Para vocês a continuação do primeiro capitulo…

Passem no blog da Lana Aguiar esse fim de semana terá um capitulo surpreendente de ” Os Caçadores.”

Para quem gosta de trilhas sonoras para suas leituras, como eu, aguardem nos capítulos seguintes de “Starless Nigth”, irei divulgar as musicas que me inspiraram a escrever os momento de Reflexão de Edward.

Beijos e Boa leitura:

****************

Em sua primeira visita a minha casa, no gabinete de Carlilsle, havia lhe mostrado varias pinturas que retratavam partes do passado, e uma delas estava pintado, Aro, Caius, e Marcus, mas eu não usei o nome volturi usei uma expressão  diferente , os patronos noturnos das artes,  mas bela era inteligente e rápida, lembrou-se na hora.

– De qualquer forma, você não deve irritar os Volturi – Continuei. – Não a não ser que você queira morrer, ou o que quer que seja o que nós fazemos. –

Ela teve uma reação inesperada como sempre, segurou meu rosto, creio eu, com toda sua força humana, e olhou desesperada em meus olhos.

– Você não deve mais pensar nisso nunca, nunca, nunca mais!  – Não importa o que possa acontecer comigo, você não tem permissão pra se machucar!

Era injusto, ela se sentir assim com relação a mim, eu jamais conseguiria viver em mundo sem ela, Carlisle havia dito varias vezes que Bella tinha me mudado por completo, e que eu não seria nunca mais o mesmo, mas não conseguiria voltar a ser o que era nem que tentasse,  algum dia e isso aconteceria, por mais que eu a protegesse, os humanos não duram para sempre, e se ela não existisse nesse mundo, eu não queria existir, então eu colocaria um fim em minha existência.

– Eu nunca vou te colocar em risco de novo, então isso é inútil. – Em quanto eu puder vou sempre mantê-la segura, custe o custar.

– Me colocar em risco! Eu pensei que já tínhamos estabelecido que a má sorte é minha culpa!  Como é que você ousa pensar em uma coisa dessas? – Então em uma tentativa de tentar faze-la entender meus argumentos fiz uma suposição.

– O que você faria se a situação fosse contrária? –.

– Não é a mesma coisa.- Não como ela pode pensar assim è claro que era, isso se não fosse maior, bela não podia imaginar a intensidade de meu amor por ela, eu vivia em uma noite escura, hoje eu era iluminado por Bella Swan, tive que gargalhar, mas ela continuou.

– E se alguma coisa acontecesse com você? –  Você ia querer que eu me matasse?

Aquele pensamento foi como uma punhalada, em meu peito, que era oco sem a ausência de batimentos, mas desde conheci Bela era como mesmo sem bater meu coração estivesse lá, e se ela não existisse esse fraco traço de vida morreria também.

– Acho que entendo seu ponto de vista… Um pouco – tive de admitir. – Mas o que é que eu faria sem você?

-O que quer que você fizesse antes de eu aparecer e complicar a sua existência.

Nada, pensei minha vida antes de Bela era simplesmente um nada, eu não via razão nela, vivia em um estado de inercia, se eu não tivesse o amor de minha família, já teria posto fim nessa existência a muito tempo, mas depois de Bela eu vi razão, eu vi amor, vi humanidade aonde não havia nada.

– Você faz parecer tão fácil. -Como ela podia fazer aquilo.

– Devia ser. Eu não sou assim tão interessante. – Não ela não é simplesmente interessante, ela é tudo, tudo que algum dia eu nem cheguei a sonhar que poderia ter.

Estávamos quase discutindo, era um absurdo, Bela não se via direito, quando eu escutei a viatura de Charlie virar a esquina então me sentei ao seu lado , ajeitei ela para que ficássemos em uma posição mais conveniente. Bela imediatamente entendeu minha atitude.

– Charlie? –

Sorri, ela conseguia ser rápida com sua mente, que era um enigma para mim, como queria poder ter acesso a seus pensamentos, a entenderia melhor.

Ela não gostava da distancia, puxou minha mão e segurou firme, acho que mãos dadas o chef Swan não reclamaria.

Charlie entrou com uma caixa de pizza nas mãos.

– Oi, crianças – ele sorriu pra Bela. – Eu achei que você gostaria de uma folga da cozinha e dos pratos e pelo seu aniversário. Com fome?

Charlie era discreto, ate em seus pensamentos, deu uma breve olhada em nossas mãos, mas não teve nenhum pensamento maldoso,  ele não comentava, mas estranhava minha falta de apetite: “ deve ser por isso que é tão pálido, não come direito.”

– Claro. Obrigada, Pai.

Alice já tinha conversado com Charlie mais cedo e explicado seus planos, Charlie não se opôs ele gostava de Carlisle, e de Alice, e pensava que era bom para Bela se relacionar com mais pessoas, Quando eles terminaram de jantar eu pedi formalmente:

– Importa-se se eu pegar Bella emprestada hoje á noite? –

Charlie não se opôs, ele sabia de nossos planos para hoje.

– Tudo bem, os Mariners vão jogar contra os Sox hoje. – – Então eu não vou ser uma boa companhia… Aqui. – Ele levantou a câmera que a deu, e jogou para ela, é claro que Bella não pegaria ela não tinha uma boa coordenação, escorregou na ponta de seu dedos, Por um impulso eu a peguei antes que espatifasse no chão. Charlie era reparador, exatamente como Bella,  ele não deixou de reparar na minha rapidez.

“Como ele pegou tão rápido, esse menino sempre me surpreende.”

– Bela pegada  – Se eles vão fazer alguma coisa divertida essa noite na casa dos Cullen, Bella, você devia fotografar. Você sabe como sua mãe é… Ela vai querer ver as fotos antes que você possa tirá-las.

– Boa ideia, Charlie – Disse tentando distrair os pensamentos de Charlie, passeia a câmera para Bella,

Ele se virou para mim e vi um flash, ela tirou uma foto minha.

– Funciona. – Ela disse animada.

– Que bom. Ei, diga olá pra Alice por mim. Já faz algum tempo que ela não vem aqui –  Ele gostava muito de Alice.durante a recuperação de Bella na primavera passada, ela precisou de cuidados, que para um pai seria constrangedor, e Alice se ofereceu para ficar aqui, é claro que no período noturno eu trocava o posto com ela, sem é claro o conhecimento Charlie.

– São sós três dias, pai –

– Eu digo a ela. Respondi a Charlie

– OK. Divirtam-se crianças. – Obviamente estávamos sendo dispensados.

Charlie já estava indo em direção á sala e á TV.

Sorri triunfante, eu tinha conseguido, peguei a mão de bela, não era tão difícil, faze- lá mudar de ideia no futuro talvez conseguisse meu objetivo da faculdade. A puxei  com um entusiasmo muito grande, seria a noite perfeita. Fomos até sua Chev  pré-histórica, que tinha um limite de velocidade que seria entediante se eu não estivesse com a melhor companhia do mundo. Pisava fundo, o motor da Cheve rugia em protesto a minha tentativa de maior velocidade.

– Vai com calma – ela implorava. Então tentei argumentar mais uma vez a questão de um carro novo.

– Sabe o que você adoraria? Um pequeno Audi coupé. Bem quieto, muita força…ela me interrompeu como se fosse uma afronta, não entendia o que ela gostava tanto daquela lata velha

– Não há nada de errado com a minha caminhonete. E falando de coisas caras e sem importância, se você sabe o que é bom pra você, você não gastou dinheiro com presentes de aniversário.

Eu não a entendia, mas respeitava seus desejos, eu fiz algo melhor  e pelo que eu já conhecia de sua personalidade meu presente estava a altura do que ela gosta.

– Nem um centavo – disse virtuosamente.

– Bom.

– Você pode me fazer um favor? Lembrei- me de que Bella tinha certas  reações a coisas que não gostava e sabia o quanto minha família estava empolgada com essa festa, todos  tinham se preparado, Emmett que estava viajando com Rosalie em um tipo de safari de caça na África,  interromperam a viagem para estar aqui, Rosalie queria agradar a Emeett que estava empolgado em ver Bella, meu irmão tinha uma admiração pelas reações de Bella, como ser desajeitada e corar muito quando esta sem jeito.

– Depende do que é.

Fiquei sério para ela perceber a importância do momento.

– Bella, o último aniversário de verdade que um de nós teve foi Emmett em 1935. Poupe-nos um pouco, e não seja tão difícil essa noite. Eles estão todos muito excitados.

Todos amavam Bella, pois segundo minha família finalmente eles viram um pouco de felicidade em mim, depois de séculos, exceto por Rosalie todos sempre deixavam ela bem a vontade, mas hoje ela estaria lá.

– Tá certo, eu vou me comportar.

– Eu provavelmente devo te avisar…

– Por favor, avise.

– Quando eu digo que estão todos excitados… eu quero dizer todos eles.

– Todo mundo? – eu asfixiei. – Eu pensei que Emmett e Rosalie estivessem na África.

– Emmett queria estar aqui.

– Mas… Rosalie?

– Eu sei, Bella. Mas não se preocupe, ela vai se comportar bem.

Rosalie estava mais conformada com minha escolha .Certo que Rosalie decidiu viajar, para não ficar dando de cara com Bella, mas hoje ela prometeu não estragar a festa, espero Bella também cooperar com o clima.

Decidi mudar de assunto deixar Bella mais a vontade coma situação:

– Então, se você não quer me deixar te comprar um Audi, tem alguma coisa que você queira de aniversário? As palavras saíram num sopro da boca de bela.

– Eu sei o que eu quero.

E eu sabia bem, e preferia ficar no assunto de Rosalie, me doía muito saber que seu maior desejo seria ser um monstro como eu.Eu sentia que havíamos tido muita discussão hoje.

– Hoje não, Bella, por favor.

– Bem, talvez Alice me dê o que eu quero.

Rosnei, ela nunca desiste, é teimosa de mais.

– Esse não vai ser o seu último aniversário, Bella.

– Isso não é justo!

Cerrei os dentes, oque seria justo para ela? Eu tirar dela algo tão importante.

Parei em frente a casa, escutei os pensamentos de todos animados:

Esme: “ eles chegaram, será que ela vai gostar?”

Alice: “è claro que vai, esta tudo lindo!”

Emmett: “ Onde ela está? Quero ver só a cara dela ao ver tudo isso, aposto que vai ficar bem corada!”

Luzes claras brilhavam de todas as janelas nos dois primeiros andares. Uma longa fila de lanternas Japonesas estava pendurada nos arcos do portal da entrada, refletindo um leve brilho que vinha das enormes árvores que cercavam a casa. Grandes vasos de flores – rosas cor de rosa – enchiam a larga escadaria que levava até a porta. Bela gemeu, Emmett tinha razão, ela iria ficar envergonhada, e coraria, ele ficaria animado com isso.

Respirei  fundo algumas vezes pra se acalmar também.

– Isso é uma festa – lembrei-a . – Procure levar na esportiva.

– Claro –

Dei a volta para abrir a porta estendi a mão para sua, Bela segurou minha mão.

– Eu tenho uma pergunta.

Esperei, pela bomba, cautelosamente, Bela sempre me surpreendia com suas perguntas.

– Se eu revelar esse filme – ela disse, brincando com a câmera nas mãos – Você vai aparecer nas fotos?

Tive rir dessa, fiquei mais aliviado, ajudei ela a descer do carro, Eles estavam todos esperando na enorme sala de estar branca; quando Bella passou pela porta eles a receberam com um enorme coro de “Feliz aniversário, Bella!” ela realmente corou, para divertimento de Emmett, mas seu olhar de fuzilamento foi para Alice.

“Eu sabia, ela fica tão engraçada corada.” Emeett escondia um sorriso.

Alice se superou dessa vez! Mas estava tudo perfeito, teria que agradece-la depois.  Bella por outro lado estava muito nervosa. Senti seu Estresse, passei o braço em sua cintura para encoraja-la, e beijei o alto de sua cabeça para acalma-la.

Esme e Carlisle estavam próximos à porta, Esme com muito cuidado, prendeu a respiração e a abraçou, e deu um beijo em sua bochecha, quente pelo sangue presente ali, mas Esme estava perfeitamente controlada, tínhamos todos nos preparado para essa noite. Carlisle, era o que menos tinha problema com isso, anos de pratica com o sangue humano, a abraçou, e se desculpou por Alice.

– Desculpe por isso, Bella – ele meio que sussurrou. – Nós não pudemos deter Alice.- Mas quem podia? Pensei.

Rosalie e Emmett estavam atrás deles. Rosalie não sorriu, mas pelo menos não encarou, Bella.

“ Que bobagem tudo isso.” Ela somente resmungava em sua mente, sabendo que eu a ouviria.

O rosto de Emmett estava envolvido num enorme sorriso. Já fazia meses que ele não via Bella, então deu um abraço. Quase que de urso em Bella. “ Ela é tão pequena que um único aperto posso esmaga -lá.” Deixei passar esse seu pensamento.

– Você não mudou nada – Emmett disse com falso desapontamento. – Eu esperava ver uma diferença notável, mas aqui está você, com o rosto vermelho como sempre.

– Muito obrigada, Emmett – ela ficou ainda mais vermelha.

Ele sorriu. – Eu tenho que sair rapidinho – ele piscou eminentemente pra Alice. – Não faça nada engraçado até eu voltar.

“ Vi na mente de Emmett que ele iria preparar sua própria surpresa, ele teve imagens de Bella tropeçando, e ele queria ser o primeiro a presenciar algo assim.”

– Eu vou tentar. Bela Respondeu.

Alice soltou a mão de Jasper e se aproximou…

Jasper sorria também, mas continuou distante. Ele se encostou, no pilar no início da escadas.

Jasper era o que tinha mais problemas em conviver com humanos, e eu tive que adverti-lo para ser cuidadoso. Posso ter exagerado. Ele estava com sua respiração presa, e pensava:

“ Eu não vou ataca-la Edward, não se preocupe, estou bem.”

Assenti  levemente, mas ele continuou ali. Alice percebeu meu olhar para ele, e me fuzilou com os olhos

“ Edward, pare com isso Jass esta bem, ele já te provou varias vezes que se controla com Bella.”

Alice quis que o clima focasse mais leve.

– Hora de abrir os presentes – Alice declarou. Ela puxou levemente Bella até a mesa com o Bolo. Bella fez uma cara de mártir, Parecia estar sendo levada para um abatedouro, é claro que seria quase isso em meio a tantos vampiros, tirei as ideias macabras de minha mente, hoje tudo ia dar certo.

– Alice, eu sei que te disse que não queria nada.

– Mas eu não te ouvi – interrompeu presumida. – Abra. – Ela pegou a câmera das  mãos de Bella e a trocou pela caixa que era o presente de Emmett. A caixa estava vazia, Emmett estava instalando agora o sistema de som que comprou, junto com Jass e Rose.

Bela sentiu a leveza da caixa, e a abriu, percebi sua cara de surpresa. Ela ficou com uma expressão engraçada, não consegui decifrar  o que ela estava imaginando.

– Um… Obrigada.

Rosalie realmente sorriu. Jasper gargalhou. – É um som para a sua caminhonete – ele

explicou. – Emmett está instalando agora mesmo pra que você não possa devolver.

– Obrigada, Jasper, Rosalie – Confesso que até eu fiquei surpreso, Rose realmente ajudou a escolher o presente.

Ela sorriu estava tão corada, Emmett estava terminando, ele ouviu a reação de bela, mas perdeu a melhor parte, a de ver sua expressão.

Minha família estava se divertindo realmente, e Bella também, eu estava aliviado, meus medos estavam se dissolvendo.

– Obrigada, Emmett! Ela disse em um tom mais alto para Emmett ouvir.  Ouvi a risada expansiva dele na caminhonete, Bella riu, e não pude evitar de rir também.

Eu estava em extremo êxtase, Bella estava ali. No meio de uma família de vampiros, agindo extremamente  bem e minha família com a presença de uma humana estavam tranquilos não senti ninguém desconfortável com a sede, a única ainda relutante com a situação era Rose, mas isso era suportável, até Jass estava completamente controlado. Era um quadro perfeito, tive nesse momento um deslumbro, de que aquilo realmente daria certo, poderíamos conviver em paz, uma família, Alice me olhou “ agora é a hora da grande surpresa, Edward!”

– Agora abra o meu e o de Edward – Alice disse, ela estava tão excitada que sua voz era só um ruído alto de alegria. Ela segurou nosso presente  nas mãos. Trabalhamos duro nele por varias semanas, algo que esperava agradar-lhe. Bella se virou e me encarou, com um olhar de acusação, mas não fugi a nenhuma regra de gastos.

– Você prometeu.

Emmett entrou por adentro. – Bem na hora! – ele disse alegremente. Ele se empurrou atrás de Jasper, que também tinha chegado mais perto que de costume pra dar uma boa olhada. Todos sabiam do meu empenho, em fazer eu mesmo o presente, Alice me ajudou,

– Eu não gastei um centavo – ela só não sabia os gastos em construir uma sala acústica, e um estúdio, mas isso foi por conta de Alice, que argumentou ser útil em algum momento futuro.

Tirei  uma mecha de cabelo de seu rosto, meus dedos sempre queimavam ao passar por sua pele quente, ela inalou fundo, e ficou bem mais vermelha.  Ela estava se rendendo, isso era esplendido, minha felicidade estava além das expectativas.

– Dê pra mim. – Ela pediu a Alice , que entregou o pequeno embrulho. “ Viu, Edward, ela está feliz, esta gostando de tudo, e você e seus medos bobos”

Emmett gargalhou deliciado.” Eu sabia que era fingimento, ela esta amando ganhar presentes, esta tão vermelha quanto uma pimenta”.

Eles tinham razão, eu estava com medo à toa, ela estava gostando, eu estava gostando, estava tudo perfeito.

Ela pegou  o pequeno pacote, rolando  olhos pra mim, enquanto colocava o dedo na boda do papel e o puxava por baixo da fita.

Nesse instante senti o cheiro, que atiçou meus extintos, mas um pensamento me fez ter outro foco:

“Sangue.” Todos pensaram juntos, Mas o Pensamento de Jasper era o mais forte”Sangue Humano”

– Droga – Bela murmurou, percebendo um pequeno corte no dedo, feito co o papel.

Uma pequena gota de sangue saia do pequeno corte. Foi o que bastou. Depois disso, tudo aconteceu muito rápido.

– Não! – Rugi alto para Jasper que se jogava em cima de Bella, empurrei Bella que caiu em cima da mesa, que estupidez, a mesa estava cheia de pratos e objetos cortantes, o cheiro do sangue de Bella ficou mais forte, meu foco sumiu por uma fração de segundos, e Jasper grunhiu mais forte, e lutou pela perda de sua presa, ele chegou perto e seus dentes quase me atingira, ele era ágil e forte, tinha uma grande experiência em lutar com outros vampiros, certamente em uma luta só eu perderia, se não fosse por meu dom de prever sua reação por frações de segundos , sua mente estava tomada pelo extinto de caça, ele não raciocinava, só agia, “sangue, sangue humano,” era o único pensamento em sua mente , enquanto o sangue de bela se espalhava pelo carpete branco, tive que lutar contra meu próprio extinto de caça.

Emmett pegou Jasper por trás no outro segundo, prendendo ele no seu volumoso aperto de aço, mas Jasper lutou com ele, seus olhos, selvagens, vazios, só se focavam somente em Bella, estava difícil se concentrar, o cheiro do sangue de Bella estava cada vez mais forte, tentei focar minha mente antes que não fosse só Jasper a tentar ataca-la ,mas eu estava vendo a hora em que eu mesmo poderia pular e ataca-la ali, minha sede aumentava, minha garganta ardia, e outro extinto me dominou, o de proteger a minha presa, me vi atacando minha família e logo atacando Bella, com toda minha força tive que focar que era Bella.

Ela estava ali, caída ao lado do piano, com seu sangue escorrendo, e todos nós estávamos a encarando, todos com olhos negros, de sede, em todas as mentes uma só palavra um pensamento  ecoava, “sangue” por frações de segundo até em minha mente essa palavra ecoava, esse desejo de saciar a sede, mas era Bela ali caída a Minha Bela eu a coloquei ali, a joguei aos leões famintos,  uma humana sangrando em  frente a seis vampiros repentinamente febris de sede e  vorazes.

Anúncios