Bab Cap 14

POV Bella

Na delegacia o Clima foi muito tenso, ao observar que Nick já conhecia Carlisle, deduzi muitas possibilidades.

– Vocês se conhecem? – A melhor forma era ser direta.

– Olá Detetive Swan, olá Detetive Burkhardt, sim nos conhecemos há alguns anos.

– Doutor Cullen. – Os dois apertaram as mãos, porem percebi os olhares um para o outro.

– Nick pode me deixar a sós com o Doutor Carlisle?

– Claro, esperarei do lado de fora.

– O que deseja? – Assim que Nick saiu pela porta eu continuei a conversa com o doutor. – Sente-se, por favor.

– Não é necessário, eu estou bem.

Notei que ele não fazia questão de se mostrar humano para mim, visto que eu já sabia e era visível que eu sabia de tudo.

– Tanto faz, diga.

– Detetive, eu vim, pois meu filho desapareceu.

Mais esta agora eu ter que investigar o sumiço de um vampiro!

– Carlisle, sejamos francos, a sua família não é bem tradicional, e sei que seu filho não tem 17 anos, então…

– Por este motivo que eu preciso encontra-lo! – Ele não me deixou terminar minha frase. – Já que estamos sendo francos, eu já sei que não nós não somos mais segredo, e estar aqui falando com você é um erro eu sei, mas evito que os Volturi cheguem a Edward.

– Edward? Volturi? Olha Carlisle, me conte tudo, ou não poderei fazer nada, principalmente que neste caso vou ter que trabalhar extra oficialmente.

– Detetive, Já ouviu falar dos Volturi?

– Sim, já, e se seu filho tem problema com eles sinto lhe informar que eu já tenho um problema que nem sei como resolver.

– Fala do Salvatore?

– Sim, como sabe?

– Eu já fui parte dos Volturi, e na época eles estavam atrás dele, quando o vi em Mystic Falls, fiquei surpreso, pois é a cidade natal dele, mas pelo visto os Volturi nem estão tão interessados, mas assim que chegar aos ouvidos deles…

– As mortes constantes.

– Isso, eles viram e eu não quero que eles venham para cá, Alice já foi embora.

– Como? Alice foi embora?

– Complicado, ela ficou com medo.

– Por causa de seu dom? – Deduzi juntando as peças, Carlisle me observava pasmo por eu falar com naturalidade sobre este assunto, só que estava tão envolvida com tudo que já fazia parte de mim. – Carlisle eu já sei de tudo.

– Então assim fica mais fácil, Edward é rebelde, ele acha que eu privo a sede dele, o obrigando a caçar animais, então ele trapaceia.

– A culpa destas mortes é dele então?

Carlisle enrugou a testa, deu uma olhada para o nada e suspirou fundo. Percebi sua hesitação em falar algo.

– Eu tenho o protegido sempre, a minha vida toda, tudo que faço é por ele, mas ele não entende.

– Carlisle, ele é o responsável? Só me responda isso.

Mais um suspiro, eu imaginava que reações tão humanas podiam sair de uma criatura, certo que eu provara destas reações em Damon, mas ele era diferente, mas vi que a humanidade ligada era uma questão de escolha, aquilo que você é enquanto humano se aflora em você.

– Temo que sim.

Aquela afirmação só realçava minhas desconfianças, eu estava ali com as respostas que buscava, mas mesmo assim meu coração estava em outro lugar agora.

– Eu o encontrei ontem na floresta, ele me atacou, mas não para me matar.

– Ele a quer.

– Como?

Aquilo me pegou de surpresa. Como? O que ele quer? As perguntas aumentavam ao invés de serem respondidas devidamente.

– Ele tentou te transformar, mas foi impedido e quando a viu novamente algo nele fora ligado um desejo de terminar algo que começou.

Lembrei-me da conversa com Stefan. Um vampiro tem sentimentos multiplicados, e Edward poderia ter a mesma mente dos psicopatas humanos que têm anseio pelas mortes e até por suas vítimas, e troféus, e ele poderia nutrir isso. Na floresta era claro que ele estava jogando, seria simples ele sozinho ter me matado facilmente.

Então a pergunta crucial fora feita em minha mente, a pergunta que eu já sabia a resposta.

– Carlisle foi Edward que matou minha mãe?

Vi que ele engoliu a sua saliva fortemente.

– Não precisa dizer nada Carlisle, eu já sei a resposta, mas saiba que vou procurar ele sim, mas para ele pagar o que fez, eu já o enfrentei e uma bala de madeira ele levou, da próxima pode ser no coração.

– Entenda ele não é mau.

– Não é mau? Poupe-me, eu não vou mata-lo eu não ajo assim, mas ele de alguma forma vai ter que pagar.

Carlisle saiu de lá e minhas pernas amoleceram, eu finalmente tive a resposta que quis há anos. Depois de um tempo Nik entrou.

– Bella o que o doutor Drácula queria?

– O que? – Ri dele, e de sua piada idiota. – Sabe o que ele é?

– Bella já te disse eu vejo estas coisas, eu sei quando alguém não é humano.

– Ele quer achar o filho vampiro dele psicótico, e pior Nik depois de anos eu encontro a resposta para minha busca, mas eu estou com um problema maior em minha mente que nem fez o efeito que eu esperava, é como se esta vingança esta vontade de justiça não fizesse mais tanto sentido.

– Alguém amoleceu o coração da detetive Swan?

– Eu nem quero entrar em detalhes agora, você não entenderia é muito complicado.

– O que seria mais complicado do que encontrar o assassino de sua mãe e ele ser um vampiro?

– Seria eu encontrar quem me salvou naquele dia, e ele também é um vampiro.

– Não brinca! Meu deus! Olha esta minha vinda a Mystic Falls está melhor do que pensei.

– Não faça piadas idiotas.

Depois de reorganizar tudo na delegacia, deixei Nick à parte da situação, mas eu tinha outra coisa em minhas prioridades, eu necessitava resolver isso.

(***)

Cheguei à casa dos Salvatore e parei em frente à porta decidindo se batia ou não.

Eu suspirava fundo até que ela se abriu.

– Bella.

– Stefan

Sua mandíbula cerrou, vi que eu não era bem vinda tão cedo.

– Ele ainda não voltou se é o que quer saber, ainda esta lá sem sentimento não é uma boa ideia você estar aqui.

– Eu preciso vê-lo.

Fui entrando direto, e vi que ele se virou.

– Nem vem Stefan!

– Bella, veja bem é ruim para você, e para ele quando a humanidade voltar vai ser pior cada coisa suja ou mesquinha que ele te falar vai magoa-lo ainda mais.

– Stefan entenda eu tenho que ajuda-lo!

– Não há como, ele vai voltar, isso nunca aconteceu, mas se ficar perto dele pode ser pior, imagina se…

– Se… O quê Stefan? Diga!

Ele veio bem perto de mim e me encarou nos olhos.

– Imagina se ele te matar, iria ser Romeu e Julieta, porque ele morreria Bella!

– Stefan imagine se fosse o contrário e você nem pudesse ver Elena.

– É diferente. – Mas vi que ele abaixou a guarda.

Virei para a mesa das bebidas, servindo-me.

– Já se sente em casa a moça.

Lexy apareceu e se sentou esticando as pernas.

– Lexy!

– Oi Bella, sei que está chateada, e que pena do Damon estar assim. – Ela fez um ar de deboche.

– Nem vem você está feliz por isso! – Comentei bebendo mais um gole na bebida, eu sabia que ela não tinha uma boa relação com Damon.

– Eu, feliz? Não, ele está lá sem humanidade isso é ruim, ele nem tem remorso de nada, eu o prefiro com a consciência assim eternamente se lamentando por matar meus pais.

– A Vingança não é chave.

– Lá vem a mulher que vive uma vida tentando descobrir o que houve com seus pais!

Percebi que eu era péssima em conselhos.

– Stefan deixa-a ir, ela pode religá-lo! – Lexy deu um salto na poltrona.

– Como? – Stefan ficou perplexo.

– Sei lá ela é parte dele, e se ela insistir consegue. – Lexy insistia.

– Não tinha pensado nisso, Bella vá lá embaixo, só tome cuidado se mantenha longe das grades. – Stefan agora estava mais animado.

– E o que eu faço?

– Tente colocar na mente dele o que sente. – Disse Lexy. – Ai eu odeio este Damon, eu prefiro ele todo se lamentado a idiota daquele jeito.

Desci as escadas e encontrei aquele Damon que não era o meu.

– Olá! – Falei para ele, mas sem demonstrar fraqueza, eu mantive-me firme.

– Oh ela voltou! Eu já disse provou agora quer mais deste corpinho.

– Não, eu vim para te lembrar.

– Umm sei. E nada a ver com o corpinho, que chato, eu estava a fim de uma rodada se sexo selvagem.

– Damon, cala a boca e me escuta.

– Selvagem, é assim que gosto.

Tentei ignorar as piadinhas eu tinha que me concentrar.

Sentei-me no chão longe das grades e comecei:

– A primeira vez que te vi e não sabia quem era eu já sabia que uma fera de coração havia me salvado, eu sabia que era uma questão de tempo até que te encontrasse novamente…

– Vai começar com joguinhos de lembrança baby, meu irmão já tentou hoje isso, Antes claro de aquela sua amiguinha cópia de Kate estar aqui e os dois, sabe se perderem naquele quarto, olha baby você dá de 10 naquela garota!

– Bem quer então falar disso então vamos falar. – Levantei-me e optei pela memória recente. – Sabe por que eu te chamei no banheiro para buscar shampoo?

– Porque meu corpo gostoso e charme te convenceram?

Ignorei o comentário fechei meus olhos e me deixei levar pelas lembranças.

Musica Tradução:

http://www.vagalume.com.br/snow-patrol/chasing-cars-traducao.html

Link Youtube: Chasing Cars, Snow Patrol

– Por que eu sabia que meu corpo o desejou, mas meu coração também, assim que te conheci, e sabia que seriamos únicos, sabia que você me faria a mulher que eu desejava ser, ser totalmente dominada e explorada.

Ele somente me encarava com olhar de deboche, mas não parei eu fechava novamente meus olhos e lembrava-me de cada momento tentando passar a ele, o que senti naquele momento.

– No instante em que aceitou e estava lá me acariciando no banheiro, eu sabia que era você, que eram somente suas mãos que eu queria, que era seu corpo, eu queria sentir você, aquele momento era o único que eu poderia dizer de toda a minha vida que eu estava decidindo sem pestanejar, eu faria tudo por minha própria conta e risco.

Neste instante eu abri meus olhos e percebi que ele estava com suas mãos na grade, vi uma fera diante de mim, ele bufava como se estivesse tentando bloquear algo, mas ele estava igualmente de olhos fechados, continuei.

– E quando estávamos conectados, unidos, ali nós éramos um só corpo, eu vi que eu tinha razão, você é minha cara metade. Eu estava tão segura de mim, que eu simplesmente me deixei levar e eu estar em seus braços eu não necessito de mais nada, vampiro e humana.

Abri meus olhos e o encontrei de cabeça baixa entre as grades, arrisquei aproximar-me e tocar suas mãos, foi quando ele levantou seus olhar, sim era meu Damon.

– Eu senti naquele momento que não precisava de mais nada além de estar em sua cama, eu podia esquecer o mundo e esqueci, eu não sei bem o que dizer, às vezes as três palavras que dizemos é tão sem sentido, mas eu sei que elas tem significado maior conosco.

Abri a grade, e fiquei encarando ele, cheguei mais perto, ele simplesmente olhou para mim e abaixou a cabeça.

– Não sou digno deste amor, e nem de você eu poderia ter te…

– Não diga isso! – Ergui seu rosto até o meu. – Eu estou bem não estou?

– Está, mas se não fosse Stefan, eu nem sei o que poderia ter feito.

– Damon. – Peguei suas mãos e as beijei. – Eu estou aqui viva!

– Mas não muda o fato que podia ter te matado e pior as atrocidades que te disse! Eu não penso nada disso…

– Xiiii! — Coloquei meus dedos em seus lábios. – Não termine eu sei que não era você.

– Este é o problema, era sim é o monstro que vive dentro de mim, eu já te disse sou uma fera Bella, e nada nunca vai mudar isso.

– Não é! — O abracei, mas ele não repetiu o gesto.

– Bella vá embora eu não posso, viu o que houve ser feliz é algo que não posso e não posso fazer pior deixar você ser uma vítima em meio a isso.

– Não vou, eu quero te ajudar.

– Não há forma de me ajudar! – Ele se desfez de meu abraço, e foi saindo da cela, eu estava desolada e sentindo-me esmagada, segui a ele.

– Ora, Ora, se não é o Vampirão mal.

Cheguei ao instante em que Lexy estava começando com suas piadas idiotas.

Damon foi até mesa de bebida e serviu-se.

– Eu necessito caçar. – Ele olhou para Stefan.

– Entendo, mas está de dia!

– Mas eu preciso ir, a floresta é vazia. Preciso falar com você Stefan, a sós.

Ele passou por mim sem nada a dizer e foi até o escritório, eu fiquei ali com Lexy.

– Bella, por favor, não seja rancorosa.

– Não sou, eu somente não aceito sua atitude com Damon. – Sentei-me ao seu lado e enterrei minha cabeça em minhas mãos, estava me sentindo esgotada com tudo.

– Bella, por favor, desculpa, mas se coloque em meu lugar. Se fosse você nesta situação, se descobrisse agora quem matou sua mãe, seu ódio não seria mortal.

Eu entendia sim Lexy, eu acabara de descobrir isto e nem mesmo sabia como se portar diante disto, se falava para Damon ou o deixava ter seu momento antes.

Neste instante os dois saíram do escritório, mas Damon passou por nos duas sem olhar e foi para fora.

– Damon! – tentei chama-lo.

– Bella, o deixe, ele só vai esfriar a cabeça, ele pediu para você estar aqui ao final de seu expediente.

– Tudo bem, eu tenho que voltar meu horário de almoço acabou e tenho outra coisa importante para resolver. Stefan eu sei que não te interessa, mas descobri quem matou minha mãe.

– Sério Bella, quem foi?

Lexy estava ao meu lado perguntando.

– Edward Cullen, mas olha é uma longa história, ele está sumido, fora ele que me atacou na floresta, e minha cabeça não está a fim de certas coisas agora.

– Bella eu já te disse quero te ajudar de verdade. – Lexie estava colocando as mãos em meu ombro.

–Quem te disse que não me interessa Bella.- Stefan se manifestou

–Você não gosta de mim, isto esta na cara.

–Já disse que não é isso, não sou seu maior fã, mas não significa que eu não me interesse, ainda se tratando dos Cullen.

–Porque é tão importante sendo dos Cullen.

–Bella os Cullen são uma família conhecida, e sabemos de seus dons, mas o problema é que isso se espalhar que o responsável por estas mortes todas sem medidas é Edward, os Volturi vão vir a cidade e isso não vai demorar.

–Entendi, e você se preocupa por Damon.

–Claro, Edward é esperto lê mantes, e se alimentando de humanos o deixa muito mais forte, temos um vampiro que não mede regras com todo este potencial a solta, o que pode acontecer mais?

–Isso é mais complicado ainda.

–Muito mais que complicado, eu tenho que conversar com Damon, e nós mesmos vamos resolver isso, antes da vinda dos Volturi, e irmos embora desta cidade pelo menos por um tempo.

–Eu quero que Edward pague mais do que vocês mesmos.

–Bella, entenda isso não se trata de pagar, ele é um vampiro, o que espera? Tranca-lo em uma sela? Isso não vai detê-lo Edward tem que ser Morto.

–Não gosto desta ideia! E eu ainda gostaria de entender o que houve aquela noite?

–Bella não há o que entender, ele é um vampiro, e vampiros matam, a sede por sangue é o que controla nossa vida.

–Vocês são diferentes.

Stefan chegou próximo a mim e me encarou bem nos olhos desviei por um instante Lexie por um momento estava preocupada.

–Quem disse que somos diferentes, Lexie, Damon e ate eu mesmo, nos vivemos todos os dias nesta luta não importa o que façamos, a sede sempre vai estar presente, não se engane, os Cullen não são diferentes e a prova é o próprio Edward.

–Não gosto da ideia de ter que matar alguém, mas tenho que voltar.

Estava a caminho da delegacia quando vi Alaric andando na rua estava voltando da escola, e eu não poderia perder esta oportunidade não agora.

Parei o carro ao seu lado, abaixei o vidro do passageiro.

– Ei professor aceita uma carona?

Ele olhou para os lados, pareceu pensar um pouco, mas entrou no meu carro.

Anúncios