BaB 13 bônus especial Stelena

 

POV Elena

Acordei pela manha, e custava acreditar em tudo. Primeiro o beijo maravilhoso que Stefan e eu tivemos, depois quando um estranho e juro que não estou vendo coisas, ele era rápido e não era normal, Bella foi atrás dele, eu fiquei em meio aquela estrada, o carro estava atravessado, e o medo invadia meu corpo, o celular estava sem sinal, e isso me dava mais medo, olhava para os lados, minha vontade era de pegar o carro de Bella e ir embora, mas não podia deixa-la sozinha.

Foi em meio a este desespero, que ele apareceu, Como se fosse um herói em meio a um caos ele estava lá em minha frente, Stefan.

– Stefan. – Sussurrei seu nome, e desfaleci quando ele me abraçou minhas pernas já não se seguravam mais.

– Calma, já passou estou aqui.

– Mas… Bella… – Soluços saltavam de minha garganta e meu choro intenso estava sofrido, o medo que acabei de passar agora era colocado para fora.

– Ela esta bem. Vamos, eu te levo para casa.

Em meio ao caminho a mão de Stefan estava na minha, eu sentia uma dor no peito.

– Stefan como me encontrou? E Bella? O que ouve?

As perguntas saíam agora sozinhas de minha boca, eu queria saber as respostas, mas eu tinha medo.

– Calma Elena, tudo irá se resolver.

– O que vai se resolver Stefan? Por favor, eu não perguntei nada, mas e seu irmão? Eu nem sabia que tinha um! — O ar me faltava, pois eu tinha muitas duvidas.

– Elena acalme-se você terá suas respostas, mas não hoje.

– Amanhã?

– Talvez.

– Não, amanhã eu não vou à escola e vou até a sua casa e vamos conversar.

– Vai matar aula, e quer que eu mate também, acha que não vai ser suspeito?

– Não estou nem aí, eu só quero algumas respostas.

Chegamos à frente da minha casa, Stefan apenas se despediu rápido, ele saiu com o carro de Bella olhei para trás e minha tia estava na soleira da porta.

– Ui que susto tia.

– Onde Bella foi?

– Hum, Bella?

– Sim você saiu com ela, depois ela te deixa aqui e sai novamente?

– Bem fomos resolver certas coisas dela, e depois ela foi até a casa do Salvatore.

– Stefan Salvatore?

– Não para ver ele, e sim o irmão dele, ele tem um irmão mais velho acho que está na cidade e parece que Bella o conhece.

– Entendo ela ter te deixado em casa, mas venha temos visita, ele veio, pois queria ver Bella, mas agora esta conversando com seu irmão.

Entrei e meu professor de história novo estava em minha sala conversando com meu irmão.

– Boa noite professor.

– Somente Alarick Elena nós não estamos na escola.

– Elena Bella já devolveu o diário de nosso antepassado?

– Não devolveu, mas eu peço a ela amanhã, hoje parece que não vai dormir em casa.

Percebi que o professor ficou com ar estranho e preocupado.

– Bem vou subir, estou muito cansada, boa noite.

A noite demorei pegar no sono, tanta coisa o beijo com Stefan, Bella, saindo atrás de uma coisa, pois aquilo nem era humano.

Mas acabei dormindo e acordei em meio a um pesadelo.

Pela manha me arrumei como sempre, só procurei sair antes de meu irmão, e ao invés de escola eu fui direto a casa de Stefan.

Mal encostei o carro ele já abriu a porta para mim.

– Olá. — Sorri para ele, que me recepcionou com mais um sorriso.

Entramos e ele me pegou pela cintura e me deu um beijo.

– Está bem hoje?

-Sim eu estou. – Falei meio encabulada por ganhar um beijo assim desprevenida.

– Venha vamos conversar

Sentei em uma poltrona de sua sala, ele serviu uma bebida para ele.

– Ué, você não é menor de idade? E bebe já pela manhã?

– Sim e não, isto faz parte do que devo te contar.

Ele sentou-se em uma poltrona a minha frente.

– Elena você acredita em coisas sobrenaturais?

Ri com a pergunta e em meio a meu riso eu falei:

– Como assim?

– Bruxas, vampiros lobos estas lendas…

Continuei em um riso meio histérico, mas eu o observei e ele parecia falar sério.

– O porquê da pergunta? – O meu riso foi cessado eu olhei para ele vi que se inclinou para frente e me encarou.

– Porque ontem você viu algo não foi?

Tentei organizar a minha mente e lembrei sim de tudo, e lembrei-me de Bella!

– Stefan, e Bella?

– Ela saiu pela manhã foi ao trabalho, mas me responda ontem viu algo?

– Muito pouco, mas foi estranho.

– Então quem, ou o que Bella foi atrás à floresta não era humano.

– Como?

– Acredita ou não em coisas sobrenaturais?

– Bem é complicado, mas acho que pode ser possível.

-E é. Aquilo era um vampiro.

Fiquei chocada, mas engoli seco, ele bebia aquela bebida de uma forma compulsiva a qual imaginava o motivo de estar bebendo já cedo.

– Sério isso mesmo?

– Elena, nós não vivemos no mundo em que imagina, e tudo a partir de agora em sua vida pode mudar.

– O que você está querendo dizer?

Observei seu olhar sério, sua forma de agir, ele não parecia agora um rapaz da minha idade, ele nunca parecera mesmo, mas hoje ali frente a frente eu observei melhor ele era a serenidade em pessoa.

– Tudo que você sabe e tudo que acredita ou já acreditou até agora está prestes a mudar, você esta preparada para isso? ( awoont tia … a frase ^^ eu lembro ^^  Stelena ♥)

Aquilo foi direto e eu entendi realmente o que ele queria dizer.

– O que você é?

Ele me encarou direto nos olhos, firme decidido.

– Eu sou um vampiro.

O choque inicial foi grande, eu me desviei dele, levantei andei de um lado para o outro.

– Eu não deveria ter vindo. Não mesmo.

– Não!

Eu me afastei dele, mas ele estava em minha direção.

– Por favor, não vá.

– Não!

Eu tentei sair correndo, era algo assustador, mas ao chegar à porta ele veio com uma velocidade muito grande em minha frente.

– Como fez isso?

– Deixe me explicar.

– Não! Deixe-me ir, por favor!

Ele me segurou não forte, mas me manteve ali.

– Há coisas que precisa sabe e entender, por favor, me deixe explicar Elena.

Eu me virei iria tentar abrir a porta, mas ele colocou sua mão e sussurrou em meu ouvido.

– Eu nunca a machucaria Elena, nunca faria mal a você. Você está segura comigo.

Eu me virei para ele, algumas coisas começaram a fazer sentido, as mortes, Bella, a curiosidade no diário, eu já havia lido pouco sobre nossa historia de família, mas no fundo eu achava que tudo era irreal demais.

– Todos os ataques as mortes? Tudo que Bella está atrás? Você, seu irmão tem algo haver com as mortes?

Eu me virei e o encarei.

– Não, é outro vampiro, o que Bella estava atrás a noite.

– Ela foi atrás de um vampiro? Ela está bem?

– Sim está, acalme-se, por favor, e me escute. Eu não bebo sangue diretamente de um humano há tempos, e caço com meu irmão animais, mas há outros por aí, outros que não se alimentam como nós.

– Como isso?

– Elena entenda, não conte nada a ninguém, por favor, nosso segredo é importante para vivermos eu nem poderia estar contando para você, só por saber disso já está em perigo, eu não quero mais ninguém em perigo, mas…

– Mas o quê Stefan?

– Você pode me odiar, mas preciso que confie em mim.

– Stefan, por favor, me solte, eu não vou sair.

Ele não me soltou ele me encarava.

– Estou indo contra o que eu mesmo disse a meu irmão que não fizesse, mas é impossível.

– O que é impossível?

– Resistir a você.

– Eu… Stefan, eu… – Antes mesmo de terminar a frase, Stefan me puxou em um beijo quente e calmo.

Sua língua pediu passagem e prontamente aceitei. Uma duelando com a outra, nenhuma ganharia, mas sabíamos disso. Entrelacei minhas pernas em seu quadril e minhas mãos no seu cabelo.

Abri os olhos, após o beijo e o encarei. Stefan sorriu e foi impossível não retribuir. Ele puxou a barra da blusa pra cima, ajudei-o erguendo os braços. Stefan gemeu notando que eu não usava sutiã, ele encarou os meus pequenos seios. Ele fechou as mãos em conchas ali e sorri. Ele parecia gostar, em quanto eu gemia, era a minha primeira vez e não podia ser com ninguém além dele.

Eu estava ali entregue, sabendo agora da verdade, sabendo o que ele era, mas ao mesmo tempo eu não me importei, senti quando sua velocidade nos levou ao andar de cima, a sensação de sentir o ar passando por meus cabelos foi intensa, sorri e ao mesmo tempo tive medo.

Gentilmente me puxou para a cama, tinha notado que estávamos em seu quarto, sua boca retornou a minha e tentei puxar a camisa para cima, meus dedos tremiam estavam me impossibilitando de fazer tal ato.

– Deixe que eu faço isso. – Stefan sussurrou tirando a camiseta.

Seus ombros nem largos, nem pequenos, diria no tamanho perfeito, seu peito definido com marcas, onde dedilhei meus dedos, ainda trêmulos.

– Lindo.

– Linda.

Stefan voltou a passar suas mãos por meu corpo, deixando um calor intenso por onde passava, chegou a minha calça, olhou nos meus olhos pedindo permissão, apenas assenti e ali estava eu.

Seminua na frente do homem, do vampiro?

Sim, não importava o que ele era, humano vampiro eu descobri que sinto algo forte e intenso por ele.

Não sei quando descobri, mas era o que sentia.

Beijou minha barriga, minha cintura, o vão entre meus seios, os dois seios, subindo lentamente, deu uma mordida fraca no meu pescoço, por fim chegando a minha boca.

Ele voltou a beijar meu pescoço, arqueei o corpo contra o seu, gemi baixo, meu coração acelerou, batendo em um ritmo desesperado, mais rápido que asas de beija-flores.

– Xiiii… Eu não vou te machucar, agora relaxe. – Sussurrou novamente e chupou o lóbulo da minha orelha.

Senti quando ele estava entrando, ele entrou devagar e parou.

Era ali a barreira, muitas diziam que doía. Eu espero que não, nunca fui boa com dores e perdas.

Empurrou gentilmente fazendo uma lágrima cair de meus olhos, tinha dor sim, mas com um tempo passou, ele ficou parado até a dor parar, beijou meus lábios e começou a se mover, me auxiliando a ir junto.

A sensação de luxúria me invadiu, meu corpo todo estava trêmulo, eu nunca tivera esta intimidade com um homem, e agora estava ali entregue a ele, mesmo sabendo de tudo.

Não demorou muito e gritamos um nome do outro no momento em que toquei no céu, o prazer foi tanto que Stefan caiu por cima de mim, relaxando com a cabeça encostada no meu peito.

Ele entrelaçou nossas mãos e fez desenhos invisíveis em sinal de carinho, sorrindo fechei os olhos e suspirei.

– Eu te amo. – Foi o que ouvi sair dos seus lábios, seria possível, sim seria, pois este sentimento que tinha dentro de mim só podia ser amor.

 

Depois de um tempo, eu fui ao banheiro, me arrumei.

– Onde está seu irmão?

– Problemas, Damon ele está em uma situação complicada.

– Ele e Bella?

– É complicado.

– Stefan você me disse que devo saber das coisas, posso saber?

– É muito complicado, eles ficaram juntos, mas isso não fez para Damon.

– Como?

Ele me contou sobre Damon e a maldição, ficamos conversando muito tempo, até que a hora se passou, e escutei alguém entrando na casa, Lexy ela havia chegado.

– Elena eu acho que deve ir para casa.

– Tenho mesmo.

– Elena, não diga nada a ninguém, nem a suas amigas, muito menos a seu irmão.

– Eu não faria isso, mas principalmente meu irmão, por quê?

– Elena os Gilbert são descendentes de caçadores, isso faz com que seu irmão…

– Seja um caçador.

– Isso, ele está perto da idade.

Era muita coisa em minha mente, tudo rodou, então eu voltei para minha casa, mas antes eu fui até a caixa onde continha muitas coisas dos nossos antepassados, e agora muitas destas coisas faziam sentido.

 

 

 

 

Anúncios