olhei em volta a escuridão era grande demais, não conseguia identificar onde estava, aos poucos meus olhos foram se adaptando, identifiquei a mobília, e sim era o quarto de Damon, lembrar-me do que acontecera me deixou atormentada. A última lembrança que tinha era de Damon levando uma estaca e estava…

Não, isso não!

Girei meu corpo e coloquei meus pés no chão, era estranha a sensação, era como se meu peso fosse outro.

Levantei com uma velocidade diferente.

Caminhei até a janela, ao abrir a cortina, a luz queimava meus olhos como se fossem raios diretos, fechei imediatamente.

Ouvi passos, e senti meu estômago vazio uma fome se instalou em mim.

– A luz vai incomodar um pouco.

Ouvi aquela voz, sim, ele estava li estava bem, virei o encarando, sim era Damon, vivo em minha frente.

Corri em sua direção e o abracei a felicidade era enorme, sim, mas estava sendo além da conta, eu o apertava, sentia seu cheiro, era ele, me emocionei e senti lágrimas escorrendo.

– Calma, Bella olhe para mim. – ele segurou meu rosto entre suas mãos .

– Damon, é você! – eu tateava seu rosto.

– Bella escute calma sei que é confusa esta sensação tudo ao seu redor.

– O que?

Ele olhou bem em meus olhos.

– Bella essa não é você, sente isso? – ele colocou a mão em meu peito onde meu coração batia forte além do normal.

– Sim estou eufórica demais.

– Bella do que se lembra?

 

– Lembro-me de Edward. – comecei a andar de um lado para outro. – Primeiro ele pegou Nick, ai e Nick Damon?

Olhei o semblante de Damon estava me incomodando.

– Bella, ele está internado no hospital, está em coma, em estado grave.

– Damon, ele falou tanta coisa, e aí vocês entraram e você levou uma estaca ah Damon eu achei que tinha morrido.

– Foco Bella, é muito fácil se distrair, foco, antes de chegarmos.

– Edward ficou falando e falando. – parei e pensei. – Ele me mordeu!

Automaticamente minha mão foi ao meu pescoço, mas nada havia ali.

Corri em frente ao espelho e meu pescoço estava liso nem uma cicatriz!

Foi aí que me deparei com os meus olhos vermelhos.

Foi quando eu me toquei sim, todas essas sensações, sim eu estava me tornando…

– Não, Não…

– O que foi Bella?

O choro veio de forma intensa.

– Eu não posso, eu não quero isso…

– Bella se acalme!

– Não Damon, o que houve com Edward? – minha mente ao mesmo tempo em que pensava em uma coisa pensava em outra.

– Ele se foi!

– Como se foi? Morreu?

– Provavelmente, Stefan está conferindo.

– Damon como foi isso?

– Bella desta vez eu não consegui, não cheguei a tempo de tirar seu veneno.

– Não! — Senti o peso do meu corpo, ceder e senti o baque no chão.

Eu não poderia me tornar aquilo, não!

– Bella, eu não tive o que fazer, olha seus olhos em algumas horas estarão normais. Bella tem somente que fazer a escolha.

– Escolha? – ironizei e o encarei.

– Sim.

– Não há escolha Damon!

– Bella há sim! E não é uma escolha muito boa visto as opções, mas temos tempo até você se adaptar e decidir se alimentar, pois se não…

– Eu morrerei definitivamente, não precisa medir as palavras, eu já sei como funciona.

Ele me encarou perplexo, eu caminhei até a janela, a pouca luz que vinha ardia meus olhos.

– Edward antes de tudo ele me fez um breve discurso, de como são os vampiros.

– Bella eu sinto muito.

– Não sinta, eu fiz meu objetivo, eu queria desvendar a morte de minha mãe e consegui! Damon eu estou bem com isso.

– Isso o que? Do que está falando?

– Não há escolha Damon, eu já estou morta, só vou deixar que o processo se finalize.

– Não, isso não! Deve ser o veneno só pode afetou sua mente brilhante, Bella é simples.

– E aí? Fazer o que me tornar um monstro sanguinário? Uma besta? Uma fera como… Como…

– Como eu! – Vi em seus olhos a decepção, mas sim eu pensei, em Edward ou até mesmo ele, pois se não fosse essa maldição, quem garante que ele não estaria matando?

– Damon, você pode me garantir que eu passarei sem problemas? Garante-me que eu não vou virar uma assassina?

Ele somente olhou para o chão, eu sabia que ele não tinha resposta a isso, ele mesmo passou por isso e não foi muito bem nesse processo.

– Então me faça somente um favor, me deixe com minha decisão.

– Não vou deixar isso é um absurdo!

– Se você me garantir totalmente que eu não mudarei nada.

Eu sabia que essa garantia ele não poderia me dar.

– Estou com fome. – era estranho como meu foco mudava rapidamente.

– Vamos até a cozinha eu faça algo para você comer.

Descemos as escadas, eu escutava muitos zumbidos e o ranger da madeira a cada passo que eu ou Damon dava.

– Nunca notei como essa casa faz barulhos. – eu comecei a rir disso, era engraçado, uma graça estranha a vontade de gargalhar vinha aos poucos e depois tomou conta de mim.

– Bella calma, vamos, é normal você está começando a ter seus sentidos aguçados.

Ao chegar ao andar de baixo Lexi e Stefan estavam sentados logo se levantaram.

– Bella está bem?

Lexi veio rapidamente em minha direção e me abraçou. Senti seus braços envoltos de mim, eu sentia tudo até o batimento dela, e sentia suas veias pulsando não deveria ser diferente já que ela é uma vampira?

Logo Stefan estava ao meu lado.

– Como ela se sente Damon?

– Não vamos falar nisso agora ela está com fome.

Damon me puxou e me pegou pela mão, fomos até a cozinha.

– Calma aí, ela vai comer comida? Mas ela precisa… – Lexi estava ao meu lado indignada.

– Chega Lexi, nada desse assunto, por favor.

– Como assim? Damon ela vai ficar fraca, pode até atacar um de nós, ela precisa se alimentar de sangue logo, temos bolsas de sangue, depois temos que iniciar a transição.

– Engraçado isso, vocês falando de mim como se eu não estivesse aqui. – observei Damon fez um sanduiche para mim, enquanto Lexi fazia suas deduções.

– Lexi já chega, deixe-a comer em paz.

– Bella olhe para mim, eu sei que está tudo confuso, mas se esse estrupício não te explicou direito, você tem menos de doze horas para se alimentar de sangue ou aí sim estará morta.

– Eu já estou morta, olha esse sanduíche nem gosto tem só de barro!

Eu sabia que era um assunto sério, mas não conseguia parar de rir.

– Bella olhe para mim, é sério.

– Eu sei é sério, mas eu não quero.

– Como assim? Não quer? Não tem mais jeito perdeu, agora é se alimentar ou morrer.

Olhei ceticamente para ela, que entendeu o recado.

– Não! Você não vai fazer isso!!! – a encarei, e meus riso se desfez e foi virando prantos, minhas emoções estavam descontroladas ao Maximo.

– Calma! – Damon estava ao meu lado e me abraçou forte eu me sentia bem ali, mas mesmo assim eu não queria aquilo em minha vida, ser um monstro, uma assassina.

– Lexi deixe-a!

– Não, olha ela nem sabe o que está falando, não vou deixar! Agora eu tenho…

– Lexi chega!

– Não ela tem que saber.

– O que eu tenho que saber? – não é melhor eu saber antes de morrer! Desta vez eu sorria novamente.

– Minha irmã Bella.

– Sei a sua irmã que Damon assassinou, veja é por isso que eu não posso me transformar veja o que eu posso me tornar.

– Bella não é isso que Lexi quer dizer.

– Já viu como minha irmã era?

Lexi tirou de seu bolso uma foto antiga, muito antiga meio deteriorada, mas mesmo assim, os cabelos loiros da garota ainda assim mostravam as feições similares, ela era muito parecida comigo.

– E o que isso quer dizer?

– Bella você é como se fosse minha irmã, por você eu não quis matar esse desgraçado do Damon, por você eu fiquei em Mystic Falls, por você Bella, não me tire isso.

Sorri, e as lágrimas vieram, mas mesmo com essa tentativa de Lexi eu sabia que não podia mudar minha decisão.

– Não posso, somente não posso.

– Damon você é um infeliz nem para fazê-la mudar de ideia presta!

Lexi saiu da cozinha irritada.

Bella vamos você precisa descansar.

– Não, eu não posso eu tenho que bolar tudo deixar tudo organizado.

– O que?

– Damon, eu não posso aparecer morta do nada, sou uma detetive, tem meu pai, ele uma hora ou outra vai estar atrás de mim, isso gera uma investigação.

– Sei, mas o que está bolando?

– Vou me despedir de Elena, retirar os papeis da delegacia que levam aos Cullen, e possivelmente a vocês, e aí eu posso forjar um acidente.

– Como?

– Quanto tempo eu tenho?

Damon suspirou fundo e aos poucos ele foi olhando para mim, não conseguia me encarar.

– Você foi mordida ontem, mas seu período de sono, você tem até o início do crepúsculo.

– Então vou me apressar.

Era estranho estar falando de minha morte e estar tão bem resolvida com isso.

– Vai se apressar para morrer?

– Já estou morta, só me falta o túmulo.

Fui em direção à porta ao abri-la o sol ardeu meus olhos.

– Bella use isso. – Damon me estendeu óculos escuros, eu os peguei.

E saí em direção ao meu carro, muitas coisas me incomodavam, barulhos pássaros até o ronco do carro, olhei para o lado e Damon estava sentado ao meu lado.

– O que foi?

– Eu vou junto.

– Por quê?

– Você não quer machucar ninguém, não é mesmo?

– Não.

– Então eu vou junto.

Durante o caminho o silêncio permaneceu até que resolvi quebrar.

– Porque não está insistindo tanto para eu retomar minha decisão?

– Pois eu sei o que está passando, eu já passei por isso.

– Me fale mais sobre como foi.

Parei o carro no acostamento.

– Bem não sou muito de contar isso, mas já que você…

– Eu vou morrer! Fale já estou me adaptando com isso.

– Então, eu acordei e estava como você: desnorteado, confuso, com fome, sede…

– Sim eu sei tudo em um conjunto e seu cérebro não consegue organizar.

– Bem assim, só que logo que soube o que eu era eu tomei a mesma decisão que você.

– Não levaria até o fim.

– Isso, mas Stefan quando se transformou seu extinto se superou, ele era movido a sangue, mas parte do Stefan família estava lá.

– Aquilo de ligar a humanidade?

– Isso ele estava parcialmente ligado, ele não ligava para nada sua volta, no entanto ele queria uma companhia, eu.

– O irmão.

– Sim, e foi quando ele me obrigou a se alimentar, mas Bella… – Damon engoliu em seco e continuou. – quando se prova o sangue, não há mais nada que te controle, somente a sede.

– É disso que tenho medo, entende?

– E tem que temer mesmo! Depois disso eu me tornei a fera, eu desliguei minha humanidade e eu fui movido a sangue, nada mais, era mais simples e fácil.

Voltei a ligar a chave e colocar o carro em movimento, o carro mal saiu do lugar Damon voltou a falar.

– Bella, só que eu não tinha ninguém disposto a me ajudar.

– E Stefan?

– Stefan estava mais desumano que eu, eu digo alguém que coloque seu pé no chão.

– Sei aonde quer chegar, mas não, minha decisão está tomada.

Logo chegamos à casa de Jenna.

– Opa Bella estava preocupada.

– Jenna eu vim pegar minhas coisas.

– O que?

– Vou voltar para a cidade, aqui já deu pra mim! Não me dei bem com cidade pequena! – Eu não retirava meus óculos escuros, além da luz tinham meus olhos que estavam vermelhos.

– Isso ocorre muito, mas achei que teria outros motivos que a fizessem ficar.

Ela olhou para Damon, eu acompanhei seu olhar, mas algo me chamou atenção, foi um som leve, um bater de coração seguido de uma pulsação, então eu cheguei mais perto de Jenna, e Damon me pegou pelo braço.

– Vamos pegar suas coisas

Subi as escadas e Jenna me olhou estranho.

– Calma eu não ia fazer nada!

– Você não sabe do que é capaz de fazer na hora em que a sede te atingir!

– Uma coisa eu não entendi sobre transição que Lexi falou.

Enquanto colocávamos minhas coisas nas malas ele explicava.

– Bella para completar a transformação não pode ser qualquer sangue tem que ser humano e você deve se alimentar de sangue humano ao menos um tempo para aprender a se controlar até fazer a transição para animais.

– Isso é macabro, ainda bem que eu não vou passar por isso.

O semblante de Damon decaiu nesse momento.

Descemos com as malas, e me deparei com Jeremy, estranho que Jenna tinha um bom cheiro, mas já Jeremy nem tanto era um cheiro estranho que me deu até certo medo.

– Bella, vai embora?

– Sim, acho que cidade pequena não é muito para mim.

Ele me deu um abraço e meus lábios estavam próximos de seu pescoço.

Assim que o larguei eu saí praticamente correndo dali, rumo à delegacia jogar tudo fora.

Taquei fogo em alguns papeis, antes da xerife Forbes entrar.

– Bella?

– Olá Lizzie.

– Bem o que houve?

– Lizzie, eu sei que é mais complicado que isso, mas olha eu estou deixando Mystic Falls.

Ela me olhou firmemente, eu desviei o olhar mesmo de óculos escuros parecia que ela estava vendo além de mim.

Segurei a caixa de meus pertences e fui me retirando, quando ela me segurou no braço.

– Isabella não vai me dizer que…

Ela ia retirar meus óculos, quando Damon segurou seu pulso.

– Não faça isso Lizie.

– Damon deixe-a.

Eu já desconfiava que ela sabia de tudo , então eu mesma retirei os óculos.

– Oh meu Deus Detetive Swan! – sua cara era de espanto.

– Lizzie, está tudo bem.

– Lizzie eu vim a Mystic Falls por um único objetivo.

– Buscar o assassino do sua mãe. Bella eu sei, eu sou a xerife e investigo tudo, o que eu quero saber é o que vai fazer agora?

– Nada Lizzie, simplesmente nada.

– Você não vai permanecer vampira?

– Não.

 

Continua…

Anúncios