Tags

, , , ,

Esclarecimentos

POV Belinha

Abri meus olhos aos poucos, como sempre fazia pelas manhãs, e encontrei um par de olhos dourados me observando, sua mão fria passou por meu rosto.

_Bom dia! Como passou a noite?

_Como se eu estivesse em braços de anjos.

MUSICA:avril-lavigne/innocence-traducao.

Edward sorriu para mim.

Tentei organizar minha mente, e tudo o que acontecera no dia anterior.

“Depois de levar meus pais ao aeroporto ao voltar, encontrei Edward me esperando na porta de casa, eu não tinha se quer conversado com ele, e sequer lhe encarado nos olhos desde minha transformação, e assim que desci do carro, prestes a enfrentar meus medos, meus olhos se encontraram com os dele, e tudo mudou… agora Edward era minha vida, minha razão para estar viva, era tudo… tive um imprinting.

Edward aproximou-se de minha testa e depositou um beijo terno e suave.

_Isso meu amor, e não se esqueça que eu senti todo o efeito disso junto com você, minha Belinha.

Era lindo ouvir como soava meu nome em seus lábios, mas outra coisa minha memória lembrou.

“Impetuosamente, meu corpo pedia por ele tanto quanto meu coração, quando o empurrei para dentro de casa, e acabamos em meu quarto, oh céus, a cama!”

_Acho que teremos de dar um jeito nisso antes de seus pais voltarem.

Senti meu rosto quente, realmente eu quase fui completamente dele, uma ideia que me entristecia, sempre seria quase?

_Claro que não, lembre-se daremos um jeito, Juntos.

_Sim me lembro, mas me lembro de outra coisa também, uma coisa antes de tudo isso.

“O motivo pelo qual evitei Edward estes dias, seu relacionamento com minha mãe.”

_Você realmente quer falar sobre isso, mesmo depois de tudo?

_Edward, você é minha vida agora, e tudo em relação a você me importa, quero que me conte exatamente tudo, nada de segredos.

_Tudo bem você merece isso, mas nada que te contar abala o que sinto por você, quero que entenda.

_Tudo bem, só quero sinceridade.

_Quer que eu comece por onde?

_Tânia.

_Isso é complicado, mas vamos, durante séculos desde minha criação, foi difícil me aceitar, até fui rebelde por um tempo e me distanciei de minha família, mas não fui muito bem sucedido com isso, logo então voltei a viver com Carlisle, eles residiam em Denali, no Alaska, e um clã que era adepto de nossa dieta peculiar de animais, se tornou como da família, Tânia era uma das três irmãs que viviam lá, todas muito lindas, foi quando descobri que os vampiros podem sentir certos prazeres de forma muito intensa, ali surgiu este relacionamento, mas nada de compromisso, pelo menos para mim, quando aconteceu um ocorrido com um aluno da escola que frequentava, e decidimos nos mudar, eu via Tânia raramente, e não nutria sentimentos por ela, somente se divertíamos.

_Sim, e como minha mãe entrou nesta história?

_Quando sua mãe veio morar em Forks, algo muito diferente aconteceu, ela me despertou certo… Desejo…

_Não fique assim, sem rodeios.

_Sim, e esse desejo me deixou enlouquecido, ate então eu não passava de um vampiro tentando ser o que não eu não era, viver entre humanos, e de repente eu sinto algo tão intenso e justamente por uma humana, de inicio a ideia me pareceu repugnante e incrédula, mas descobri que podemos nos controlar com certo grau de concentração, só que descobri que sua mãe estava sabendo do ocorrido no Alaska, e me desesperei, achei que ela me repudiaria, me acharia um monstro, então fui embora por um curto tempo, e voltei a Denali, me hospedei na casa de Tânia, e as coisas aconteceram de novo, mas decidi voltar e tentar, ver o que aconteceria com Bella, pois ela não saia de minha cabeça nem um instante, Tânia não digeriu muito essa história.

_E como foi? Como foi amar minha mãe?

_É difícil dizer, depois de ontem eu não posso dizer se foi verdadeiramente amor, ou se não passou de um simples desejo, paixão, até capricho.

_Mas até então você achava que era amor, como foi?- eu queria entender, e sabia que me doeria cada palavra, mas eu queria a verdade.

_Foi o mais intenso sentimento que já senti, até agora, este sentimento estava até me mudando por completo, o fato da fragilidade dela, do proibido, e saber que ao estar com ela eu me tornava um novo Edward, eu devo admitir, que sua mãe me mudou, e me mudou para sempre, mas quando eu vi que era perigoso para ela estar ao meu lado, eu me afastei novamente, o que deixou livre o caminho para seu pai, quando soube dos dois, não sei se foi por capricho ou algo diferente, sei que voltei, e tentei lutar por ela, mas a cada dia via que ela se afastava de mim, bem, no fim de tudo eu realmente vi que eu não seria certo para ela, e quando vi que joguei a ultima cartada do jogo e perdi, eu tentei me afastar, mas algo sempre me puxava para ela.

_O que exatamente?- a cada declaração, a cada sentimento que Edward relatava, meu coração partia, mas eu sabia que necessitava disso, para poder tocar para frente.

_Um instinto de protegê-la, de estar ao lado dela, quando recebi aquele maldito convite de casamento foi como se meu chão se abrisse, eu me enterrei em um buraco, fugi, fiquei caçando e perambulando pela floresta, e novamente tive que ver ela, vir ao casamento foi uma das coisas mais difíceis de fazer, mas eu tinha de vê-la era como uma droga para mim, Alice tentou me distrair, viajamos por um tempo, e sabia que tinham contato esporadicamente, mas evitei pensar nisso, mas quando Alice decidiu voltar, senti uma enorme vontade de vê-la, saber se realmente a vida que escolhera estava a fazendo feliz.

_Foi quando você soube de mim?

_Sim ela estava grávida, e aquilo era lindo, algo que eu jamais poderia dar, e quando tive de fazer seu parto as pressas, e vi uma vida sair dela, ali todo meu receio e dúvida sumiram, ela escolhera certo, mas algo me puxava novamente, era você, eu me apaixonei tanto por aquele bebe frágil que até voltei a estudar medicina, e descobri que amava trazer a vida ao mundo, ao invés de um vampiro que tira vidas, eu era aquele que as trazia para o mundo, a minha profissão se tornou a melhor distração para esquecer tudo, não completamente, e toda vez que voltávamos para te ver, eu sentia um conforto em estar ao seu lado.

_É você me mimou muito, meu pai ficava até receoso com tantos presentes que você enviava.

_Parte de mim dizia que o certo era se afastar completamente, mas eu não conseguia.

Uma pergunta faltava, mas eu não sabia se queria mais ouvir tantas verdades juntas, doía saber que por anos ele carregou esse sentimento por minha mãe.

_E quanto a mim? Quando achou que estava se apaixonando? Ou somente eu era um reflexo dela?

_Belinha, não acho que…

_Diga Edward, diga agora que esta tudo sendo revelado, a dor é melhor quando é de uma vez, como tirar um curativo.

_De inicio confesso que sim, eu vi em você um reflexo de sua mãe. – aquelas eram as palavras que eu não queria ouvir, mas precisava – No dia do seu aniversário, eu vim ainda com a imagem de uma garotinha delicada, e quando a vejo entre seus colegas, eu vi a Bella novamente jovem, se não fosse estes cabelos loiros que herdou de sua avó, você seria uma cópia perfeita dela.

_Então eu era sim uma simples substituição? – meu peito doía, e parecia ser esmagado, Edward pegou entre suas mãos meu rosto, e delicadamente encostou seus lábios frios.

_Shii… Você não queria a verdade, entenda que para mim dói tanto quanto para você, agora tudo que sente me afeta.

_Tudo bem continue.

_Sim você era um reflexo dela, mas naquela simples dança, com aquela música infantil, mas terna, ali eu vi algo diferente em você, vi sua inocência.

Ri um pouco com a lembrança da música composta para mim.

_É foi a partir dali que comecei a compor ela, naquele instante em que vi até em sua mente um pequeno sentimento, retraído pela ideia de ser um tio talvez com anos de diferença.

_Bem, até que uns 100 anos de diferença não são muito…- dei de ombros.

_Quando a vi na cachoeira a primeira vez, ali eu via pureza, e quando Alice me contava de sua mudança de atitude, eu estava enlouquecido eu não podia perder esta inocência, tinha de tomar uma atitude. Eu mesmo estava confuso, era difícil entender o que sentia e que era errado.

_Você ainda achava que amava minha mãe? – as palavras saíram sem dor desta vez, eu estava entendendo tudo, antes mesmo do imprinting ele já nutria sentimentos intensos.

_Essa é uma teoria que carrego, sobre esse tal imprinting, durante anos achei que seu pai sentiria por alguém e assim Bella ficaria livre, mas agora sabemos, nós já estávamos predestinados a ser assim, não seria diferente o sentimento crescer antes.

Sim Edward tinha razão.

-Lembra então de nossa dança?

_Claro, a cada minuto, foi ali que nasceu a primeira semente.

Peguei na cabeceira da cama agora em pedaços meu I Phone enroscado.

_Veja que é a música que ouço quase toda noite.

Edward tocou a tela, e Miley Cyrus começou a tocar.

-Eu a vejo assim, mas você amadureceu em tão pouco tempo.

_E é ruim?

_Não, é perfeito, sabe com esse negócio de lobo você já pode se dizer até maior de idade, faz vocês atingirem a idade madura de uns 20 á 25 anos. Melhor assim eu não me sinto velho.

_Mas você tem 17 lembra?

_Nós também amadurecemos.

Edward chegou perto de mim e me deu um beijo intenso, calmo e leve, mas em mim estava presente um animal, e intensifiquei o beijo, quando ele me afastou.

_Calma, você pode se machucar.

_Vai ser sempre assim, não vai?

_Eu acredito que tudo pode ter solução.

_Queria ser otimista como você.

_Eu vivi muito, até encontrar e ter algo tão mágico, um pouco de paciência está em mim, nós teremos a eternidade lembra.

Depois de eu devorar novamente bacon com ovos saímos, tínhamos que nos encontrar com todos para mais treinamento, quando me transformei para correr ao lado de Edward, percebi que toda alcatéia agora sabia do imprinting, e não estavam satisfeitos nem um pouco.

 

Anúncios