olá pessoal, com a volta do feriado o trabalho tava folgado, e aproveitei e consegui terminar a segunda parte do capitulo 2:

Aproveitando, a continuação do capitulo 15 de “Eternal Flame” tá de MAIS, e “Sangue e coração” como sempre arrasando e também tem capitulo novo de” Os caçadores”confiram no blog da Lana Aguiar.

ai vai para vocês e como prometido a musica que me inspirou para o momento de reflexão de Edward é : ” The Bad In Each Other, -Feist” ai vai o link do vaga lume para  vocês ouvirem e verem a tradução. beijos Dilla.

http://www.vagalume.com.br/feist/the-bad-in-each-other-traducao.html

– Você não pode ter as duas coisas, ou você quer que as pessoas ignorem seu aniversário ou não. Um ou outro.

– Tudo bem, eu decidi que não quero que você ignore meu aniversário. Te vejo lá em cima. – como ignorar um pedido desses, minha força se desvalia. –

Ela se inclinou para pegar os presentes.

– Você não tem que pegar isso.- eu tinha que me controlar estava descarregando minha raiva no lugar errado, ela era a vitima , eu é que deveria ser tratado dessa forma.

– Eu quero eles –

– Não quer não. Carlisle e Esme gastaram dinheiro com você.

– Eu vou sobreviver. – Ela pegou os presentes e colocou embaixo do braço, o que eu estava fazendo, cadê minha educação, vi novamente que minhas atitudes estavam sendo rudes, ela não merecia desci do carro.

– Me deixe carregá-los, pelo menos. – Eu estarei no seu quarto. – Eu estava mais uma vez me rendendo a meu vicio.

Ela sorriu tão linda, ficava difícil tomar uma decisão menos egoísta quando eu olhava para ela assim, eu a amava, precisava dela, Eu sempre me comparei com um viciado em heroína, e ela era meu tipo puro e perfeito de heroína.

– Feliz aniversário – quis dizer isso o dia todo, naquele momento rendi ao que sabia ser o errado, então me inclinei e a beijei de leve nos lábios ela ficou na ponta dos pés tentando intensificar o beijo, mas o cheiro de seu sangue era recente, me afastei , sorri em resposta, era difícil pensar com ela se entregando assim,e sumi na escuridão ao lado da casa.

Escalei ate sua janela e sentei em sua cama para espera-la, escutei que Charlie ainda estava vendo o jogo, será que perceberia o curativo?

Ouvi Charlie perguntar por seu braço, e seu pensamento foi de preocupação, Charlie sabia que Bella era propensa a acidentes com facilidade, mau ele sabia que sua má sorte nada tinha a ver com que acabara de acontecer, mal sabia ele que o culpado era eu. Os pensamentos de Charlie sempre foram difíceis de ler, tinham uma recepção ruim, mas eram muito claros quando se referiam a sua preocupação com Bella.

Escutei ela subir correndo, mas entrou no banheiro escutei ela lavar o rosto, e escovar seus dentes, escutei ela trocar de roupa, ela não usava mais os moletons rasgados de antes estava com um pijama e o pano fino deslizava por seu corpo, tentei desviar esse pensamento, pensar em Bella assim só deixava minha decisão mais difícil. Depois ela entrou no quarto, linda, não era provocante, mas nunca precisou ela era provocante de qualquer forma.

– Oi – disse meio triste, estava com meu presente nas mãos lembrando de que tive tanta expectativa com ele e ela nem o viu ainda.

Ela saltou com entusiasmo na cama e se enroscou em meu peito, como ela era quente, cheia de vida,  meu desejo por ela estava grande de novo, eu não tinha forças para deixa-la como resolveria isso, eu não era forte o suficiente.

– Oi – Posso abrir meus presentes agora?

– De onde foi que veio todo esse entusiasmo? –me perguntei, se era só uma forma de me agradar ou ela realmente estava entusiasmada.

– Você me deixou curiosa.

Ela pegou o presente de Carliles, mas antes de outro desastre acontecer peguei o embrulho de suas mãos.

– Me permita – sugeri, abri o presente, e entreguei a pequena caixa branca retangular.

– Você tem certeza que eu vou conseguir levantar a tampa? – ela tentava fazer piada da situação.

Dentro da caixa havia duas passagens aéreas para Jaksonville .

– Nós vamos pra Jacksonville? – ela ficou muito entusiasmada, não imaginava que ela teria essa reação, em minha mente a duvida pareava será que iríamos, ou ela teria que ir sozinha?

– Essa é a ideia.

– Eu não posso acreditar. Renée vai enlouquecer! Contudo, você não se importa, não é? Lá faz sol, você terá que ficar em casa o dia inteiro. – Ela estava animada de verdade, seus olhos castanhos brilhavam com a ideia em minha mente um quadro se formava eu fazendo parte de sua vida, mas seria realmente possível?

– Eu acho que posso aguentar – fiz uma careta, mas eu faria qualquer coisa para ela estar feliz. – Se eu soubesse que você responderia tão apropriadamente ao presente, eu teria feito você abrir na frente de Esme e Carlisle. Eu pensei que você fosse reclamar.

– Bem, é claro que isso é demais. Mas eu vou levar você comigo!

Tive que dar uma gargalhada, Bella sempre me surpreendia, sua felicidade confundia minha decisão.

– Agora eu queria ter gasto mais dinheiro no seu presente. Eu não sabia que você era capaz de ser razoável.

Ela colocou as passagens de lado, e foi logo pegar meu presente, tomei dela, para abri-lo, entreguei a caixa de Cd para ela, em meu peito acendia a expectativa de sua reação.

– O que é? – ela perguntou

Não disse nada; peguei o CD e se curvei para coloca-lo no Cd player.

A musica começou, ela reagiu exatamente como imaginei, ela se emocionou, era tão humana, não disse nada, as lagrimas surgiram em seus olhos e ela limpou. Era uma reação dos humanos que a deixava magnifica, a tarde vendo o filme e se emocionando com Romeu, e agora se emocionando com sua musica, ou será dor?

-seu braço esta doendo?

– Não, não é o meu braço. É lindo, Edward. Você não poderia ter me dado uma coisa que eu amasse mais. Eu não consigo acreditar. –

Ela ficou em silencio, ouvindo minhas composições eu fiz especialmente para ela.

– Eu não achei que você me deixaria comprar um piano pra tocar pra você aqui.

– Você está certo.

Nesse momento percebi uma expressão de dor  lembrei-me de que o efeito da anestesia estava passando.

– Como está o seu braço.

– Está ótimo. –  ela mentia, para não me preocupar, mas eu tinha que lhe trazer algo lembrei de em seu banheiro ter analgésicos.

– Eu vou pegar um Tylenol pra você.

– Eu não preciso de nada – ela tentou protestar, eu a tirei do colo e fui pegar os comprimidos e água.

-Charlie.? – o pai de bela não sabia de minhas visitas noturnas, embora as suas preocupações fossem em vão pois jamais poderia fazer nada relacionado ao que realmente ele imaginaria.

– Ele não vai me pegar. –com minha velocidade, passei silenciosamente pela porta e antes que ela se fechasse estava no com o remédio e um copo com agua, sem discutir ela tomou, realmente ela esta com dor, a canção continuava a tocar no CD Player,

– Está tarde –Levantei –a com um braço para coloca-la na cama, delicadamente pousei sua cabeça no travesseiro, puxei a colcha para cima dela, e a abracei, ela pousou sua cabeça em meu ombro, e suspirou, estava aliviada, estando ali com ela era difícil pensar em como resolver a situação sem que ninguém saísse magoado. Meu amor minha vida, estava ali em meus braços.

– Obrigada de novo – ela sussurrou.

– De nada. – era o mínimo que eu podia fazer tentar reconforta-la, deixa-la calma, depois de colocar sua vida em risco. Estávamos em silencio, a canção de Bella chegava ao fim e a canção que fiz para Esme começou.

Pensei imediatamente em minha família e de como fui egoísta com todos, do que seria certo fazer nesse momento, e do que seria errado, o errado era isso, estar aqui, sempre foi errado, eu sempre soube, já o certo, eu também sabia o que seria, mas era uma opção dolorosa, e  quando estava com Bella era impossível pensar que o certo seria não estar aqui, meus sentimentos traiçoeiros me diziam que estará  aqui com ela sempre é a coisa certa, mas meu lado racional dizia que era errado.

– No que você está pensando? – ela ainda não dormira, e me perguntou, hesitei por um momento,o que falar ?

– Na verdade, eu estava pensando no certo e errado.

– Lembra-se de quando eu decidi que queria que você não ignorasse meu aniversário? – ela sentiu tensão em minha voz, obviamente tentava me distrair.

– Sim – concordei, cautelosamente, o que ela queria agora? Obvio que era algo que me deixaria com mais remorso de decidir o certo.

– Bem, eu estava pensando, que já que é meu aniversário, você poderia me beijar de novo. –luxuria, esse sentimento adormecido a quase cem anos e Bella acendeu esse fogo.

– Você está muito gananciosa hoje.

– Sim, eu estou, mas por favor, não faça nada que você não quiser fazer.

O que eu quero e o que eu devo fazer. São coisas totalmente diferentes, sorri com a ideia,é claro que se eu pudesse nunca parava de beija-la, mas suspirei por pensar que o que eu realmente tenho que fazer.

– Que os céus não permitam que eu tenha que fazer algo que não quero fazer-desesperado por redenção, por piedade de qualquer força maior que existisse,puxei seu rosto, e a beijei, como sempre com muita cautela, mas eu estava ali fazendo errado novamente, o coração de Bella se acelerou, e senti que adiar o certo seria cada vez mais difícil, senti vontade de esquecer tudo o que aconteceu, meu desespero por ela crescia, meus lábios ficaram mais urgentes como se meu suprimento de droga fosse acabar, eu tinha que aproveitar, poderia ser nosso ultimo beijo, segurei seus cabelos macios, seu rosto, ela se agarrou em mim repetindo meu gesto, respondendo a minha urgência, meu corpo pedia por ela, eu a desejava, mas sabia que era errado, seu calor era como uma descarga elétrica em meu corpo gelado, ela se apertou contra meu corpo, mas novamente seu cheiro invadiu minha garganta, me dando cede, e o mostro assassino voltava a sorrir em minha mente, eu tinha que detê-lo, abruto;  afastei-a de mim ela estava tonta e caiu no travesseiro,ofegando. O que eu estava fazendo? Eu tentava decidir o certo e o errado e sempre acabava fazendo o errado.

– Desculpe – eu disse, sem fôlego também. – Isso passou dos limites. – é inacreditável o poder desse sentimento, mas eu teria que decidir o que era certo a fazer.

– Eu não me importo – ela respondeu

Fiz uma careta, aquilo passava da barreira do limite, era insano, imprudente, eu sabia que teria que acabar com aquilo, mas como?

. – Tente dormir, Bella.

– Não, eu quero que você me beije de novo. – como resistir a isso o fogo queimava meu peito de desejo ao mesmo tempo em que minha garganta queimava com a cede.

– Você está superestimando meu autocontrole.

– O que é mais tentador pra você, meu sangue ou meu corpo? – ela me desafiou, esse era o problema nem eu sabia o qual venceria no fim, os dois queimavam meu ser, queria abraça-la a beijar mais e dizer o quanto a amo.

– É apertado –  dei um breve sorriso, era irônico pensar em um ganhador, dentro de mim eu lutava contra o assassino – Agora, porque é que você não para de testar sua sorte e vai dormir?

– Tá – ela concordou,

Fiquei ali esperando que caísse em um sono profundo, eu sabia o porquê dessa urgência por seu corpo, por aproveitar o máximo que podia aguentar, eu sabia que estava chegando a hora de me afastar de meu vicio, de verdadeiramente escolher o certo, não para mim mas por todos.

O certo para minha família, e o certo para Bella

Óbvio que o certo para ela nunca seria estar com um assassino, alguém que a qualquer momento colocava sua vida em risco, alguém que era o risco.

Bella dormiu, fiquei ali a noite não queria ir para casa agora sabia que eles esperavam que eu estivesse bem, mas não estava.

Levantei e fui ate a janela fiquei observando a noite, lembrei-me de como minha existência era antes de conhecê-la, um nada, um abismo,  e isso não estava ajudando em nada eu pensar no certo, pois pensar somente em mim seria egoísmo novamente.

Foquei minha mente em minha família, Carliles, que amava o que fazia no hospital, salvar vidas, Esme tão doce e se sentindo realizada com uma família, tendo os filhos que não pode ter.

Pensei em Alice que desde que se juntou a nos se dedicou a todos, com seu jeito singular de ser, seu esforço em ajudar Jas a se adaptar com nossa dieta, Haa! Jas, pensar em meu irmão e na dificuldade que é para ele se abster do sangue humano, e eu o colocando em uma situação daquelas.

Bella mexe-se na cama, virou e disse meu nome.

-Edward! Edward, não vá.

Senti uma dor aguda em meu peito, oco, era uma sensação nova, desde que Bella surgiu, eu sentia varias sensações típicas de humanos, emoção até então adormecidas em mim, eu a amava, ela me mudara completamente, eu não seria mais o mesmo, sempre existira o Edward de antes e o de após Bella Swam.

Voltei a focar minha mente em outros, em Rose e Emmett, de quantas discussões tiveram por mim, Emmett sempre me defendia, e o clima entre eles estava abalado com isso.

Pensar no certo e no Errado era difícil e doloroso, pois o certo para mim, não era o certo para outros,

Pensar em minha família não estava adiantando muito, pois sabia que por mais difícil que fosse eles sempre dariam um jeito.

Carlile e Esme fariam sempre o possível para me ver feliz. Alice e Jas dariam um jeito, e Rose e Emmett eles se viravam rose tinha varias casas e lugares pra onde ir

Para eles o certo sempre seria eu me sentir bem, apesar de tudo, eles me amavam e fariam tudo que pudessem por mim.

Bela se virou novamente e gemeu

-ai..

Ela estava tendo uma noite inquieta, obviamente com dor, entre tudo que decidi fazer desde que a conheci, uma delas foi nunca a deixar se machucar,

Lembrei-me da primavera, de como ela estava machucada, e de que tinha sido por minha culpa, minha imprudência, mas isso passou, pois sempre se corre riscos, com vampiros nômades.

Mas hoje, com minha família foi diferente, além de ser minha culpa, como poderia sempre estar assim a colocando em risco, e ainda quase lutando com meu próprio irmão?

Pensei em varias alternativas, para nos dois, a levar embora, vivermos só nos dois eu tentaria aguentar, talvez um tempo com ela e minha sede ficaria controlada.

Pensei em pedir que minha família se mudasse e eu ficasse com ela,mas todas essas opções eram impossíveis e improváveis, absurdas, eu sabia o que o futuro de Bella esperava se continuasse comigo, as visões de Alice sempre eram as mesmas nunca mudavam. Somente dois futuros prováveis para Bella swam se continuasse a insistir nessa insanidade, a morte ou ser um monstro como eu, não podia permitir, eu teria que mudar esse futuro, então meu foco assumiu outra direção, a segurança de Bella ,seu futuro, sempre que pensava em Bella, pensava em como foi maravilhoso descobrir o amor, de como me sentia com ela, mas vi o quão egoísta isso era, me enchendo com seu amor.

Ali estava a resposta que eu estava procurando, o que seria o certo para Bella Swam

A resposta a isso estava obvia, só que o leão masoquista não queria enxergar,

Voltei a me sentar a seu lado queria aproveita-la mais um tempo antes de começar a agir certo.

Anúncios