mais um capítulo para vocês:

11.Esclarecimentos.

POV Jacob

As noticias correm, estava em meu quarto tentando relaxar um pouco quando o telefone tocou, percebi meu pai falando com Charlie.

Logo levantei e fui ver do que se tratava.

-Sim , Charlie obrigado por avisar, e melhoras para Bella.

Logo quando meu pai desligou eu queria saber o que tinha acontecido.

-E ai o que ouve?

-Bella, sofreu um acidente.

-E ela está bem?

-Está sim, está em casa, Charlie ligou para avisar, ele tinha combinado de vermos um jogo aqui em casa hoje.

-Vou lá vê-la.

-deixe para amanha.

Não dei ouvidos, tratei de ir logo vê-la.

-chegando a casa de Charlie eu senti nos arredores um cheiro doce e enjoativo, o que me fez ficar irritado, mas logo passou.

Charlie abriu a porta, me cumprimentou.

-Oi Jack, como está?

-Bem, vim ver como Bella está! O que aconteceu?

-Ela estava passeando com uma amiga e foi atravessar a rua, um carro atravessou o sinal vermelho, sorte aquele rapaz estar passando por lá, ele a puxou darua, veja o carro estava tão descontrolado que bateu em um poste.

-Que rapaz? – meu sangue ferveu como nunca, será que Bella estava se encontrando com alguém?

-Edward, o filho do Dr, Bom garoto, não sei porque as pessoas fofocam tanto. Quer vê-la?

Pensei, sanguessuga nojento, o que fazia lá? E perto da minha Bella, meu sangue ferveu mais ainda.

-Quero vê-la sim, aonde ela está?

-Ela esta lá em cima, vou avisa-la, vem acho que ela não vai descer as escadas, está ,meio tonta por conta dos analgésicos.

Subimos e entrei em seu quarto. Seu cheiro estava por toda parte, me perguntei porque de meu olfato estar tão sensível ultimamente.

-oi você esta bem, fiquei sabendo do acidente.

-estou- ela estava indiferente também depois da idiotice de rouba rum beijo.

-Bella eu vim pedir desculpas de novo eu sou um idiota sabe.

-sei

-voltamos a ser amigos? por favor!

-olha jack pela ultima vez eu te perdoo, mas pare com essa mania de me beijar ta!

-tudo bem

-olha! eu realmente estou cansada, os analgésicos começaram a fazer efeito, outra ora a gente conversa mais ta legal!

-tudo bem, se a gente ta legal. Tchau.

Sai dali contente, pelo menos sermos amigos me dava a oportunidade de estar perto dela, ao sair novamente senti aquele mesmo cheiro doce que ardia meu nariz.

POV Edward.

Logo que ela saiu do hospital, limitei a seguir a viatura, eu teria que conversar com ela, mas como iniciar o assunto?

Estava a uma distância segura de sua casa, avistei quando Um visitante chegou e Charlie conversou como velhos amigos.

Sim, era um rapaz da tribo quileut, lembro-me bem de meu último encontro com eles.

“ Estávamos aqui residindo nos limites de Forks, e caçávamos animais como de costume quando um grupo dos índios nos encontrou. Eles se transformaram em Lobos e quase nos atacaram, como eu tenho a habilidade de ler mentes consegui para-los e assim estabelecer um trato, como não caçávamos humanos eles estabeleceram um território, para nos manter longe.”

O rapaz era novo, não sabia até que ponto ainda eles sabiam de nossa existência, li em sua mente a preocupação com Bella.

Aproximei-me da casa, e sua mente lembrava de certas coisas que não foram de meu agrado, ele havia a beijado e a força.

O que mais me intrigou, foi uma breve lembrança que ele teve ao Charlie mencionar meu nome, ele contou para Bella sobre as lendas.

Fiquei com receio do que Bella pensava de mim agora.

Vi quando ele saiu, logo subi na arvore, e claramente ela estava novamente no computador.

Depois de ela adormecer, entrei novamente em seu quarto, escondi-me rapidamente quando seu pai deu uma breve olhada pela porta.

Dei uma breve olhada em seu Not, e lá estava seu histórico de acesso, ela pesquisou sobre Vampiros.

Eu não tinha escolha, ou ela sabia, ou já desconfiava muito, decidi que teria que ser sincera com ela se quisesse manter contato.

Estava ali a observando, escutei ela dizer meu nome varias vezes, não com medo.

Logo ela acordou, ela me olhava como se olhasse para uma miragem, como se não acreditasse em minha presença.

-oi – disse para ver se ela realmente estava acordada.

-oi, você é real?

Que pergunta? Lembrei-me de que ela estava sobre altas doses de analgésicos, resolvi brincar.

-Não, sou fruto de sua imaginação, então pode continuar a fazer o fazia no seu sonho.

-Então continue você, em meu sonho você não me deixa fazer nada, só diz fique quietinha.

Ri com seu argumento, seria exatamente o que eu falaria.

-Bella, não sou um sonho, não se assuste, eu pulei sua janela, quero conversar.

Ela arregalou mais os olhos e se espreguiçou.

-Não podia esperar amanhecer?

-Bella, preciso conversar com você serio, pois dependendo de sua decisão eu nem apareço na escola amanhã.

Ela notou que eu falava sério.

-Não, fique e converse, eu quero você na escola.

-Tem certeza?

Depois do que ela viu, imaginou, pesquisou, será que ela podia me querer?

-Claro que sim, você é meu herói.

-Não me considero um herói, eu posso ser considerado mais um vilão,  Bella eu tenho que te contar algo.

-Não precisa, eu já sei, você é diferente.

-E você não se assusta?

-Edward, eu não gritei até agora, você não me assusta, eu cheguei à conclusão que não importa.

-Não importa??? Como??

-Edward, você se esforça para ser bom, se esforça para viver uma vida normal, as pessoas te julgam sem ao menos te conhecer, digo, saber o que você realmente pensa, é claro que não me importo, não me importa o que você seja, me importa o que você é, sua personalidade.

-Ual, você realmente me surpreende.

-Por quê?

-Qualquer um julgaria o que sou.

-Edward, eu sou julgada o tempo todo e realmente, odeio isso, seria hipocrisia eu julgar alguém.

Bella era impressionante, a partir dali não era somente seu corpo que eu desejava, ela era fantástica, eu realmente estava apaixonado por ela, minha irmã tinha razão, não era apenas atração.

-Só que tem uma coisa!

-O que?

-eu tenho algumas duvidas você pode me responder.

Ela me fez uma bateria de perguntas e logo percebi que estava muito tarde.

-Bella, teremos muito tempo para perguntas, amanhã teremos aula, e você está precisando dos remédios.

Ela não contestou, logo dormiu.

POV Bella

Acordei obviamente tonta.

Fiquei vagando com as lembranças da noite, e me perguntei se era verdade ou outro sonho.

Quando estava me levantando me deparei com um bilhete ao meu lado, sendo a confirmação de que aquela noite não tinha sido sonho:

“ Bella, espero que esteja melhor, peça ao seu pai para te levar, sei que é desconfortável andar em uma viatura, mas seus remédios não a permitem dirigir, lhe garanto que não voltara de viatura e nem a pé. Com carinho Edward.”

Fiquei me perguntando como eu viria para casa, quando meu cérebro meio lento pelos comprimidos entendeu, eu provavelmente viria de Volvo.

Tratei de descer correndo antes de Charlie sair, quase tive mais um acidente na escada.

-Calma Bells.

-Pai! vim pedir para me esperar, eu não posso dirigir por conta dos remédios.

-Então porque não fica em casa?

-Não!!! Eu preciso ir.

Tomei banho muito rápido e logo estava pronta.

-Como você vai para casa?

-Eu peço carona a algum amigo.

-Tudo bem, até mais qualquer coisa liga.

Logo que Charlie saiu do estacionamento, que estava vazio por conta do horário, O volvo chegou.

Ele estava sizinho no carro, logo desceu.

-Oi, como passou a noite?

-Bem, e porque pediu para meu pai me trazer.

-Simples, eu queria você aqui hoje, é impossível ficar longe de você, e também pelo fato que não confiaria você em um volante totalmente dopada.

Era incrível sua preocupação, e a melhor parte foi ouvir, que ele queria estar comigo.

Suas mãos entrelaçaram minha cintura, e ele sussurrou:

-você esta linda, e muito provocante.

Como sua voz me causava arrepios, maiores do que em meus sonhos.

-Ninguém chegou ainda, o que acha de cabularmos a aula, só hoje.

Pensei por um instante, não seria estranho eu faltar depois do acidente.

Ele abriu a porta do volvo, e eu entrei.

Ele deu a volta rapidamente, e logo  acelerou, eu não conseguia tirar os olhos dele, como seu rosto era perfeito, seu peitoral, destacava-se com sua camisa, imaginei como seria vê-lo, logo imaginei suas mãos, e quando estava tendo imagens nada puras em minha mente ele quebrou o silencio.

-o que está pensando?

-humm, acho que não devo contar, é constrangedor. – lógico que o rubor em meu rosto me entregou.

-pelo seu rubor, eu imagino e gostaria muito de saber, é frustrante, não conseguir.

-Não conseguir o que?

-ler sua mente.

-como assim?

– sabe eu tenho um dom, eu consigo ler as mentes de todos, menos a sua.

-Humm, sempre soube que eu era meio fora da casinha.

-só isso? Você não vai pirar nem nada desse tipo?

-Não, eu sempre soube que você é especial.

-especial… só você mesmo achar que uma aberração como eu sou especial.

-você não é uma aberração. É diferente, sabe bemmm diferente, diferente dos da minha espécie, diferente dos da sua..

– e o que a leva pensar assim?

-você obviamente não toma sangue humano.

-hum isso.

-aonde você está me levando?

-Vamos a um lugar especial.

http://www.vagalume.com.br/orchestral-manoeuvres-in-the-dark-o-m-d/dreaming.html#traducao

(Musica- OMD- “Dreaming”)

Deixei ele me levar, eu sentia estar segura com ele e melhor eu queria estar com ele.

Ao chegar o local eu fiquei completamente imóvel era o lugar de meus sonhos, as flores azuis, estava tudo exatamente igual quando ele pediu gentilmente.

-não se assuste.

Eu me perguntei o por quê?  Vi o sol sair dentre as nuvens, ele estava com a camisa aberta e seu peitoral, OMG, era perfeito.

Logo vi o sol chegar a sua pele e Le era lindo, brilhava como diamante.

-Agora sim eu entendo o que dizem do sol.

-você não está assustada?

-Já  disse, você não me assusta, você é perfeito.

Sentamos no meio das flores, ele como em meu sonho chegou perto de minha orelha e sussurrou:

-fique bem quietinha.

Ele contornava meu corpo com as mãos, era gentil como se fosse me quebrar.

Em breves momentos eu lhe perguntava algo, ele respondia, mas nosso tempo foi ocupado por nossas mãos descobrindo os traçados de cada um.

Ele parecia querer decorar cada parte de meu corpo.

(***)

Tradução da musica:

(Musica- OMD- “Dreaming”)

Se você nasceu em menina céu
eu entenderia tão bem
Mas desde que eu te conheci criança
Você fez minha vida um inferno tal
Com cada dia que passa
eu caio mais perto do chão
Parece que eu estive procurando
Algo que não será encontrado
eu estava apenas sonhando
Eu só estava tentando pegar seu olho
estava apenas desejando que você me notar
vez você disse adeus
Poderia esta ser a resposta nova, em seguida,
Para todos os sonhos que fizemos
Poderia haver algum solução, por favor
Para livrar-me desta graça
Mas cada segundo que você me segurou em seus braços
Você me constrói
Você me levanta
Você me mata com seus encantos
Refrão
Você ficaria comigo esta noite
Você não vai fazer estes sentimentos última
Podemos começar tudo isso de novo
Isso seria muita coisa para perguntar

Anúncios