olá a todos em virtude de que eu viajarei nesse feriado. para não deixa-los na mão estou postando a primeira parte do capitulo 2:

Beijos a todos e Bom Feriado e Boa leitura:

2. SUTURA

Carlisle foi o único que permaneceu calmo. Ele usou sua autoridade com chefe de nossa família.

– Emmett, Rose, tirem Jasper daqui.

Sem sorrir pela primeira vez, Emmett balançou a cabeça, ele também expelia de sua mente as incoerências que o cheiro de sangue trazia. – Vamos lá, Jasper.

Jasper lutou contra o aperto inquebrável de Emmett, se remexendo, avançando com os dentes á amostra, os olhos ainda estavam sem razão.

Sua mente ainda estava focada no sangue, fechei os olhos e abri rapidamente, estava envergonhado, se curvei em direção a Bella prendendo minha respiração, ainda estava na defensiva, não sabia como eu mesmo reagiria estando tão perto de seu sangue, por um momento senti o cheiro e rugi, a sede tentava dominar meu ser, em minha mente eu tentava organizar as ideias: Sangue, sede, caça proteção, Bella. Continuei prendendo a respiração.

Rosalie ficou em frente a Jaz e ajudou Emmett a leva-lo para fora, seu pensamento mesmo incoerente com a sede me acusava: “ espero que agora veja o você fez seu egoísta estupido.”           Esme também prendia a respiração e segurava a porta ela suplicava para mim, “Desculpe Edward, não posso, ficar aqui, filho desculpe.”

– Eu sinto muito, Bella – ela lamentou enquanto seguia os outros até o jardim.

Estava em posição de ataque, Carlisle tentava organizar meus pensamentos: “ filho relaxe, bela precisa de cuidados, não vou machuca-la.” Sem sucesso com os pensamentos ele resolveu agir.

– Me deixe passar, Edward – Carlisle falou com autoridade.

Um segundo se passou, e então balancei a cabeça lentamente e relaxei a posição. Meu foco voltou, dei passagem para Carlisle.

Ele se ajoelhou á seu lado, se inclinando mais perto pra examinar seu braço. Ela estava, em choque, e como não estaria ela quase virou a refeição, como eu pude ser tão imprudente e idiota, Rosalie tinha razão em suas acusações.

Alice se aproximava seus pensamentos se dividiam em ajudar Bella ou ir atrás de Jasper, ela estava envergonhada com a situação.

– Aqui, Carlisle – Alice disse o entregando uma toalha.

Ele balançou a cabeça. – Tem muito vidro na ferida. – Ele se aproximou e arrancou uma tira longa e fina da toalha que cobria a mesa. Fez um torniquete.

Realmente, estava feio, mantive minha respiração trancada.

– Bella – Carlisle disse levemente. – Você quer que eu te leve até o hospital, ou você prefere que eu cuide disso aqui.

– Aqui, por favor – Bella sussurrou, é claro que ela queria poupar de Charlie saber.

– Eu vou pegar sua maleta – Alice disse, ela pensava: ”tenho que ajuda-la, também é minha culpa.”

– Vamos levá-la para a mesa da cozinha – “Edward me ajude”, os pensamentos de Carlisle gritavam para mim, ele tentava me tirar do estado de transi.

Levantei Bela, e a levei até a mesa da cozinha, me mantinha calado, qualquer palavra que  dissesse me faria respirar e sentir o cheiro de seu sangue, minha boca se enchia com veneno, a lembrança do gosto doce.

– Como você está, Bella? – Carlisle perguntou.

– Eu estou bem – é claro, ela sempre estava bem, como se algum dia ela pudesse realmente dizer o que sentia, ou devesse sentir, medo, horror, alguma coisa coerente ao que acabou de acontecer. Eu estava ali parado feito uma estatua imóvel sem respirar.

Era extremamente, doloroso, vela assim, machucada com sua vida em risco, por um pouco de sangue.

– Vai, Edward – ela me disse percebendo minha agonia.

– Eu aguento – insisti. Mas usei meu suprimento de ar, e minha garganta ardeu intensamente, meus olhos entregavam a gravidade de minha cede.

– Você não precisa ser um herói  – Carlisle pode cuidar de mim sem sua ajuda. Vá tomar um ar fresco.

Ela gemeu ao receber anestesia, não sei o que é mais forte, se minha cede ou minha insana vontade de estar ao seu lado, e dada às circunstancias acho que minha cede estava ganhando. Mas insistia sempre como um leão masoquista e doente que sou.

– Eu fico –

– Porque você é tão masoquista? – nem eu sei, pensei comigo mesmo, eu era sim um masoquista, e pior ainda estava obrigando a minha família a compartilhar com essa insanidade.

Carlisle decidiu interceder.

– Edward, você deve encontrar Jasper antes que ele vá longe demais, e eu duvido que ele vá ouvir alguém que não seja você agora. ”Filho vá por favor, ele deve estar arrasado, ele deve sentir que te decepcionou.”

– Sim . – Vá encontrar Jasper. Bella usava o mesmo argumento de Carlisle.

– Você deve fazer alguma coisa útil – Alice acrescentou. “Edward, não deixe ele ir embora, por favor, ele esta sofrendo ,não consigo ver seu futuro claramente” A mente de Alice estava conturbada com a incerteza de Jasper, ela temia  uma decisão repentina e que ele fosse embora.

E eu era o culpado por tudo isso, teria que concertar o erro, saí suavemente pela porta de trás da cozinha.

Fui atrás de Jas, que depois de se livrar dos braços de Emmett, correu para depois do riacho, pulei e segui seu rastro, eu era mais rápido que ele alcançaria logo.

Depois de muitos metros o encontrei em uma arvore, fui me aproximando e ele pensava se torturando com o acontecido.

“como pude ser tão, fraco”

“Edward me perdoe, eu consegui evitar, eu devia ter ficado mais longe, e se eu…” Jasper colocou o rosto entre as mãos envergonhando-se das imagens que tinha dele no pescoço de Bella. Essa imagem me causou dor e sede ao mesmo tempo.

-Jas, não estou chateado com você, só quero que volte, sabe que não quero Alice me culpando se você não voltar. – Tentei manter um tom mais descontraído para acalma-lo.

-Edward, eu estava controlado, alimentado, não sei o que aconteceu, quando aquela simples gota…

Não podia deixar ele assim

-Já disse, não vim te culpar, vim me desculpar.

“você , se desculpar? Porque?”

-Edward, não foi você que quase matou a namorada de seu irmão.

-Porque nenhum de meus irmãos é tão idiota em namorar uma humana

-Isso eu tenho que concordar, mas Edward ,realmente, eu estou tentando mas esta sendo tão difícil. – Sabia Jasper não falava só de Bella, ele tem lutado muito para manter nossa dieta vegetariana, e eu ainda complico.

-Principalmente quando seu irmão não ajuda muito

“Edward, não posso deixar você se culpar quando eu é que…”

-Pare com isso, – comecei a gritar agora- pare de se culpar, você simplesmente agiu com sua natureza, como o assassino que realmente somos, apenas instinto, não se culpe, se há algum culpado aqui sou eu, aonde eu estava com a cabeça, você sempre me alertou, e sempre soube o qual difícil é para você e mesmo assim o que eu fiz? Fui egoísta de mais egoísta com vocês, minha família, egoísta com ela a colocando aqui em risco, Jass eu sabia que havia uma possibilidade, ela é humana coisas assim acontecem sempre eles são tão frágeis, e mesmo assim o que eu fiz, coloquei todos em uma situação dessas.

-Edward, fique calmo, – comecei a relaxar e vi que Jasper estava usando seu dom para me acalmar, a que ponto eu cheguei, eu vim aqui para fazer meu irmão se sentir bem e agora era ele que me confortava.

-Jasper, eu prometo vou resolver essa situação.

-Edward, não precisa, vou sugerir a Alice passarmos um tempo viajando, ela vai amar a ideia de uma viagem de compras.

-Não Jasper  hoje eu tive a prova de que não dará certo,

-Claro que dará Edward, tomaremos mais cuidado nas próximas vezes, posso ficar no quarto Alice vai entender..

-Não haverá próximas, eu não posso por ela em risco.

-Eu me afasto, prometo não estar presente quando ela estiver, sei que Alice não vai querer ficar afastada de Bella também, então vou tomar precauções..

-Jasper você não entende não é só você.

– Edward todos estavam controlados .não vi ninguém além de mim tentar ataca-la.

-não atacaram, mas pensaram, eles não podem evitar.

-mas se seguraram.

-o problema não são os outros. – o problema real, Sou EU!

-como?

-quando lutei com você Jass não foi somente para proteger Bella, eu estava defendendo a caça, foi instinto, eu estava com vontade de ataca-la e beber seu sangue tanto quanto você, é isso que não posso suportar, na primavera passada foi James um desconhecido, lidamos com isso, hoje foi você meu irmão é muito mais doloroso,  mas pior que isso eu estou vendo o dia que eu Jasper eu mesmo vou por um fim na vida dela.

-hum entendo! Jasper desceu da arvore colocou a mão em meu ombro, eu sabia que ele sentia minha angustia. – saiba que eu vou dar um tempo, vou viajar com Alice, pense bem Edward não faça nada assim sua angustia pode ser maior longe dela.

Resolvi que era hora de voltar e ver como ela estava, e dizer a Alice que Jasper  estava bem. Quando pulei o rio novamente quem esperava era Rosalie, seus pensamentos eram de acusação:

“e ai seu egoísta, idiota, já deu uma bronca nele, e o fez se sentir mais miserável do que esta ?”

– Rosalie eu não briguei com ninguém fui me desculpar.

-bom mesmo que você saiba que a culpa disso é totalmente sua.

-eu sei

Ela tinha razão sempre teve, mesmo com seus motivos fúteis, Rosalie era a que mais lutava com o que somos e eu coloquei nossa família em uma situação que mostrava exatamente o que éramos: uns monstros.

-não adianta saber e não fazer nada, pior tentar nos obrigar-nos a um teatro ridículo, o que você pensa, se é que pensa, já não é tão difícil tentar viver no meio deles você quer esfregar em nossa cara..

-ROSE !! Emmett chegou e interrompendo suas acusações- ele já deve estar mau o suficiente não precisa disso.

-claro você sempre o defende você também gosta daquela pirralha.

-sabe que não é assim Rose, ele a ama, nada mais justo do que querer que ela faça parte da família, você deveria entende-lo não bombardeá-lo com acusações.

-Família? Nos deixamos de ser uma família desde que ele decidiu empurrar essa humana dentro de nossas vidas, se é que é uma vida isso?  Veja primeiro nós tivemos que ir embora, agora Jasper, aonde esta a família? Ele é egoísta de mais pra pensar nisso…

-ROSE! CHEGA! – Emmett estava gritando, não podia deixar isso seria mais uma coisa que seria culpa minha.

-Emmett deixe, ela tem razão.

“é bom que reconheça pelo menos” Ela cruzou os braços.

-eu prometo resolver isso, só não prometo voltar ao que era antes, mas vou resolver.

-pois bem voltar não tem como mesmo – Rosalie virou as costas e saiu em direção a floresta, estava pensando em caçar, o cheiro do sangue ainda estava deixando-a com sede.

-sinto muito cara, sei que esta sofrendo mas… Ele pensava em sair atrás de Rose.

-pode ir, vá falar com ela, “tenho que me desculpar”

_ROSE espere !!!  Emmett saiu atrás de rose,

Sabia que rose estava certa, eu estava destruindo minha família, e pior iria destruir a vida dela, Alice só via dois futuros de Bella comigo, ou ela morta ou transformada, essa visão nunca mudava, teria que dar um jeito.

Cheguei próximo a casa e percebi o cheiro forte de alvejante vindo da sala

-Esme deixe comigo. – Esme limpava o sangue perto do piano.

-pode deixar filho, há muito sague de Bella ainda, você se sentiria desconfortável.

Esme era como uma verdadeira mãe, ali limpando a bagunça de uma traquinagem de seu filho, vi que ela também prendia a respiração e mesmo assim preferia se sacrificar a deixar eu sofrer, o que eu estava fazendo com minha família? Todos exceto Rose se culpavam por algo que era de extrema culpa minha, me senti como um filho rebelde e egoísta, que quer a todo custo algo, mesmo que custe a felicidade de todos.

Fui me dirigir até a cozinha inalei um pouco de ar ainda tinha cheiro de sangue escutei Carlisle lhe contando as crenças sobre a alma, Carlisle tinha consciência de nosso estado condenado, mas acreditava que havia uma esperança, algum sentido após nossa existência,  é claro que eu não concordava com esse absurdo, nós monstros sem alma, ouvi Bella concordar com ele, é claro ela nos via de outro ângulo, ela acreditava na mentira, nesse teatro de vampiros bons, sei que existe um Deus e ate um paraíso, acredito sim, mas não para nós. Era isso que me impedia de tornar as coisas mais simples, tirar de Bella essa esperança, não, eu nunca poderia.

Bella não sabia até aquele momento a minha real preocupação, e pela sua indiferença, creio que não dava a mínima, mas quando confrontada na situação inversa percebi que ela faria o mesmo. O cheiro de sangue ainda estava forte então decidi esperar mais um pouco, fui ate a entrada respirar mais um pouco de ar fresco, Alice se aproximou cautelosa.

“ Esta muito chateado comigo?”

-Alice você sabe que não estou chateado.

“E Jass? Como esta? não consigo ainda ver seu futuro claramente.”

-Calma Alice, ele esta bem, se acalmou, talvez ele queira viajar com você, ele disse que te levaria as compras.

“mas eu não quero agora, eu e Bella estamos se dando tão bem”

-Alice, Jass precisa mais de você.

-tudo bem, umas compras seriam ótimas, vocês andam repetido roupas de mais, talvez ver alguns desfiles, ate conhecer estilistas novos. – Alice tentava ser descontraída para me distrair, mas sua mente via minhas decisões difusas.

-Edward, pare de pensar bobagens.

-Alice vá falar com Jasper!

“ eu vou, mas já volto pra ver como Bella esta’

Alice era sempre tão animada ate diante de situações ruins, senti o cheiro de algo queimando e percebi que estavam terminando.

– Eu acho que devia te levar pra casa agora. – Carlisle sugeriu

– Eu faço isso – interrompi entrando na cozinha, bem devagar para me certificar de o ar estava seguro, tentei esconder minha vergonha, minha mente estava cheia de decisões, o que eu iria fazer, ainda sentia cheiro de sangue, olhei para roupa de Bella estava muito suja de sangue, minha garganta ardia muito.

– Carlisle pode me levar – ela disse talvez percebendo como eu estivesse perturbado, teria que fingir melhor não queria preocupá-la, ela já tinha passado por muita coisa

– Eu estou bem – respondi – Você vai precisar se trocar, de qualquer jeito. Você vai fazer Charlie ter um ataque do coração desse jeito. Eu vou pedir pra Alice

te dar alguma coisa. – sai para fora ver se Alice arrumava algo para ela, ela já estava vindo em minha direção: “ acho que vi que alguém precisa se trocar”

-Sim Alice você viu certo.

“ eu nunca me engano”

-hoje você se enganou, você disse que ia ser divertido,

-”Edward, não foi culpa minha, eu não posso prever acidentes assim, você sabe, minhas visões se baseiam em decisões,”

-desculpe Alice, a culpa é só minha,

“ pare com isso, não seja tão melodramático, já esta tudo bem. Eu vou viajar e fazer compras, “ Alice batias palmas e pulava, tentando deixar o clima mais leve.

-Nunca estará tudo bem Alice, nunca mais.

Entramos na casa e Alice foi vestir Bella, eu estava o mais distante ate ela se livrar daquele sangue.

– Vamos – Alice disse. – Eu vou arranjar algo menos macabro pra você usar.

Alice a levou ao andar de cima. Bela tentava especular como a situação estava. Sussurrava mas meus ouvidos eram muito bons e ouvi toda conversa.

“- Alice –

– Sim? –

– É muito ruim?

– Eu ainda não tenho certeza.- “ As visões de Alice quanto as minhas decisões ainda eram muito indistintas.”

– Como está Jasper?

– Ele está muito descontente consigo mesmo. Ainda é um grande desafio pra ele, e ele odeia se sentir fraco.

– Não é culpa dele. Você vai dizer que eu não estou com raiva dele, nem um pouco, não vai?

– É claro.”

Carlisle se aproximou tentando entender meu estado.

-Filho, como esta? ”você esta tão distante.”

-Estou tentando achar uma saída, resolver a bagunça que eu fiz.

“sei que irá resolver tudo, conte comigo em qualquer decisão”

Carlisle tinha uma confiança em mim que eu não merecia esperei Bella na porta da frente, ela desceu, olhei para ela não disse nenhuma palavra, segurei a porta aberta, então escutei os pensamentos de Alice.

” calma ai ela tem que levar os presentes”

Alice não parecia perceber a gravidade da situação ou apenas tentava distrair.

– Pegue as suas coisas! –

“Ela colocou todos os embrulhos no braço de Bella, -” você não vai ajudar? “

Ignorei esses presentes só me faziam lembrar o desastre dessa noite, alias, ela nem os queria.

– Você me agradece depois quando os tiver aberto.

Esme e Carlisle deram uma boa noite em voz baixa. Eles olhavam me advertindo: “ não seja rude filho,” esme pensava “ ela passou por muita coisa hoje”

Eu queria era tirar Bella dali o mais rápido possível.

Bella andou rapidamente em direção ao carro e parou ao lado da porta do passageiro, abri para ela, quando fui dar a volta a vi tirar a fita do som, como se fosse isso a me irritar, ela nem imaginava, que minha irritação vinha de mim mesmo de como fui egoísta, em trazê-la aqui, em fazê-la passar por isso.

Não olhei para o som e nem para ela, não podia encara-la, estava envergonhado de mais, acelerei o máximo que o motor da chev aguentava, o motor estourava, permanecíamos em silencio.

– Diga alguma coisa – ela foi que quebrou o silencio

– O que você quer que eu diga? – não conseguia controlar o tom da minha voz, as palavras saíram como sopro com tom de acusação.

– Diga que me perdoa.- ela se encolheu, como se fosse ela a culpada. Absurdo, ficava com raiva de mim mesmo.

– Perdoar você? Pelo que?

– Se eu tivesse sido mais cuidadosa, nada disso teria acontecido. –  Bella estava se culpando agora, enojado eu estava, minhas mãos agarravam o volante e se eu não me controlasse poderia arranca-lo.

– Bella, você se cortou com papel, eu duvido que isso mereça uma pena de morte.

– Ainda assim é minha culpa.

Como ela podia pensar assim o que ela podia fazer, se estivesse entre humanos normais ela estaria bem.

– Sua culpa? Se você tivesse se cortado na casa de Mike Newton, com Jéssica e Angela e os seus outros amigos normais, o que poderia ter acontecido de tão horrível? Talvez eles não tivessem encontrado um curativo? Se você tivesse tropeçado e esbarrado numa pilha de pratos de vidro – sem que alguém tivesse te jogado em cima deles, mesmo assim, o que seria tão ruim? Você derramar sangue no banco do carro enquanto eles te levavam pra o pronto socorro? Mike Newton poderia ter segurado a sua mão enquanto eles te davam os pontos- e ele não precisaria lutar contra a ânsia de te matar enquanto estivesse lá dentro. Não tente jogar isso pra cima de você, Bella. Isso só vai me deixar ainda mais enojado comigo mesmo. -Era patético, eu nem pude estar presente enquanto Carlisle cuidava dela, eu poderia ter matado ela por simplesmente uma fração de segundos.

– Como diabos Mike Newton veio parar nessa conversa?

– Mike Newton veio parar nessa conversa porque seria muito mais saudável pra você estar com Mike Newton – Odiava admitir isso, mas ela teria que ter companhias melhores do que vampiros.

– Eu preferia morrer do que ficar com Mike Newton – ela insistia- Eu prefiro morrer do que ficar com uma pessoa que não seja você.

– Não seja melodramática, por favor.

– Tudo bem então, não seja ridículo.

Eu ridículo? Eu fui ridículo ate agora, um egoísta, mas eu teria que achar uma solução, fiquei olhando a noite, não queria falar mais nada que a magoasse, e não queria ouvi-la se sentindo culpada, todos estavam fazendo isso quando o único culpado era eu.

Parei em frente a sua casa, desliguei o motor, mas continuei com as mãos no volante, tive que usar toda minha concentração pra não quebra-lo em minhas mãos com a raiva que sentia de mim mesmo.

– Você vai ficar essa noite? – ela perguntou, e toda minha concentração em acabar com aquilo se esvaia.

– Eu devia ir pra casa. – Não queria prolongar aquilo, não queria que fosse mais doloroso.

– Pelo meu aniversário – agora ela queria comemorar, irônico!

Eu não conseguia lhe negar nada, e ali longe de tudo, eu e ela, era como se fosse um episodio banal, trivial, que poderia ser superado.

Continua……..

Anúncios