Tags

, ,

         

A verdade

POV Bella.

Entrei no quarto de Sarah, com a convicção de que a verdade seria esclarecida.

-Podemos conversar?- Em cima de sua cama varias fotos que tinham Edward estavam espalhadas.

-Mãe eu quero mesmo conversar, é sobre o Tio Edward.

-Sente-se filha, a conversa será longa. Lembra-se antes de seu avô Billie falecer de todas as histórias que ele te contava sobre a tribo.

-Sim, aquelas histórias de terror, sobre lobos, chefes espíritos…

-Sim, e se todas estas histórias fossem reais?

-A para!!! como se fosse possível descendermos de Lobos e pior nos transformássemos  em um! Você e o papai sempre disseram que era só para me assustar.

-Filha, erramos, quer dizer eu errei de nunca deixar com que seu pai contasse a verdade sobre tudo.

-Tudo o que? E o que tio Edward tem a ver com todas estas histórias?

Como eu faria ela acreditar sem ficar assustada?

-Pense em todas as histórias, quais você lembra mais?

-Bem, sobre os lobos, eram as principais.

-E por que os lobos surgiram?

-Pelos chefes espíritos?

-E porque eles voltavam a aparecer?

-Por  causa de inimigos, acho!?

-Sim, a tribo tinha muitos inimigos, e qual inimigo seu avô sempre alertava!

-Os Frios!!!!

Neste instante ela parou um pouco e ficou pensando.

-Filha pense bem, o que são os frios?

-VAM…PI…ROS…- ela falou cada silaba pausadamente, e novamente a vi olhar a foto de Edward, deduzi que ela já havia esclarecido.

-Você está pensando certo, tanto seu Tio Edward como sua tia Alice eles são Vampiros.

POV Belinha.

_ Vam…Pi…Ros…- minha mente custava a creditar aquela informação, saber que todas as histórias da tribo eram reais já era o suficiente, agora saber que tio Edward e tia Alice eram um certo tipo de monstro, era irreal de mais.

Eu observava as fotos deles e tudo se encaixava, eles realmente não envelheciam.

-Você está pensando certo, tanto seu Tio Edward como sua tia Alice eles são Vampiros.

Quando minha mãe concretizou as minhas duvidas, eu fiquei perplexa, e minha reação foi estranha, eu fiquei muda.

-Filha fale algo!!

Ela me encarava, e eu estava como se estivesse em estado de choque!

Ela pegou meus ombros e chacoalhou, e dizia meu nome.

-Pare, mãe, calma, eu quero absorver tudo isto, deixe-me ficar um pouco sozinha.

Minha mãe nada disse, somente se retirou.

Em minha estante eu tinha um livro de todas as tradições quileuts, e procurei por ler cada parte de todas as lendas.

 

POV Edward

 

Bella tem certeza que ela ficou bem?

-Bem é claro que não, mas é bom dar um tempo a ela.

– Tudo bem dar um tempo Bella, mas já faz mais de uma hora que ela esta trancada no quarto.

Jacob estava impaciente, mas sua preocupação se focava em outras coisas, no ocorrido com Sam Jr, ele ainda queria esclarecer, quanto à verdade ele estava fortemente convicto que ele sabia que era melhor ter contado para ela antes.

-Bella, eu não ouso seus pensamentos.

-Edward, você mesmo disse que só a ouve quando está nervosa ou agitada, ela deve ter se acalmado.

-Gente, parem com tanta aflição, vamos lá ver o que está acontecendo.- Alice estava impaciente, e foi ate o quarto de Belinha e a chamou, quando não ouve resposta ela forçou a porta e abriu.

-Gente não quero assustar ninguém, mas ela não está aqui.

Todos fomos direto para lá, e a janela estava aberta, e em cima da cama o livro de lendas da tribo, e minhas fotos, ela estava confusa era obvio.

-Jacob, reúna todos temos que achar nossa filha.

Bella ficou muito nervosa, e eu era o responsável teria que fazer algo.

-Bella eu vou atrás dela.

-Sanguessuga, é minha filha e responsabilidade minha.

-Pare de birra seu cachorro, é minha afiliada e vou procurar, eu posso seguir o rastro dela muito rápido.

Jacob foi reunir os rapazes quileuts e eu me direcionei a seguir seu rastro.

O rastro começou atrás de sua casa, e direcionou a floresta, eu entrei em meio as arvores e encontrei uma trilha, seu cheiro era muito intenso nesta região, o que mostrava que vinha muito por aqui, por sorte não estaria longe, e talvez em algum lugar conhecido.

O rastro ficou mais forte, e pude escutar uma cachoeira, de cima de um galho a avistei, e eu sabia que o certo seria ligar imediatamente para Bella, mas a cena era atrativa de mais.

MUSICA: nickelback

Trying not to love you

Tentar não amar você

http://www.vagalume.com.br/nickelback/trying-not-to-love-you-traducao.html

Ela estava despida de suas roupas, e a água da cachoeira batia em seu corpo, branco e escultural, cada traço perfeito.

Seus seios pequenos e empinados, próprios de sua idade, a água escorria neles os deixando arrepiados.

Você me chama, e eu caio aos seus pés
Como alguém poderia pedir mais?
E o nosso tempo separados é como uma faca em meu coração
Como alguém poderia pedir mais?

Mas se existe uma pílula para me ajudar a esquecer
Deus sabe que eu ainda não a encontrei
Mas eu estou morrendo de vontade, Deus, eu estou tentando

 

Ela logo pulou dentro do rio, e a água transparente deixava seu corpo escultural à mostra.

Tentar não te amar, só é possível até certo ponto
Tentar não precisar de você, está acabando comigo
Não é possível ver o lado bom, aqui no chão
E eu continuo tentando, mas eu não sei para quê
Porque tentar não te amar
Só me faz te amar mais
Só me faz te amar mais

 

Eu não era humano, mas tinha plena certeza de que a água estaria em uma temperatura desagradavelmente gelada, mas ela nadava como se fosse o prazer maior.

Neste instante era como se o desejo que um dia senti por Bella seguisse um segundo plano, e agora era ela meu objeto de Desejo.

E esse tipo de dor, só o tempo pode levar embora
Por isso que é difícil deixar você ir
E não há nada que eu consiga fazer sem pensar em você
Por isso que é difícil deixar você ir

Mas se existe uma pílula para me ajudar a esquecer
Deus sabe que eu ainda não a encontrei
Mas eu estou morrendo de vontade, Deus, eu estou tentando

 

Sim Sarah Bella, seu cheiro invadia minhas narinas e o ar ao meu redor era invadido por ele.

Eu queria expelir de minha mente as imagens que se formavam neste instante, eu sabia o quanto era errado, e não devia deseja-la de certa forma.

Tentar não te amar, só é possível até certo ponto
Tentar não precisar de você, está acabando comigo
Não é possível ver o lado bom, aqui no chão
E eu continuo tentando, mas eu não sei para quê
Porque tentar não te amar
Só me faz te amar mais
Só me faz te amar mais

 

Mas meu coração que estava machucado desde que Bella decidiu que seu caminho seria não estar comigo, agora estava se curando, melhor, olhar para Belinha era como se cada parte de meu corpo desmembrada na desilusão com Bella se curasse.

Então eu sento aqui dividido, apenas falando comigo mesmo
“Foi algo que eu fiz?
Foi outro alguém?”

Quando uma voz atrás de mim
Que estava lutando combatendo as lágrimas
Sentou-se bem ao meu lado e sussurrou no meu ouvido
“Esta noite eu estou morrendo para te dizer

 

E como se o buraco em meu peito nunca tivesse existido, sim eu sabia o que significava isto, e eu não poderia ama-la, nem deseja-la.

Que tentar não te amar, só me levou até certo ponto
Tentar não precisar de você, está acabando comigo
Agora eu vejo o lado bom, do que nós vinhamos lutando
E se apenas continuarmos tentando, poderíamos ter muito mais
Porque tentar não te amar
Apenas me faz te amar mais
Apenas me faz te amar mais

 

A vi sair do rio e torcer seus cabelos loiros, única coisa que a diferenciava de Bella, pois seu corpo era idêntico, e sua beleza completava.

Ela começou a vestir suas roupas, esperei até que estivesse vestida.

-Bellinha!

-Ui!! Que susto tio…

-Desculpe, eu sei que sou de assustar, mas você estava tão distraída.

“Céus o que ele viu?” sua mente ficou aflita…

-Desde quando está ai?

-Acabei de chegar- menti-

-meus pais te mandaram?

-Menina levada, acho que neste instante toda tribo está atrás de você!

-Que exagero, eu pensei que voltaria até sentirem minha falta.

Ela estava se distanciando de mim, eu sabia que podia ser uma reação depois de saber a verdade.

-Belinha…

-shi… pare tio.. não me importa o que você seja, sempre será meu tio Edward.

-Então porque fugiu?

-Eu não fugi! – ela  deu um sorriso – é que quando fico nervosa eu esquento muito a cabeça, e para pensar direito costumo vir aqui esfriar a cabeça, entendeu.

Ver ela sorrindo para mim me deixava feliz por saber que nada iria mudar, porém ela ainda estava distante.

-Mas você ainda está distante.

-eu estou brava, porque só me contaram agora?

-sua mãe.

“minha mãe… o pior não é ele ser um vampiro, o pior é que se já era ruim sentir algo por meu tio, imagine agora sabendo a verdade.”

-Belinha, tem mais.-

“Lá vem bomba”

-_O que foi?

-além de eu ser um vampiro eu tenho um dom.

-Dom?- “ o que seria, hipnotizar garotinhas, pois foi isso que aconteceu naquela dança.”

-Belinha, tome cuidado com o que pensa, eu leio mentes.

-Sério!!- “ ai, ai mais isto agora.”

-calma garota, tem muito para você saber, mas vamos para casa agora, está todo mundo preocupado.

-no caminho você me conta.

-Acho que em casa, o caminho vai ser rápido e turbulento.

-Como?

-Para ser rápido sobe em minhas costas, eu te levo, é outra vantagem que os vampiros tem.

POV Belinha

Estar agarrada em suas costas era intenso e emocionante, a velocidade dava impulso à adrenalina que percorria cada pedaço de meu corpo.

Eu escondia minha cabeça em meio as suas costas, mas às vezes arriscava uma olhadinha, era impressionante como as arvores passavam por nos e tio Edward não batia em nenhuma.

Em poucos minutos chegamos a minha casa, e realmente estavam todos agitados por conta de minha saída.

-Sarah- minha mãe veio depressa e me abraçou.- onde estava porque está molhada?

-Calma mãe estava só nadando.

-Sabe que seu pai não gosta que se afaste dos limites da tribo, estava na cachoeira de novo!

Depois de acalmarem todos os ânimos todos nós sentamos na sala de minha casa, e uma bela conversa se iniciou.

-Primeiramente, como Pai eu preciso esclarecer um certo assunto.

-Já sei pai, quer falar sobre Sam JR, fica calmo não aconteceu nada, somente um grande MICO.

-Filha quando aquela garota veio e me disse que Sam estava a agarrando eu fiquei muito preocupado.

-Sam? Me agarrando, ??? me poupe, eu sou a esquisita da tribo, ninguém ia querer me agarrar.

-Filha não fale assim!- minha mãe estava perplexa com a forma de eu falar, pois eu estava a fim era de jogar tudo para fora,   já que as verdades foram ditas era hora de minha verdade vir a tona.

-como não falar assim? É a verdade, ninguém gosta de mim aqui, e o acontecido com Sam Jr prova isso, eu sou motivo de CHACOTAS e brincadeiras de mal gosto, e esta festa foi o maior fiasco, se não bastasse eu ter que aguentar todos aqueles adolescentes na escola.- exceto pela dança com tio Edward a festa realmente não tinha me agradado.

-filha eu sabia que tinha algo errado, só não sabia que era tão grave.

-agora vocês já sabem.

-Bem este assunto já esta resolvido, e agora quanto ao outro? – Meu pai fugia do assunto da escola.

Observei tia Alice perto da janela envergonhada com tudo, eu a amava intensamente e nada sobre ela me faria mudar meu modo de pensar. Levantei-me e fui em direção a ela.

-Tia, – a abracei forte – Eu sempre vou te amar seja você o que for.

O abraço foi retribuído, e senti que com ela tudo seria normal, neste instante olhei para tio Edward, este seria mais difícil, por muitos motivos, primeiro é  muito difícil saber que pode estar sempre sendo ouvida, e segundo, o que senti durante aquela simples dança vai ficar guardado.

Mesmo assim, aproximei-me dele.

-isso vale para você.

Tudo estava esclarecido, então pedi para meu pai contar detalhes sobre todas as lendas.

Notas Finais:

Olá galerinha, então o que acharam???

bem como sou boazinha, as vezes… e esta fic está bem adiantada… postarei mais um capítulo para vocês hoje ainda…

beijos Izis

Anúncios