Completo

Atenção esclarecimento:

“- Você esta parecendo o Embry quando deu de cara com a Jenny! – a risada dela aumentou e de repente parou ao arregalar os olhos pra mim – Aconteceu daquele jeito pra gente também? Ai meu Deus foi tão hilário ver aquilo acontecendo Embry e Jenny se olhando como se fossem derreter.. eca!

– Foi exatamente do mesmo jeito a única diferença é que eu não pude te jogar numa parede mais próxima 5 minutos depois.. – agora era eu que ria alto enquanto ela fazia uma careta.

– Ainda bem essa é a parte mais eca da impressão deles! Eles nem sequer se conheciam urgh!”

A cena acima é citada no cap 10 de Caminhos, originalmente quem teve o Imprinting com a Jenny foi o Seth, porém, como eu não me lembrava desse detalhe e uma leitora fez a gentileza de me lembrar, fiz esta pequena modificação substituindo o Seth pelo Embry, pois já tracei um roteiro importante pra Seth em Eternal Flame… Espero que compreendam. Já alterei o cap 10 de acordo com o que está escrito acima.

2012 traz grandes emoções nesta fic que vcs tanto amam!!!

Beijiiiinhos! =D

13. Aurora

Mãe é com muita angustia que lhe escrevo estas linhas, mas eu preciso partir.
Encontrarei um lugar saudável para dar a luz a meu filho, essa casa com todos esses segredos, se tornou um lugar obscuro e não é mais sadio para nós.
Saiba que amo muito todos vocês, porém, preciso de um tempo pra pensar, organizar minhas prioridades e minha única prioridade neste momento é Adan.
Não me procurem, estarei bem, não se preocupem comigo, terei meu bebê onde ninguém possa se ferir e nossa presença não seja um infortúnio.
 
Ps.: Diga ao Jacob, que jamais esquecerei o que vivemos.
 
Preciso terminar por aqui antes que a coragem me abandone.
 
Adeus.
 
Renesmee Carlie Cullen Black.
 
 
 

Quatro meses haviam se passado e não tivemos nenhuma notícia do paradeiro de Nessie, se Carlisle estivesse certo a essa altura ela estaria prestes a dar a luz. Eu estava quase enlouquecendo sem notícias, meus dias eram longos e intermináveis. Adan continuava a bloquear nossos poderes, Alice não via absolutamente nada a respeito de Ness, Edward tão pouco e a distancia, nem mesmo sua poderosa mente poderia captar os pensamentos da filha, a única saída era monitorar os Volturi, se eles a encontrassem nós também a encontraríamos.

Charlie ficou furioso ao saber que Nessie estava grávida e sozinha, queria me matar por engravidar sua garotinha, expliquei a ele que estávamos casados, mas não foi suficiente para convencê-lo, se pudesse me mataria com as próprias mãos. Estava certo de que ela fugira por minha culpa e eu não poderia deixar de concordar com isso, afinal, não fui capaz de ir atrás dela naquele dia da tempestade. Se tivesse insistido em convencê-la, nada disso estaria acontecendo. Foi tudo culpa minha. Há essa hora quem sabe o que esta acontecendo com Renesmee, sozinha em algum lugar do mundo, com os Volturi prontos pra eliminá-la a uma única ordem e eu aqui de mãos atadas.

Já li aquela carta incontáveis vezes e toda vez que relia meu coração parecia se despedaçar, aquelas palavras angustiadas, a letra dela naquele papel marcado e borrado pelas lágrimas que derramou enquanto escrevia aquelas linhas, imaginar o sofrimento de Nessie me rasgava por dentro e a minha total inutilidade só fazia aumentar. A única maneira de ter notícias se daria com a última coisa que queria que acontecesse se o preço que tenho que pagar para Aro nunca colocar as garras nela era não mais vê-la, pagaria sem pestanejar, por mais que isso custasse minha própria vida.

– Jake, não pode ficar desse jeito cara – Seth se aproximou. – ela vai acabar voltando.

– Não vai. Ela acha que eu não quero o nosso filho e se ela for só um pouquinho parecida com a mãe, sei que não voltará. – Seth sentia a minha angustia, coisa de lobo sabe. Assim como eu também sentia a preocupação dele – Não precisa se preocupar com a Leah Seth, ela está melhor que todos nós juntos.

– Sei não Jake, o que nós sabemos a respeito desse tal Narciso? O cara aparece do nada e de repente a Leah tem imprinting com ele – Seth estava com ciúmes – Não é ciúme e você sabe muito bem disso – maldita mente de lobo! Nem meus pensamentos são só meus.

– Não vejo outo motivo pra tanta desconfiança, você viu que o cara ajudou a Nessie, por que ele faria isso se não estivesse do nosso lado?

– Já disse Jake, eu não sei. Só sinto que ele esconde alguma coisa. – falou desconfiado – e quer saber do que mais, ela não tinha nada que ter um imprinting com um sangue suga.

– Não me vem com essa Seth, sabe muito bem que não podemos controlar esse tipo de coisa.

– Nem com um imprinting eu ficaria com uma sangue suga.

– O que você quer dizer com isso? Achei que gostasse deles.

– Sem ofensas Jake, no seu caso é diferente, ela é meio humana. E eu gosto dos Cullens, minha aprovação não se estende aos demais.

– Sei não Seth, acho que não deveria brincar com algo que não conhece, você não tem ideia da força que o imprinting tem sobre agente. A Leah está feliz e é isso o que importa. Não se meta nesse assunto, você mais do que ninguém sabe como ela sofreu pelo San.

– Eu sei Jake mais… – aquela história já estava me cansando e não nos levaria a lugar algum.

– Sem mais Seth, agora se me dá licença vou até a casa dos Cullen saber se tem alguma novidade, sinto que a qualquer momento podemos ter notícias de Nessie.

– Tudo bem, mas vou com você Jake. – olhei pra ele impaciente.

– Não vai não, é melhor ficar aqui.

– Vou sim, ela também é minha amiga e me preocupo com ela.

– Tudo bem então. Mas chega de falar sobre a Leah ok?!

– Ok – falou fazendo uma continência

– Vamos logo e deixa de ser bobo.

Num salto me transformei logo seguido por Seth, corremos pela floresta sentindo o vento em meus pelos, aquilo me reconfortava, o sol estava quase se pondo, era a hora do dia que Nessie mais gostava, um dia na praia de La Push observávamos o Sol se pôr, ela estava linda sob a luz do entardecer, me olhava de maneira profunda e com aquele sorriso que aquecia meu coração.

– No que está pensando meu anjo? – perguntei enquanto ajeitava uma mecha de seu cabelo atrás da orelha.

Sem falar nada ela estendeu sua mão e tocou meu rosto transportando para minha mente os seus desejos. Era claro como água, nós nos amando sob a luz do luar na praia deserta. No mesmo instante um arrepio surgiu do ponto onde ela tocara e percorreu todo o meu corpo, tomei-a nos braços olhando no fundo de seus olhos e atendi sem reservas ao seu pedido silencioso.

– Alôoou Jake. Lembra que estou aqui com você? – o pensamento de Seth tirou-me de minhas lembranças

– Cala a boca Seth. – pensei de volta – e continue correndo se não quer que eu o mate!

Seguimos o resto do caminho em silêncio, não demoramos a chegar e novamente sob duas pernas subimos as escadas da entrada da casa onde Carlisle nos esperava, nos olhos a mesma pergunta que eu pretendia lhe fazer, sem dizer palavra alguma a resposta ecoava no silêncio de nossos olhares. Nenhuma notícia de Nessie.

Com a porta já aberta Carlisle deu-nos passagem, entramos e me sentei esperando um deles se manifestar. Sentando-se no sofá a minha frente Carlisle começou.

– Estou muito preocupado Jake.

– E você acha que não estou doutor? – falei sério. Seth ao meu lado seu olhar me pedindo pra ficar calmo. Como se isso fosse possível!

– Sei como se sente Jacob, mas já passou muito tempo e temo que o momento do parto é iminente – isso também não era novidade, não pensava em outra coisa dia após dia.

– Disso eu já sei Doutor, o que precisamos é descobrir o paradeiro dela, mas tudo o que fizemos até hoje foi inútil. Não sei mais o que fazer. Vim pra saber se tem alguma novidade, mas pelo visto estão tão perdidos quanto eu. – Alice me encarava, a culpa estampada em seus olhos. Jasper não deveria estar em casa, pois o clima estava cada vez mais pesado, apesar de eu duvidar que seu dom amenizasse a situação.

Edward não saia do lado de Bella que estava sentada ao piano sem deixar transparecer seus sentimentos. Rosalie culpava Edward e a mim e eu não tirava a razão dela, mas razão nesse momento era o que menos importava.

– Já fizemos tudo que estava ao nosso alcance cachorro, se não tem nada a acrescentar, não venha reclamar, pois não estou num bom dia.

– Que droga Rosalie! Só o que quero é saber onde Nessie está e trazê-la de volta em segurança – quase gritei.

– Sabemos disso não é Rosalie?! – Esme disse gentil – e queremos o mesmo meu filho, mas a preocupação está nos apavorando.

– Tudo bem, mas precisamos de alguma pista. E quanto aos volturi, alguma novidade? – perguntei a Alice.

– A ordem já foi dada. Aro a quer morta. – um frio percorreu minha espinha enquanto Alice continuou. – mas eles sabem tanto quanto nós sobre o paradeiro dela, Adan simplesmente bloqueia a todos.

– É engraçado saber que a única proteção que Nessie possui, vem de um ser que ainda não nasceu – Emmet disse entrando na sala e se colocando ao lado de Rosalie na janela – tenho certeza de que Adan será muito especial, terei muito prazer em ensina-lo a lutar! – Emmet como sempre com seus comentários desnecessários.

– Emmet tem razão, Adan é a única proteção de Nessie nesse momento, o que me deixa ainda mais preocupado… – Carlisle dizia ao ser interrompido por Bella, que até o momento estava em silêncio.

– Não quero mais saber de preocupações, quero soluções. Desculpe-me Carlisle, mas não estamos chegando a lugar algum com essa conversa e isso está me matando. – olhando de Alice para mim Bella prosseguiu – Não conseguimos descobrir nada até agora, mas conhecemos um vidente muito poderoso que certamente pode nos ajudar.

– Está se referindo ao Narciso? – Eu duvidava que ele pudesse nos ajudar, já que foi inútil da última vez que o procurei, claro que meus questionamentos foram outros, mas… seria possível?

– Claro, ou por acaso você conhece outro Jake? – ignorei a provocação da loira

– Pode até ser, não acho que vá adiantar de qualquer jeito. Mas se quiser vamos procura-lo – disse me levantando.

– Jake, Narciso não está em Forks. – Seth também se pôs em pé – Pensei que soubesse, ele e Leah saíram da cidade faz uma semana.

– Como assim saíram da cidade Seth?

– Eu sei que está com a cabeça longe por causa da Nessie, mas pensei que soubesse disso. – falou encolhendo os ombros. Droga, alguma coisa me dizia que essa saída repentina tinha algo a ver com tudo o que estava acontecendo, mas se era assim, por que Leah sairia sem me dizer nada? Não faz o menor sentido, a menos que ela soubesse de algo que eu desconheço e que as suspeitas de Seth a respeito de Narciso não eram tão infundadas afinal.

– O que foi Edward, por que o Jake ficou tão quieto de repente? – perguntou Bella me olhando desconfiada.

– Ele está pensando que Narciso esconde alguma coisa de nós e sua saída repentina tem algo relacionado à Nessie.

– Será possível? – perguntou Esme abismada – ele parecia estar do nosso lado.

– Eu ainda não sei, mas vou descobrir – falei olhando para Edward, quando percebi sua súbita mudança e olhamos juntos na mesma direção.

Alice com o olhar vidrado na nada uma expressão de puro fascínio em seu rosto.

– Edward o que aconteceu? O que ela viu? – perguntamos em coro

– Ela viu Nessie. Sabemos onde ela está. Adan acaba de nascer…

*****

Renesmee

Saudade. Esse é o sentimento que assola meu coração sem piedade durante todos esses meses. Muitas coisas aconteceram desde que parti. Saí da casa do Charlie naquela noite sem destino, sem planos, estive em muitos lugares. A influencia da família Cullen realmente me surpreendeu, as portas se abriam facilmente com a simples menção do nome imponente. Meus documentos estavam todos em dia, então não tive problemas quanto a isso, só tomei cuidado em não usar o cartão de crédito, realizando pagamentos online ou em dinheiro, sabia que seria facilmente localizada caso utilizasse o meu cartão.

Hospedei-me em diversos hotéis dos quais sinceramente não me lembro mais o nome. A lembrança da vida que deixei pra traz queimava minha mente todas as vezes que me senti sozinha e posso garantir que foram muitas. Sei que tomei a decisão certa, pelo menos naquele momento.

O tempo passou e deixei meu coração me guiar pra onde estou hoje. A presença de Adan em minha vida é marcante e cada dia mais real, sempre sonho com ele, mas nunca consigo ver seu rosto, ouço sua voz em minha mente, como quando ele falou comigo pela primeira vez. Às vezes imagino que ele será parecido com Jake e quando penso nisso a saudade se torna quase insuportável.

– Para onde vamos meu filho? – com as mão sobre meu ventre perguntei em voz alta certa vez, não lembro onde estávamos – Adan e Eu – acho que era em algum lugar do México, mas não posso dizer com certeza. – Não podemos continuar vagando sem destino.

Adan não me respondeu. Claro, o que eu queria que ele dissesse?  Não que ele tivesse me respondido em outra ocasião, – verbalmente, quero dizer – mas é como se ele me compreendesse, talvez seja só uma impressão boba, mas sinto que ele entende melhor do que eu o que está acontecendo, de algum modo é como se Adan fosse a resposta de tudo e com certeza ele é a minha resposta.

Meu ânimo já se fora a muito tempo. Sentia falta dos meus pais, dos meus amigos, da minha vida. De Jake. E essa era uma saudade que Adan compartilhava comigo eu tinha certeza.

Senti meu rosto úmido pelas lágrimas que escorriam sem permissão, estava prestes a desistir e voltar para casa quando, clara como água a imagem surgiu em minha mente.

– Porque não pensei nisso antes? É claro que é o lugar perfeito pra nós. – um sorriso brotou em meus lábios a esperança surgindo pela primeira vez desde o dia da tempestade. O dia em que minha vida ficou pra traz.

Se foi Adan ou se foram meus próprios instintos eu não saberia afirmar, sei apenas que foi a decisão mais certa que já tomei em toda a minha vida.

Já passara cerca de quatro meses da minha saída da casa de Charlie e Adan cresce a cada dia, sinto que a qualquer momento o terei em meus braços.

Tive uma gravidez tranquila, alguns enjoos e muita fome, quase não me alimento mais de sangue, por volta de três meses que só me alimento de comida humana e me sinto cada dia mais disposta. Só o que me aflige é a saudade. Tenho consciência de que só não me encontram por causa da interferência de Adan, ele está cada dia mais presente, cada dia mais perto dos meus braços. É por isso que me mantenho firme, porém, quanto mais o tempo passa o meu medo aumenta consideravelmente, tenho tido sonhos terríveis onde Aro leva meu bebê de meus braços, temo que seja algum tipo de aviso, mas não sei como posso impedi-lo.

– Querida por que está tão preocupada? – a voz atrás de mim me traz a realidade

– Você sabe o que me aflige – falei contemplando o céu mais azul que já vi em minha vida, em Forks costumava ser quase constantemente nublado.

– Não é o momento para isso. Está quase na sua hora, em breve seu bebê estará em seus braços. Devia estar feliz.

– Eu estou. Mas também estou com medo. – me virei para olhá-la, seus olhos brilham ao contemplar minha gravidez avançada em tão pouco tempo. Ela ainda me surpreendia com tanta calma e compreensão.

– Não tema, estarei aqui para ajuda-la. – ela sorria ao falar em sua língua natal. Agradeço em silêncio quando meu pai fez questão de que eu aprendesse outras línguas, eu sempre achei bobagem, mas atendi ao seu desejo e estudei francês, alemão e Português, teria aprendido outras, mas as coisas se precipitaram em minha vida.

– Sei disso. Não estou com medo do parto Kaurê. – observei que ela trazia algumas ervas e toalhas brancas e limpas, fico curiosa. – pra quê essas coisas?

– Já disse. Em breve o bebê chegará, a lua está na fase certa, prepararei tudo para que seu momento seja adequado. – assenti suavemente, estava quente, o sol ainda estava alto, eu não fazia ideia de qual era a fase da lua e isso não fazia diferença para mim, desde que Adan nascesse saudável, mas eu respeito suas crenças. Desde que vim para a Ilha de Esme, Kaurê não faz outra coisa se não me ajudar.

Ela sabe que não sou humana, ou, que não sou completamente humana, mas não me recrimina e conhece muitas histórias e lendas. Quem sou eu para duvidar de lendas, minha vida é cercada delas, então não haveria uma ajuda mais perfeita que a dela. Sinto que posso confiar e ela tem sido uma boa amiga, quase tão cuidadosa como minha avó Esme.

– Obrigada. – falei sinceramente. Ela se aproximou e tocou meu rosto com as costas da mão.

– Não me agradeça criança. Faço com prazer – sua mão tocou minha barriga – está carregando um ser muito especial que eu terei a honra de ajudar a trazer ao mundo. – toco sua mão sobre minha barriga.

– Como sabe que Adan é especial? – suspiro encantada.

– Não posso dizer com certeza, mas já ouvi muitas lendas e reconheço um milagre quando vejo um.

– Um milagre? – levanto uma sobrancelha curiosa.

– Me lembro de sua mãe e julguei que você a mataria quando a concebesse. – me contraio diante da sinceridade de seu olhar, não continha ódio, mas admiração – uma jovem linda, que reconheci em seus olhos, no momento em que pus meus olhos em você. Diga-me. Ela é um deles agora não é? – faço que sim com a cabeça, impossibilitada de verbalizar a resposta. – Então ele não mentira. Ele realmente a amava. – aquiesci novamente e apertei sua mão quando uma dor aguda me atingiu sem prévio aviso.

– Aaaaiiii… – falei perdendo o folego. A mão que estava em meu rosto agora me amparava para que eu não caísse.

– Venha minha filha, chegou a hora…

Dor. Não me lembro de ter sentido nada parecido em toda a minha vida. Kaurê me ajudou a chegar ao quarto principal, minha bolsa se rompeu no instante em que tive a primeira contração, elas agora eram constantes com bem pouco tempo entre uma e outra, estou exausta, o suor do esforço se mistura as lágrimas que não sou capaz de conter, o clima tropical do lugar não estava me ajudando muito agora, o calor era insuportável, minhas forças estão se esgotando, não sei até quando conseguirei me manter acordada.

-Força, criança. Respire fundo! – Kaurê me incentiva com vigor posicionada entre minhas pernas pressionando minha barriga para me ajudar. Respire fundo? Como se fosse possível! Me sinto cada vez mais fraca e ela me pede força! Cara, eu riria se fosse capaz! Meus olhos estão se fechando… – não desista! Você vai conseguir.

– Kaurê! – Gritei. – Não sei se posso… Não tenho mais FOOOR…ÇAAAS!!! – já estávamos assim há horas, a lua já estava alta no céu, a brisa suave que vinha do mar inundava o quarto, mas nada me faria sentir melhor, não enquanto me contorcia de dor.

– Vai conseguir SIM! – segurou firme minha mão – você não pode desistir, a vida de seu filho depende disso! Ele precisa de sua força! – falou decidida, ela também estava cansada. – já ajudei muitas crianças a virem ao mundo e não vou te deixar desistir.

– Por favor, me ajude! Não aguento mais… – mesmo falar me exauria ainda mais, sabia que precisava ser forte por Adan, mas não sabia onde procurar por mais forças. Nunca antes me senti tão humana quanto nesse momento, frágil e desesperada.

– Nessie, preste atenção, seu bebê está sentado. – falou apreensiva – Preciso que me ajude, caso contrário perderei vocês dois! – suas palavras me atingiram em cheio como um soco. Não podia deixar que nada acontecesse a meu bebê ele tinha que conseguir minha vida não importava, mas não poderia permitir que ele morresse!

Em meio à dor segurei firme sua mão. – Ouça bem. Não importa o que aconteça comigo, você tem de salvar Adan. – falei decidida – entendeu? Salve meu bebê custe o que custar. – e reunindo minha última remessa de forças, me impulsionei para ajudar-lhe a trazer meu Adan ao mundo.

– Isso meu anjo. – Kaurê era gentil ao me incentivar – agora tenho de virar o bebê se não ele pode sufocar, mas vai doer muito e pode ser que você não resist…

– Não importa! – interrompi-a – salve a vida dele… – fechei meus olhos e as lágrimas desceram ainda mais intensas.

Minha vida não era importante, Adan era meu milagre, ele ficaria bem sem mim. Meu filho era especial e eu faria qualquer coisa por ele, não havia o que pensar. Só lamentava, pois não veria mais Jake, meu amor, meu porto seguro. Só posso desejar que me perdoasse algum dia.

Um filme passou por minha cabeça, tentei me desligar da dor que os procedimentos de Kaurê me causavam, era um mal necessário. Minha família feliz, meus pais sempre juntos e se apoiando em tudo, tanto amor, tanto cuidado, meus avós Esme e Carlisle, tão singulares e o Charlie, como sempre protetor e desconfiado, meus tios, sempre me encobrindo as travessuras, como na vez em que Alice me viu logo após ter estado com Jake na floresta. Às vezes em que caçávamos juntos, minha mãe, Jake e eu. Meu pai todo protetor e ciumento. Seth, um amigo muito especial, implicante, o irmão que não tive, mesmo a Leah e suas rabugices agora não importavam mais, até mesmo da escola eu sentia falta. Coisas tão simples e ao mesmo tempo tão importantes, lembro-me de como amava ficar a beira do lago pensando em Jake e em quando ele me notaria, eu era tão tola e inocente, era feliz e não tinha consciência. Tudo agora parecia tão distante, como se tivesse acontecido em outra vida.

Pensando neles dessa maneira não consigo me lembrar mais por que saí de casa. Como pude ser tão tola? Como pude acreditar que qualquer um deles pudesse me querer algum mal? Agora eu via que isso era impossível.

Só que agora era tarde demais. O que me consola é saber que eles cuidarão bem de meu Adan.

Fechei meus olhos exausta, deixando a escuridão me envolver e a inconsciência me levar ouvindo ao longe o som do choro de meu bebê. Sorri. Agora posso partir em paz.

 

 

Outra coisinha….

Quem foi que já comentou o novo cap de Sangue e coração lá no blog Lana Aguiar???

 

Gente a história está emocionante… http://lana-aguiar.blogspot.com

Espero a visitinha de vcs!!! bjão!

Anúncios