Ufaaaaaaaaaaaaaa…………. demorou hem galera! estive muito atarefada esses dias, mas não posso abandoná-los, então segue o cap 10 quentinho e com emoções mil pra vcs!!!

e não economizem nos comentáris, quero ver esta postagem bombando!!! bjão e até breve galera!

10. O Nada – P.O.V Jacob

– Talvez eu só estivesse acostumada.

Larguei seu braço imediatamente como se houvesse recebido um choque com aquelas palavras.. ela pareceu não se importar se virando de forma rápida correndo logo em seguida me deixando ali, apenas parado… eu não me mexia agora, não pensava… eu .. permaneci ali .. até ouvir um barulho as minha costas.

– Jacob?

– Não fale nada – exige, minha voz não era minha voz, ela tremia e se cortava em algumas partes..

– Jacob.. – ele tentou de novo.

– Não Edward .. – consegui sussurrar ao também me afastar dali, eu nem se quer sabia o que precisava agora. Minha mente dava voltas e eu cambaleava em meio a corrida .. a imagem dela vinha de forma forte pra mim em todos momentos que se pode imaginar..

– Ahhhhhhhhhhhhh – ela corria de mim sorrindo daquela forma que Bella descrevia sabiamente como deslumbrante, eu também não continha o riso alto como o dela.

– Ah meu Deus você é idiota ou o que? – ela estava irritada na minha frente com as mãos na cintura fina demonstrando a raiva que sentia de uma forma ameaçadora? – Ele é só o Jim Jake, fala serio! Eu amo você seu retardado!

– Eu tenho medo – ela me abraçou forte – me abraça Jake.

– Jake Jake! – a menininha vinha saltitando até mim agora – papai me deixou correr sozinha! – ela pulou no meu colo agarrando meu pescoço com seus braçinhos me mostrando tudo – viu? Eu sou rápida!

– Eu não reclamaria! – apenas de calcinha e sutiã na minha frente praticamente me pedindo pra agarrá-la Ness.. sempre seria meu pior e o meu melhor.

– Você é bom demais – ela ainda estava sem fôlego enquanto eu saia lentamente de seu corpo a fazendo agarrar meus ombros com mais força – Jake essa é a melhor sensação do mundo.

– Ahh cala boca lobo idiota – ela me batia com certa força enquanto eu ainda gargalhava – Jake eu te odeio!!! – a beijei rapidamente depois disso a fazendo amolecer nos meus braços – Ok – ela suspirou – Eu amo seu beijo mais ainda odeio você – ela me deu um tapa se desgrudando de mim me fazendo rir ainda mas.

Ela dormia agora.. agarrada a mim de uma forma quase desesperada.. eu amava isso, amava saber que era tão necessário pra ela quanto ela era pra mim .. eu nunca me cansaria disso.. de te-la pra mim..

Minha mente continuava girando quando eu consegui identificar um som estranho no meio daquilo, o som era rouco, muito falho e alto eu não me dei conta que o som era feito por mim mesmo até as lagrimas me cegarem…

Eu não conseguia mais correr, não conseguia mais sequer me mover de novo.. era o nada.

Batidas forte na porta do meu quarto me acordaram das lembranças daquele dia, custei a levantar da cama enquanto as batidas aumentavam agora acompanhadas por gritos.

– Jake levanta agora! São 3 da tarde você tem que sair alguma hora alias sai agora!

Abri a porta de forma violenta dando de cara com Leah, ela pareceu espantada com meu estado.. eu na sabia mais o que era convívio social agora e isso era problema apenas meu.

– Jake – ela começou com uma voz mais calma.

– Não me chame de Jake – a cortei, ela se irritou, pelo menos foi o que pareceu.

– Jake! – ela cuspiu – Eu sempre te chamei assim, bem antes da meio sanguessuga aparecer não seja idiota!

– Não me chame de Jake! – rosnei me virando as costas pra ela já quase fechando a porta, ela me impediu.

– Por Deus Jake, tenha dignidade e não banque o idiota, as pessoas vão te chamar do que quiseram te chamar e você vai começar a viver ok? A mini vagabunda foi embora ela largou você apenas aceit..

Minha mãos voaram para a blusa que Leah usava, eu a segurei violentamente a jogando contra a parede da casa do meu pai.. afinal eu não suportaria viver naquela casa que divide com ela.

– Saia daqui! – gritei pra Leah a jogando pro corredor, ela se assustou comigo eu pude ver no seu rosto.

– Jake..

– Jacob Leah! – berrei a fazendo dar alguns passos pra trás – Jacob! Ouviu Jacob! – eu ainda gritava quando a chacoalhei pelos braços – Não existe mais Jake não existe! Ela também não existe mais então eu proíbo que você diga algo! Emtemdeu? – ela ainda estava paralisada – Entendeu?! – grite mais alto vendo Seth e Paul entrando pela porta da sala.

– O que esta acontecendo aqui? – Seth perguntou olhando pra Leah

– Ele! – ela apontou pra mim raivosa – Ele esta louco! Louco! Aquela vagabunda te deixou Jake você vai ter que aceitar! – minha mão parou a um centímetro do rosto de Leah. Eu não precisei gritar dessa vez.

– Se você falar mais alguma coisa eu juro que não vou parar minha mão da próxima vez Leah, eu não quero sua preocupação e muito menos sua ajuda saia da minha casa saia!

Eu não precisei repetir a vendo correr rápido para as arvores, Seth e Paul me olhavam espantados enquanto eu me jogava no sofá.. eu já nem era eu mesmo agora .. eu estava perdido.

– Você esta realmente louco – Paul falou ao sair pela porta, eu pude sentir o olhar demorado de Seth sobre mim enquanto eu colocava minha cabeça ente minhas mãos e me balançava no sofá .. perturbado demais..

– Jake? – ele me fez olhá-lo mais sem ve-lo, minha mente estava nublada de novo.. – eu sei que você ainda esta ai cara, e eu sei que ela também esta por ai em algum lugar enlouquecendo também, eu não acredito em nada que aconteceu, vocês não morreram ainda cara, só não pire demais.. só volte.

Serh saiu logo em seguida fechando a porta atrás de si enquanto minha mente traidora me levava pra ela mais uma vez.. eu queria esquecer.. mais na verdade eu me agarrava agora .. me agarrava a cada reles lembrança do sorriso dela, do cheiro, do gosto, do som da risada .. do calor da pele .. da forma que ela apenas olhava pra mim, porque me agarrar a qualquer uma dessas coisas agora fazia com que eu me sentisse inteiro de novo, nem que fosse por segundos .. os segundos que duravam até minha mente retomar para aquela manha…

Talvez eu só estivesse acostumada – e tudo se partia de novo…

Eu apenas queria que tudo voltasse.. alias que qualquer dia que vive ao lado dela voltasse e o tempo parasse exatamente nele ..

Me movimentei uma ultima vez afundando meu rosto em seus cabelo ligeiramente molhado pelo suor, a senti mordendo meu ombro pra logo depois sentir sua respiração alta e falha contra meu ouvido.

– Jake – ela gemeu me fazendo tremer ainda mais – c-como – tentou antes que eu devorasse literalmente seus lábios tão vermelhos.. tão doces..- como você faz isso?

– Como? – perguntei disfarçando um riso, ela levantou o rosto e me encarou antes de revirar os olhos.

– Não estou falando disso idiota! – não pude mais me conter rindo baixinho contra seu pescoço.. eu sabia que ela ficaria afetada com esse gesto e foi o que aconteceu quando ela suspirou longamente passando seus braços por meu pescoço – Droga é disso que estou falando .. do quanto você me afeta ..é tão injusto!

– Injusto seria se isso não acontecesse! – ela queria apenas que ela me afetasse? Louca! – Você é deliciosamente tentadora demais pra não ser afetada também.

– Sou? – ela usou justamente aquele tom de voz manhoso e arrastado que me fazia perder a cabeça, eu já estava sugando seus lábios mais uma vez a ouvindo gemer mais alto.

– Você disse que tinha que ir embora mais cedo hoje não disse?

– Disse mais eu quero primeiro que você me mostre como faz isso.. – seu sorriso era malicioso enquanto seus olhos tinham um ar de pura inocência, ela sempre seria assim: o céu e o inferno juntos!

– Ness – falei ainda divertido enfim saindo de seu corpo ao apertá-la pela cintura – acho meio complicado te mostrar as varias formas que te afeto – eu não pude conter a arrogância. O sorriso dela aumentou quando enlaçou suas pernas em minha cintura trazendo meu quadril para muito próximo.

– Sabe – ela falou devagar ao puxar ainda mais meu quadril me fazendo penetrá-la lentamente – eu acho – ela gemeu – que estou falando disso agora – Não demorou muito para que estivéssemos ofegantes e tremendo um nos braços do outro mais uma vez;

– Isso esta ficando meio viciante. – ela riu me abraçando logo que me larguei ao seu lado.

– Estamos quase tão viciados nisso quanto meus pais…

– Uhu! Não fale nos seus pais agora – fiz uma careta enquanto dava leves beijos me seu rosto e boca a fazendo gargalhar.

– Ahh não é como se você nunca houvesse imaginado minha mãe por esse aspecto. – eu parei imediatamente o que fazia lhe encarando serio, ela ainda tentou sorrir mais já tinha percebido o quanto eu não gostei daquilo – ahh Jake por favor!

– Por favor, o que exatamente? – perguntei de forma fria ainda a encarando.

– Nos sabemos muito bem que você foi apaixonado por ela.. nada mais natural certo? Que você tenha pensamentos desse tipo com ela – Ness ainda tentava fazer humor e isso tornava a coisa ainda mais absurda.

– É normal que eu tivesse pensamentos com ela.. PASSADO! – fiz questão de frisar.

– Vai me dizer que nunca mais pensou nela? – eu senti a descrença na voz dela isso me enfureceu, eu levantei rapidamente da toalha em que estávamos deitados sob a grama.

– Não depois de você – eu praticamente gritei com raiva demais, que raio de assunto era esse?

– Não precisa ter medo Jake eu entenderia.. eu sei que minha mãe seria melhor pra você.. e..

– Não termine a frase!!! – a encarei com ainda mais raiva – não seja ridícula a esse ponto! Qual é o seu problema? O que deu em você?

– Eu só estou constatando um fato ok? – ela também estava irritada agora? – Até o meu pai assume que você seria bem melhor que ele então eu só estou assumindo que minha mãe seria melhor que eu .. um fato!

– Não você esta ressaltando um absurdo e, isso não tem a menor lógica! Sua mãe não existe pra mim desde que você apareceu entenda..

– Eu entendo essa parte – ela falou se sentando – e ela que me faz ver que tudo faz ainda mais sentido, se não fosse a impressão você não estaria comigo..

– Cala a boca!

– Isso é a verdade!

– Não! – gritei me ajoelhando em sua frente – Essa é a idiotice que você acredita, por que é mais fácil acreditar nisso do que em mim quando eu te falo que independente da droga dessa impressão eu iria te amar!

– Não faz muito sentido você me amar – ela sussurrou baixando os olhos, eu me aproximei ainda mais a abraçando contra meu peito.

– Deus não fale como a idiota de sua mãe falava pro seu pai, eu não sou inatingível ou algo do tipo, eu só sou um homem que teve a sorte de te encontrar de uma forma mais rápida.. mais eu te encontraria de qualquer forma, mesmo que eu não fosse lobo e não tivesse a impressão, mesmo que você tivesse nascido diferente .. que você tivesse nascido sei lá… de dois esquimós na Antártida! Eu iria te achar e eu iria te amar da mesma forma.

– Jake..

– Eu fui feito pra amar você Ness então não duvide mais da única coisa que eu acho que faço direito na vida – ela sorriu pra mim aproximando nossos rostos.

– Você me amaria mesmo que eu beijasse assim – ela esfregou a ponta do nariz no meu rindo um pouco mais alto – e fosse gorda por comer gordura de baleia? – ela riu ainda mais e tudo que me importava de novo era o sorriso dela.

– Sim eu amaria.. de qualquer forma – eu a beijei suavemente.

– E você faz direito – ela acrescentou minutos e beijos mais tarde – você me ama do melhor jeito pode ter certeza.

– Bom – falei deslizando minhas mãos por toda suas costas. Ela se arrepiou instantaneamente ao meu toque se levantando e afastando de mim em um só pulo.

– Sabe eu tinha que ter ido a uma meia hora atrás..

– Mais você não foi – levantei tentando alcançá-la. Ela estava rindo agora.

– Você esta parecendo o Embry quando ele deu de cara com a Jenny! – a risada dela aumentou e de repente parou ao arregalar os olhos pra mim – Aconteceu daquele jeito pra gente também? Ai meu Deus foi tão hilário ver aquilo acontecendo Embry e Jenny se olhando como se fossem derreter.. eca!

– Foi exatamente do mesmo jeito a única diferença é que eu não pude te jogar numa parede mais próxima 5 minutos depois.. – agora era eu que ria alto enquanto ela fazia uma careta.

– Ainda bem essa é a parte mais eca da impressão deles! Eles nem sequer se conheciam urgh!

– Você diz isso por que você foi a criança feliz que cresceu protegida pelo cara gatão… queria ver se você fosse o cara gatão.. – ela voltou a rir batendo as mãos contra meus braços.

– Confesse que você também prefere assim como nós dois somos. Não tem pessoas que se conheçam mais do que nós dois nos conhecemos… e isso é tão perfeito

– Ta eu acho que concordo – falei conseguindo abraçá-la – mais as vezes eu queria a parede .. – ela riu me dando um beijo que logo eu tratei de tornar mias quente, mais como antes ela fugiu de mim.

– Eu tenho que ir

– Droga – resmunguei baixinho a vendo se vestir, ela me deu um breve beijo fugindo dos meus braços ao sussurrar um “eu te amo” e correr pela floresta.

– Ei cachorro – ouvi passando por uma arvore enquanto corria pela floresta sem destino algum, uma coisa bem comum de mim agora.

Era Rosalie? Eu parei imediatamente a corrida me virando para encará-la.

– Você poderia ser um pouco humano agora? – minha cabeça na forma de lobo se inclinou com ainda mais duvida – por favor – ela pediu por fim então eu fui para trás de algumas arvores voltando a minha forma humana eu desamarrei um shorts que estava na minha perna e o coloquei saindo para me aproximar dela outra vez.

– O que quer – eu não era educado com ninguém ultimamente e com ela não seria diferente.

– Conversar – ela deu de ombros com o espanto que passou em meu rosto – sobre Nessie.. – ela acrescentou me fazendo apertar os olhos já com puro ódio.

– Eu não quero falar sobre isso! – eu lhe dei as costas e em um segundo ela estava do meu lado puxando um dos meus braços para encará-la.

– Vai fugir – ela gritou – tão fácil!

– Ela fugiu Rosalie! Se os seus poucos neurônios não a deixam lembrar e me solte! – continuei andando me concentrando em não fixar o nome dela na minha mente pelo menos por hoje..

– Ela não fugiu – a loira burra gritou de novo – que droga de amor é esse que você tem?

Eu me virei a fuzilando com os olhos começando a tremer, eu podia ver a desgraça em minha frente eu me transformaria e a atacaria e não teria ninguém para livrá-la de mim aqui caso ela continuasse com aquilo.

– Que droga de amor é esse que basta a pessoa te virar as costas para tudo desaparecer? Ela esta precisando de você! Eu sei que está em algum lugar que aquele desgraçado a levou a força!

– Ela foi por que quis. – minha voz era baixa demais enquanto a raiva dava lugar à depressão em meu corpo.

– Isso era o que ela queria que nos achássemos! Será que não vê? Será que não a conhece? Ela nunca abandonaria você! Meu Deus! Não por vontade própria.. ela te amava demais você não vê isso?.

– Ela só estava acostumada comigo Rosalie apenas isso – engoli em seco ao repetir as palavras dela daquela manha.

– Não seja idiota! – Rosalie parecia suplicar e sua voz ganhava um embaraço que era característico de quem chorava, ela estaria chorando se pudesse? Eu já estava chorando, percebi ao tentar dizer algo e não encontrar minha própria voz – Não desista.. Jacob ela amava você e agora deve estar sofrendo em algum maldito lugar por ter te feito acreditar que ela não o queria.. não acredite nela ..

– Eu não consigo.. – sibilei

– Tente por Deus! Apenas tente e faça alguma coisa – ela se afastou de mim como um flash rápido demais para ser visto por quaisquer olhos. Eu não sei se passei a realmente acreditar nessa possibilidade absurda que ela me disse mais eu pude sentir um fio de esperança inconscientemente nascer em mim e isso já me deu forças pra viver mais um dia..

No dia seguinte foi até perturbador a forma ridícula que me vi sentindo sua falta, era tão intoxicante e doentio e.. maravilhoso, eu simplesmente precisava dela a cada minuto. Ela não apareceu durante todo o dia parecendo querer aumentar de propósito minha necessidade dela.

Eu estava tomando banho agora considerando a idéia de ir até os Cullens mesmo sabendo que há essa hora todos estariam no andar de baixo fazendo alguma coisa pra ocupar o tempo, então não seria muito agradável ainda mais que Edward estaria lá. Merda! Eu estava realmente perdido eu a amava demais e isso era nítido como água… e pensar que a 4 meses atrás eu negava a mim mesmo com todas as forças que ela havia apenas crescido.

Era tão patético.. a forma que ela mexia comigo que ela me fazia amá-la e querê-la cada vez mais, e o mais absurdo era ela não ter a menor consciência disso.

– Ness você não tem a menor idéia – suspirei.

– Do que eu não tenho idéia?

A voz musical e perfeita chegou em meus ouvidos me trazendo arrepios que aumentaram ainda mais quando me virei pra ela a encontrando totalmente nua, seu corpo maravilhoso me hipnotizou por um certo tempo, era difícil não gastar um tempo considerável admirando seus seios fartos, sua barriga lisa e seus quadris arredondados da forma mais harmoniosa possível com todo o resto, imediatamente me senti queimar com a vontade de tocar a pele branquinha e macia, mais a lembrança que estávamos em minha casa com meu pai a uma porta de nos me fez frear o meu instinto.

– Ness – comecei com um ar falso de irritação, ela sorria pra mim de um jeito inocente e travesso .. ar – você não acha que isso – apontei pra ela pedindo calma a mim mesmo – é um pouco demais? Meu pai esta em casa!

– Eu sei que sou demais – ela riu colocando uma boa parte dos cabelos cacheados para trás, me peguei acompanhando aquele movimento com um sorriso bobo no rosto – mas você esta enganado. Billy foi pra casa do meu avô, parece que hoje tem um jogo importante .. então .. – ela fez uma pausa entrando de uma vez no boxe, ela me olhou seria antes de falar – acho que temos bastante tempo.

– Ness – as unhas dela que arranhavam meu peito me fizeram perder o ar por alguns segundos – você está safada demais..

– Estou? – ela sussurrou já contra meu pescoço – com você não tem a menor graça ser santa.

– Você esta tentando me provocar? – segurei o riso quando ela se afastou fazendo bico.

– Eu achei que estar sem roupas já era provocação suficiente. – o tom que ela usou era magoado não me deixando outra escolha se não rir, como sempre ela não tinha a menor idéia do quanto me enlouquecia..

– E é – estiquei meu braço lentamente para acariciar o rosto dela com as pontas dos meus dedos, ela fechou automaticamente os olhos pendendo os braços que até pouco tempo estavam cruzados fortemente na altura dos seios para os lados ela calmamente deu um passo na minha direção se aproximando mais uma vez .. ainda de olhos fechados ela se pos nas pontas dos pés e levantou os braços os estirando em volta do meu pescoço me puxando pra ela.

– Jake – a voz perfeita já estava entrecortada e um pouco falha – eu queria fazer uma coisa.. – ainda a encarando a vi abrindo os olhos e ficando ligeiramente corada, já fazia um bom tempo que Ness não corava numa situação como essa então isso me trouxe uma curiosidade quase incontrolável.

– O que você quer fazer? – não resistindo mais eu a beijei, minhas mãos a apertando pela cintura, eu a prensei contra a parede de azulejos enquanto a água morna ainda caia em minhas costas, isso parece ter a feito esquecer o que queria… demorou alguns minutos para que ela me afastasse do beijo me girando fazendo com que eu ficasse com as costas contra a parede.

– Prometa que vai me deixar fazer primeiro – ela estava ofegante e com os lábios inchados muito próximos dos meus não me deixando outra escolha..

– Eu te deixo fazer tudo..

Ela sorriu daquele modo travesso pra logo depois morder os lábios parecendo preocupada o que me fez ter ganas de mordê-los também, então deliberadamente devagar ela se aproximou novamente atacando com vontade meus lábios enquanto suas mãos alisavam meu peito me excitando de uma vez por todas, seus beijos tomaram um rumo cada vez mais selvagem conforme ela mordia meus lábios e os sugava de maneira forte, meus gemidos já eram constrangeradamente altos.

Uma de suas mãos deixou o trabalho de arranhar meu peito para descer por ele alisando meu abdômen, meu baixo ventre pulsou em expectativa enquanto sua boca deslizou maltratando meu pescoço e ombros deixando meus gemidos saírem sem obstáculos por minha boca.

A mão dela desceu mais um pouco me fazendo puxar o ar de forma desesperada..

– Ness.. – eu enfim supliquei quando ela envolveu meu membro em sua mão o alisando de forma lenta, eu rosnei.

– Você fica tão duro pra mim – ela falou contra meu ouvido de maneira satisfeita o mordendo logo depois – sinta – ela pediu levando minha mão com a desocupada dela para o meio das próprias pernas gemendo longamente quando meus dedos invadiram seu interior – eu também fico – ela tentou quando eu comecei a estocá-la com certa rapidez – eu fico muito molhada pra você..

Eu queria invadi-la agora, mais o movimento que ela fazia com sua mão em meu pênis não me dava outra escolha a não ser ficar parado.. ela iniciou novamente beijos e mordidas por meu pescoço ombros abdômen intensificando o vai e vem que sua mão fazia em mim conforme ela descia com os beijos pelo meu corpo, eu não raciocinei direito e não me dei conta também do que ela pretendia até senti-la para de me massagear, eu abaixei meu rosto e a vi ajoelhada no chão com a água batendo em suas costas ela segurava meu quadril com força e seu rosto tinha um misto de desejo e vergonha.

Então ela olhou pra mim e conforme ela me encarava ela também se aproximava da parte mais pulsante do meu corpo, eu debilmente gemi em antecipação até ve-la beijar cuidadosamente a cabeça, o toque macio dos seus lábios me fez jogar o pescoço para traz com um rosnado, ela não satisfeita o colocou na boca me levando pra um prazer que eu não estava preparado..

– Ness – grunhi seu nome sentido-a colocar meu pênis quase por inteiro na boca para logo tira-lo de novo de forma ora rápida ora devagar, meus sentidos estavam nublados enquanto eu me vi gemendo sem controle sob aquele toque.

Tudo era delirante demais: o calor de sua boca em minha volta, a umidade que ela tinha, o roçar de sua língua por toda minha extensão… ela estava me enlouquecendo.

– Ness – chamei mais uma vez quando a senti adicionar uma das mãos para acariciar a base do meu pênis, eu desisti automaticamente de lhe pedir algo, pois nada coerente saia dos meus lábios agora a não ser a suplica pra que ela continuasse em forma de gemidos, com a ajuda da mão sua boca se tornou mais urgente sobre minha pele.. as investidas eram rápidas e com força me fazendo considerar o fato de que logo perderia as forças em minhas pernas.

Minhas mãos vagarosamente foram para seus cabelos enquanto meu quadril se movimentava de acordo com as indas e vindas dela, com esse ritmo não demorou muito para que eu gozasse… instintivamente eu a puxei pelos cabelos para que não ficasse no caminho mais ela permaneceu ali me sugando com ainda mais vontade me deixando zonzo e quase gritando.

– Você é delicioso! – a voz e as palavras dela só me fizeram gemer ainda mais, ela estava em pé agora beijando suavemente meu pescoço enquanto ria baixinho.

– Isso foi incrível! –consegui dizer alguns minutos depois quando minha respiração estava menos falha.

– Foi um grande prazer – ela sorriu safada me obrigando a agarra-la pela cintura.

– Acho que é minha vez agora – a girei em minha volta colando nossos corpos enquanto a encostava na parede. – vou fazer você querer mais algumas coisas.

– Vai? Eu acho que já consegui o que eu queria – ela sorriu presunçosa passando a língua lentamente pelos próprios lábios me fazendo beijá-la pra imediatamente acabar com aquele sorriso.

– Não não você quer mais eu sei disso – eu falava bem baixo próximo a orelha dela sentido-a arrepiar, minha mãe deslizou entre nos dois encontrando a intimidade dela.. quente… molhada. Ela cravou as unhas em meus ombros ao me encarar – você quer mais? – provoquei começando a movimentar meus dedos dentro dela, suas unhas machucavam minha pele conforme ela mordia os lábios para conter os gemidos.

– Eu já tive o que queria – ela repetiu maliciosa enfim entrando no meu joguinho.. imediatamente eu a levantei contra a parede não deixando em nenhum momento de tocá-la, ela soltou um gemido alto me fazendo tremer, eu teria que me controlar se quisesse continuar com a brincadeira, levei minha boca para seus seios os sugando com vontade ela arqueou o corpo pra mim, então eu não resisti… tirando meus dedos dela e a penetrando lentamente.

– Você não quer mais nada? – perguntei começando a me movimentar de forma mais lenta possível.

– Não – a vi mordendo os lábios para não gemer mais uma vez.

– Tem certeza? – dei uma estocada forte a fazendo gritar surpresa pra depois voltar aos movimentos lentos.

– Jake por Deus! – sua voz entrecortada contra meu ouvido só me fez ficar ainda mais excitado.

– O que foi Ness? – comecei chupando o lóbulo de sua orelha – o que você quer?

– Eu .. mais rápido – ela gemeu, eu segurei suas coxas com mais força aumentando a velocidade do vai e vem… mais ainda continuando de certa forma calmo.

– Assim? – ela arregalou os olhos ao me encarar, eu pude ver a irritação borbulhando nas íris de chocolate.

– Mais forte! – ela mandou, eu envolvi suas pernas em meu quadril deixando mais espaço para que eu agisse, meus movimentos foram se tornando selvagens conforme ela gemia alto e arranhava minhas costas. – Droga Jake! – ela gritou – mais fundo.. por favor..

E enfim ela pedindo o que eu queria desde começo eu a ajeitei melhor contra meu corpo abrindo ainda mais suas pernas indo tão fundo quanto eu podia ir, Ness gritava sem controle já se balançando em espasmos em meus braços gozando de uma forma quase animalesca me fazendo gozar também rosnando contra seu pescoço.

– Preciso querer coisas mais vezes – ela disse ainda ofegante alguns minutos mais tarde, eu ri levemente saindo de seu corpo devagar a vendo fechar os olhos gemendo o meu nome, a coloquei de pé e ela permaneceu ali meio imóvel enquanto eu saia do boxe, peguei uma toalha que estava ali no banheiro a enrolando em minha cintura e com uma outra eu estiquei no ar com meus braços até que Ness veio ate mim e eu pude envolve-la nela, peguei suas roupas pelo chão do banheiro me perguntando como ela entrou ali tirou as roupas e eu nem sequer percebi. – Você estava meio distraído – ela respondeu minha pergunta muda ao ver a confusão no meu rosto – e a água do chuveiro não te deixa sentir o cheiro direito..

– Você tem razão – falei lhe pegando no colo e indo em direção ao meu quarto – eu estava distraído demais pensando em você – ela rolou os olhos quando a depositei em minha cama, me deitei logo ao seu lado colando meu peito em suas costas – acho que merecemos dormir um pouco – sussurrei contra seu pescoço.

Ela se ajeitou contra meu corpo respirando fundo antes de fechar seus olhos,eu fechei os meus também enquanto ela segurava forte minha minhas mãos por baixo das dela. Se passaram alguns minutos e o aperto forte não se afrouxou ela continuava a se remexer e dar grandes suspiros e isso não era o seu normal, ela costumava se apertar a mim sim claro…. mais logo ela relaxava e caia em um sono tranqüilo, ela tinha alguma coisa.

– Ness? O que foi?

– Nada – ela suspirou mais uma vez me deixando nervoso..ainda mais com o tom que ela usou.. triste.

– Ness amor me conte.. – ela se remexeu de repente ficando de frente pra mim me abraçando com tanta força enquanto afundava seu rosto em meu pescoço, eu senti suas primeiras lagrimas em minha pele e isso foi o bastante pra eu ficar desesperado..ela estava chorando – Ness por Deus me diga.

– Jake .. eu .. – ela levantou o rosto devagar me encarando – você quer ter filhos não quer?

Eu paralisei naquele minuto.. que tipo de pergunta era essa? Seria isso? Ness estava grávida?! Não pude evitar um sorriso brincar nos meus lábios.

– Você esta grávida? – meu sorriso já era gigantesco.

– N-n-ãoo! – ela soluçou se levantando, ela parecia pertubada enquanto as lagrimas aumentavam – Ah meu Deus você quer ter filhos! – num movimento rápido ela pegou uma camiseta minha que estava a pouco jogada na cadeira próxima a minha cama ela a vestiu e sentou-se na cadeira com o corpo balançando pelo choro forte.

– Ness?

– EU NÃO POSSO TER FILHOS! – ela gritou colocando as mãos no rosto de forma desesperada.. – eu não posso.. eu.. NÃO POSSSO! – ela gritou de novo me fazendo ir ate ela, eu a peguei em meus braços me sentando na cama com ela em meu colo.

– Shh Ness se acalme.

– Eu não quero me acalmar eu não.. – ela passou os braços em meu pescoço com força se apertado a mim de forma desesperada – me desculpe me desculpe.

– Ness calma.. me conte isso direito eu não estou entendendo muita coisa.

– Sabe ontem quando eu disse que teria que ir embora mais cedo? – o choro ainda era forte mais ela pelo menos conseguia falar agora, respirei um pouco aliviado assentindo com minha cabeça enquanto massageava suas costas tentando lhe acalmar – eu fui me encontrar com meu avô.

– Carlisle?

– Sim – ela respondeu se abraçando a mim ainda mais forte enterrando seu rosto em meu pescoço – eu estou me encontrando com ele a mais de 1 mês as escondidas.

– Por quê? – eu ainda não compreendia

– Jake – ela levantou o rosto pra mim seu choro já era controlado e pude ver q ela revirava os olhos – Por Deus estamos casados a 4 meses .. 3 meses na época que procurei meu avo a primeira vez e eu te pergunto: alguma vez já usamos camisinhas, pilula ou algo do tipo? – a ficha foi caindo lentamente pra mim.

– Você contou sobre nos pra ele?

– Claro.. eu… eu precisava saber quer dizer, foi culpa da Thiffany aquela vadia que engravidou mês passado – Thiffany era uma menina arrogante da turma de Ness na escola, lembro bem quando Ness contou que ela perdeu toda a pose ao aparecer grávida de um menino que só havia passado um unico fim de semana na casa de parentes em Forks – quer dizer… ela só transou duas ou três vezes com cara e engravidou! Eu fiquei em pânico.. imagina então nos dois eu estava grávida então?! Eu corri até o hospital do meu avô afinal não são todos os médicos que podem atender uma meia vampira..

– E como ele reagiu?

– Ele não achou a coisa a mais legal do mundo e realmente ficou preocupado se eu poderia mesmo estar grávida – ela continuava chorando mais agora bem mais calma, isso era bom, era agonizante demais ve-la sofrer daquela forma. – Ele fez vários exames em mim, os que eram possíveis pelo menos, Seth me ajudou no exame de sangue – ela notou que uma de minhas sobrancelhas se levantou em curiosidade – ele me mordeu Jake para que meu avo conseguisse meu sangue – mesmo com a explicação Seth não ficaria livre de um belo cascudo – e.. – ela voltou a chorar descontrolada.

– E… Ness?

– A droga do meu útero é infantil! – ela esbravejou – não é irônico? Eu cresci mais não completamente.. eu acho – a ultima parte foi sussurrada conforma ela se afastava de mim ficando em pé novamente.

– Ness fique calma isso não muda nada..

– DROGA! – ela chutou a cadeira fazendo-a se espatifar contra a parede – Não diga que não faz diferença! – ela estava com raiva quando veio pra cima de mim me empurrando – Eu vi seus olhos brilhando e seu sorriso idiota quando pensou que eu estava grávida Jake! Você quer isso! – ela me empurrava mais começando a bater as mãos com, força no meu peito o choro já era compulsivo de novo – Por que você quer? Por quê? Você não podia querer uma coisa que eu não posso te dar… você não pode!

– Ness amor.

– Eu sou uma droga de mestiça.. eu não posso te dar filhos eu não posso ter a minha própria família ..eu

– Ness, por favor!

– Eu sou uma inútil.. eu .. – ela me abraçou de novo o choro não a deixando continuar..

– Não precisa disso .. não precisa…

– Não diga que não precisa – ela insistiu baixinho – você quer e eu também .. eu queria ..eu..

– Shhh

– Você merece isso – ela continuou – merece uma família merece Jake e não eu.. você podia ser feliz com a Leah se quisesse ou poderia ter sido com minha mãe. – ela sussurrou as ultimas frases absurdas sabendo que era idiotice demais dizê-las, e mesmo assim ela fez.. agora era eu que estava irritado.

– Então era isso? – eu perguntei com a voz dura a afastando de mim um pouco para ver seus olhos – a crise de ontem o “minha mãe seria melhor” e agora Leah? Não seja ridícula!

– Eu não estou sendo ridícula estou sendo realista!

– Não não esta! – eu estava gritando também irritado demais pra entender que aquilo tudo era apenas insegurança, ela não podia me dar algo então ela pensava que eu procuraria em outra? – Você me ofende! Você simplesmente supõe que a droga que sinto por você é pequena o bastante pra te trocar por um útero! – ela arregalou os olhos surpresa talvez com o rumo que eu dei para aquilo tudo.

– Eu sei que você me ama – ela disse baixinho

– Não você não sabe.. não sabe, e por mais que eu te explique e te mostre parece que você nunca vai saber! Isso é absurdo! – me afastei ainda mais dela enfim vestindo alguma coisa que no caso era um shorts qualquer que peguei no guarda roupa, eu não brigaria com ela.. eu iria correr .. depois nos falaríamos.

– Jake você não entende..

– Eu não entendo? O que raios eu não entendo? – me virei pra ela esperando uma boa resposta mais ela só abaixou o rosto começando a chorar de novo! Ótimo! Eu não iria mais conseguir sair daqui com ela assim… maravilha! – Ness ..

– Você não entende você-ê.. – ela se aproximou de mim com dois passos largos colocando sua mão em meu rosto e de repente minha mente era tomada pelos sentimentos dela.

Eu vi como ela gargalhava com Jenny quando soube da gravidez da tal Thiffany, pude sentir o quanto elas realmente desprezavam aquela garota.. eu vi como pouco a pouco ela foi montando na cabeça dela a possibilidade de estar grávida também e o pânico que isso trouxe pra ela.. eu vi a primeira conversa com Carlisle e o constrangimento que ela sentiu durante ela.. pude sentir a tranqüilidade que ela sentiu quando Carlisle explicou que quando pensasse no caso dela iria se referir sempre como a “paciente alguma coisa” e assim Edward não prestaria atenção… eu a vi fazendo exames estranhos e a primeira vez que ela sentiu uma dor física ao se mordida por Seth pra que um pouco do seu sangue fosse colhido.

Eu vi através dos olhos dela os sonhos que começaram a ser estranhamente esperançosos de nos dois em uma casa com algumas crianças em nossos braços.. eu vi o sorriso enorme que ela tinha no sonho, eu pude sentir que a partir do momento que ela soube não estar grávida ela começou a torcer pra que aquilo pudesse acontecer, vi a espera pelos exames mais detalhados e um pouco da esperança se esvaindo quando Carlisle disse a ela que era estranho… já que nos não nos cuidávamos.

E por ultimo eu pude ve-la ontem depois de estar comigo o quanto ela tinha esperanças de que os resultados finais daqueles malditos exames dessem positivo. Eu a vi disfarçando o choro e dizendo a Carlisle que estava tudo bem afinal não faria mesmo sentido uma criatura que nem sequer menstrua poder gerar filhos. Eu senti ela fingindo não ver a dor que passou nos olhos de Carlisle quendo ela s referiu a si mesma daquela forma Eu pude ve-la correndo pela floresta chorando demais pra ficar parada, eu a vi se atormentando ao colocar Leah ou a própria mãe em seu lugar no sonho. Eu pude sentir o quanto ela se sentiu inútil e o quanto enfim o fato dela ser tão diferente a machucou.

Eu não pude mais suportar tudo aquilo, eu tirei sua mão do meu rosto a abraçando com lagrimas grossa descendo por minhas bochehcas.

– Não se sinta assim – eu sussurrei pra ela – não se sinta assim por favor.. você me basta!

– Jake..

– Não Ness eu não vou deixar você se sentir assim não pode.. eu lamento meu amor, eu lamento que você não possa ser mãe mais não é isso que vai te tornar mais especial ou não, você nao pode deixar que isso defina o que você é! Eu confesso que gostei da idéia sim de ter filhos mais porque eles seriam seus – os olhos dela fugiram dos meus e eu vi que ela havia entendido errado de novo.. – escute .. se você não pode me dar eles eu não os quero com mais ninguém entende?

– Você merece ter filhos..

– Não .. não se eles não forem seus também.. eu lamento muito. Mias eu só os teria se fosse com você e isso infelizmente não pode acontecer.. mais eu não posso deixar que isso nos defina ou nos limite eu não preciso de um filho pra ser feliz Ness, eu já sou feliz!

– Mais seria mais feliz se tivesse filhos Jake – ela insistiu – todos são.

– Você me basta!

– Jake, por favor – ela falou descrente me afastando dela. Eu a puxei pra mim e logo depois segurei seu rosto em minhas mãos a fazendo me encarar.

– Eu não preciso de mais nada pra ser feliz além do que esta na minha frente agora – ela suspirou me deixando continuar – um filho seria como um bônus Ness, uma coisa a mais, mas não o essencial. Você é o meu essencial! Eu te proíbo de ficar triste por minha causa ou por achar que não é o bastante pra mim. Você é tudo o que eu preciso e o que eu quero, olhando bem agora acho que seria no mínimo injusto ter além de você…. filhos – ela relou os olhos pra mim me mostrando que a crise havia passado – Você já é mais do que eu merecia. filhos só tornaria isso mais injusto para os outros com suas meras paixões e seus amores insignificantes – ela riu.

– Você me valoriza demais

– Não só você, mais nos… o que nos dois temos, não são todos que teem a nossa sorte mocinha e esta na hora de você ter consciência disso e nos valorizar também.

– Você é perfeito.. – foi minha vez de revirar os olhos antes que ela alcançasse minha boca.

O beijo foi calmo e com o maior amor possível conforme eu a aconchegava em meus braços pra logo ganhar uma urgência desconhecida quando a senti arranhar minha nuca fazendo minha língua invadir sua boca sem restrições, suas unhas me provocavam e eu também o fazia com minha língua através de movimentos insinuantes dentro de sua boca a fazendo gemer.

– Ness.. – adverti quando ela me soltou pra buscar ar, eu também precisava de ar. Ela me puxou para cama fazendo com que ficássemos os dois de joelhos nela.

– Não pare – ela pediu ofegante entre os beijos que eu voltei a dar em seus lábios, isso só me fez ter mais vontade. Uma de minhas mãos foi para sua nuca pra puxá-la ainda mais pra mim enquanto a outra desceu por suas costas pra logo subir por baixo da camiseta larga, eu acariciei lentamente seus seios a ouvindo gemer à medida que eu agora atacava seu pescoço.

Ela também provocaria como sempre.. dessa vez ela me empurrou devagar para trás até que eu ficasse ajoelhado se uma forma mais confortável então ela simplesmente se sentou em meu colo rebolando bem devagar o quadril contra o meu, isso não seria muita coisa se não fosse o fato que ela estava com simplesmente nada por baixo da camiseta, eu podia sentir seus contornos através do shorts de tecido fino que eu usava conforme ela se esfregava em mim, eu gemi.

– Você é muito cruel – grunhi contra seu pescoço a vendo se levantar um pouco, ela abaixou meu shorts de forma lenta fazendo questão de roçar uma de suas mãos em meu membro já ereto enquanto me encarava de um jeito inocente – você sabe que eu sempre me vingo não sabe? – a puxei pra mim de novo lambendo e chupando seu pescoço com certa violência, ela riu.

– É exatamente com isso – ela começou gemendo longamente ao se sentar em meu colo se encaixando a mim com um só movimento – é com isso que estou contando.. – ela sugou o lóbulo da minha orelha ao terminar a frase me deixando ainda mias louco ao subindo um pouco para logo descer em meu colo. Eu não tive nenhuma delicadeza ao rasgar a minha própria camiseta que ela estava usando a fazendo rir de novo, riso esse que cessou logo que eu me apoderei de um de seus seios com minha boca a medida que a fazia descer e subir em meu colo com mais rapidez até tira-la totalmente de mim, a confusão era nítida em seu rosto me fazendo rir agora da maneira mais safada que eu pude.

– Vire-se.. – ela suspirou ao entender o que eu queria então se virou ficando de costas pra mim, não foi surpresa ve-la se apoiar com as mãos na cama também, ela nunca perderia uma chance de me provocar, tive que me segurar ainda mais quando naquela posição ela me olhou sob os ombros e me chamou com aquele tom de voz que ela sabia muito bem me afetar bastante.

– Jake? Só olhar não tem graça..

– Ness .. Ness – respirei fundo me aproximando dela então segurei firmemente em seus quadris me deliciando ao ouvi-la gemer só com a expectativa – ainda provocando? – perguntei levantando o tronco dela colando meu peito em suas costas.

Minhas mãos foram para seus seios mais uma vez a fazendo ofegar, seus cabelos compridos e úmidos estavam como uma cortina em suas costas, roçando contra meu peito me fazendo gemer também, rapidamente eu desci uma de minhas mãos para seu sexo o encontrando quente e convidativo.

– Você fica tão molhada pra mim – sussurrei lambendo sua orelha a sentindo cravar as unhas em minhas coxas – sinta – falei igual a ela horas atrás ao roçar meu pênis em sua bunda – eu também fico muito duro pra você..

– Jake, por favor – ela gemeu mais alto conforme eu roçava ainda mais meu membro nela e os movimentos de meus dedos ganhavam intensidade e rapidez.

– Por favor, o que Ness? – ela subiu uma das mãos até o meu pênis o envolvendo e estocando-o com força me fazendo grunhir contra seu pescoço.

– Entre em mim.. – eu não resisti nem mais um segundo eu tirei meus dedos dela e também tirei sua mão de mim, segurei seu quadril com força mais uma vez então eu me posicionei em sua entrada a fazendo gemer ainda mais alto. – agora! – ela gritou, eu a penetrei em uma só estocada.. funda a fazendo gritar mias.

Meus movimentos foram lentos no começo mais logo se intensificaram a medida que ela gemia mais alto contra meu ouvido e arranhava minhas coxas.

– Mais – ela pediu em um gemido querendo se apoiar de novo em suas mãos para ficar de quatro pra mim, eu não a deixei passando uma mão em sua cintura a segurando fortemente contra mim, deslizei minha outra mão até seu clitóris enquanto aumentava o ritmo como ela havia pedido – Deus – ela gritou.

Nossos quadris já se chocavam com violência, a pressão ao redor do meu pênis era enlouquecedora, ela vibrava e se contraia em minha volta me levando cada vez mais próximo do limite.. limite o qual eu também a arrastava com meus dedos a tocando sem dó. Subi minha outra mão até seus seios os massageando com vontade para me distrair do meu estado.. eu não queria que já acabasse.

Gritos tomaram o lugar dos gemidos que saiam por sua garganta, eu podia sentir o quanto estava perto pra ela, então me concentrei nisso investindo com mais força a fazendo arquear, meu dedos também ganharam mais rapidez contra seus clitóris.. tão úmido que me fazia gemer contra seu pescoço a medida que minha outra mão apertava seus seios com ainda mias vontade.

– Ness – consegui chamá-la num fio de voz, os seus gritos aumentavam tornando tudo mais prazeroso – Goze.. hum – inclinei nossos corpos no colchão a deixando de quatro na minha frente fazendo minhas investidas irem mais a fundo, meus dedos não saíram de seus clitóris e eu sabia o quanto isso a estava enlouquecendo.

Eu não precisei estocá-la mais do que duas vezes depois disso pára senti-la arquear com violência as costas tremendo o corpo por inteiro embaixo do meu, a pressão quase insana que seu corpo fez em volta do meu pênis e o liquido que eu senti escorrer por meus dedos.. saindo dela, me fizeram gozar também com força em seu interior, ela gritou uma ultima vez enquanto eu rosnava sem controle algum.

– Uau – consegui dizer de forma muito falha e ofegante quando deixei nossos corpos caírem ainda unidos no colchão.

– Uau – ela gemeu baixinho virando o rosto pra morder os meus lábios me fazendo gemer também conforme ela remexia o quadril contra o meu, – assim também é bom não é? – ela perguntou se remexendo ainda mais eu apertei sua cintura a ajudando nos movimentos.

– Você tem que parar – eu supliquei contra seu pescoço que já era vitima de mais chupões meus.

– Não enquanto você ainda estiver gozando dentro de mim – ela falou se mexendo mais rápido contra mim, ela também puxou minha mão e a colocou no meio das próprias penas me fazendo tremer.

– Ness – eu respirei fundo – se você não parar agora eu também não vou parar .. eu me recupero rápido e não é só com ferimentos.

– Isso é bom – ela riu levemente para logo gemer alto quando eu dei uma estocada mais forte lhe mostrando que ja havia me recuperado – Santa recuperação rápida.. – ela sussurrou contra minha boca ao virar seu rosto pra mim de novo.

– Você é deliciosamente louca – falei para logo sugar seus lábios enquanto a estocava já de maneira forte conforme também ela controlava minha mão que friccionava contra seu sexo – assim não tem graça – falei mais uma vez livrando minha mão do controle que ela fazia a tocando de forma descuidada, ela gritou arqueando contra mim fazendo seu quadril ter mais contato com o meu o que fez meu pênis a penetrar quase por inteiro – Deus! – foi minha vez de gritar.

– Assim – ela balbuciou – assim jake bem fundo.. Jake – ela gritou meu nome quando eu a estoquei tão fundo quanto a ultima.

Mais uma investida funda e ela estava gozando enquanto cravava as unhas em minha nuca ao me puxar para beija-la. Eu também gozei de forma ainda mais intensa segurando seu quadril com tanta força que com certeza deixaria marcas.

Dessa vez não conseguimos falar ou nos mexer por um bom tempo. Eu ainda estava dentro dela e meus dedos ainda roçavam seu clitóris, mais o cansaço foi imediato, tentávamos nos acalmar a medida que os minutos passavam.

Mias alguns minutos depois eu consegui me mexer me retirando devagar de dentro dela a fazendo se remexer molemente em meus braços. Ela se virou de frente pra mim e eu não resistindo a beijei da forma calma que eu sempre fazia depois que acabávamos de fazer amor, ela suspirou e se apertou a mim estranhando quando eu me afastei e consegui levantar para pegar um cobertor em meu armário, me deitei de novo a puxando pra mm, ela se apertou em meu corpo respirando fundo ..

– Preciso ser boazinha com você mais vezes e só..continuar? – ela me perguntou travessa, eu ri.

– Isso não era muito novidade, confesse que fez de propósito – eu beijei seus lábios de novo calmamente apenas me deliciando com o gosto doce deles.

– Talvez – ela respondeu um minuto depois pensativa demais.

– Amor o que foi?

– Eu – ela respirou fundo – eu sei que você me ama e eu juro que acabou todo o chilique bobo, eu sei que você não vai querer me trocar pela pulguenta da Leah só porque ela pode te dar filhotes. – ela respirou fundo de novo fazendo uma careta , eu ri daquilo – eu sei que eu basto pra você .. mais talvez eu não baste pra mim mesma .. – eu vi a dor tomando conta do chocolate dos seus olhos mais uma vez – eu queria muito Jake, durante esse mês de exames e com a possibilidade clara em minha frente eu vi que eu queria muito – algumas lagrimas já desciam por seu rosto perfeito – então me desculpe se eu chorar.. mais eu ..eu.. queria eu juro que eu queria.

– Shh Ness não fique assim.

– Eu queria .. – ela repetiu me abraçando fortemente – eu queria . Jake eu queria..

– Eu lamento amor eu.. – as lagrima também desciam dos meus olhos enquanto eu a apertava mais forte sem dizer mais nada. Foram 20 longos e dolorosos minutos a ouvindo chorar e murmurar que ela já tinha imaginado como seriam, que ela queria um menino primeiro e três meninas depois, que ela saberia até como me contaria estar grávida. Aquilo doeu na minha alma, minha Ness sofrendo, isso só me fez prometer mais uma vez a mim mesmo que a faria feliz acima de qualquer coisa e agora mais do que tudo acima dessa frustração de não poder me dar filhos..

Era tarde e eu a levei em meu colo até a mansão doa Cullens, ela acordou brevemente quando eu a coloquei na cama.

– Eu te amo – ela sussurrou no meu ouvido me dando ainda mais forçar pra cumprir aquela promessa…

– O que faz aqui? – não era a primeira vez que Edward vinha falar comigo e curiosamente desde a semana passada e o pedido de Rosalie ele na era o único Cullen também.

– Cumprindo uma promessa – era sempre o que ele dizia e eu me perguntava se era Bella que o mandava vir ate mim. – Não foi ela – ele respondeu meio automático aos meus pensamentos parecendo arrependido por fazê-lo – desculpe.

– Não importa – respondi sinceramente – só saia daqui.

– Eu não posso – ele se sentou ao meu lado na pedra claro que alguns metros afastado de mim enquanto olhávamos o lago.

Eu sabia que ele podia ouvir minha mente mais mesmo assim eu quis dizer em voz alta…

– Por que? – por que ele não havia me avisado ou dado algum sinal por que?

– Nada foi tão definido ou combinado assim para que eu soubesse com antecedência – ele deu uma pausa como se o que dissesse fosse amargo demais – eu fui pego de surpresa como todos vocês.

– Eu só queria que fosse mentira ou que eu acordasse desse pesadelo de uma vez por todas. – me permiti confessar

– Eu lamento Jake.

– Jacob – o corrigi.

– Por que se prender a isso?

– Eu não sei.. eu – não conseguiria explicar aquilo então eu deixei cuidadosamente as lembranças daquele momento subissem até a superfície da minha mente pra que ele visse.

– Jake .. Jake MEU Jake – ela cantarolava ao dar vários pequenos beijos em minha boca – Você sempre vai ser meu não vai?

Eu confirmei com a cabeça rindo da alegra que ela tinha, estávamos casados a 2 semanas e eu anda me surpreendia com as mudanças bruscas de humor, logo que chegou ela estava meio triste por ter discutido com Edward e agora estava quase saltitando abraçada a mim.

– Você é muito criança as vezes.

– Meu sentimento de posse não é nada infantil – ela gargalhou maliciosa. – é tão louco quer dizer você não é Jake apenas pra mim mais .. parece que é entende.. parece que quando você esta aqui comigo você esquece o bando ou os outros e só é o meu Jake.

– Você resumiu perfeitamente o que acontece – eu acaricie levemente seu rosto – com você eu sou apenas a parte que realmente importa, longe de tudo aquilo que só é ..

– Um simples pano de fundo pra mim – ela completou presunçosa, me fazendo beijá-la ao nos girar no sofá.

– Mais ou menos isso senhora convencida Black.

– É o que então? – ela fez bico me fazendo beijá-la de novo;

– A minha melhor parte esta com você – ela sorriu daquele modo ofuscante me fazendo sorrir também – Eu sou a minha melhor parte quando sou o seu Jake. – ela me puxou pelo pescoço para beijá-la mais.

– Então seja pa sempre!

– Pra sempre! – eu repeti não me cansando de beijá-la – Seu Jake.

– Isso é tão tolo agora – resmunguei ao parar a lembrança, Edward olhou pra mim de forma martirizada.

– Ela sempre vai ser sua Ness – ele disse de forma muito baixa meus olhos arregalaram brevemente antes que eu me levantasse.

– Isso já não faz mais sentido.

– Isso faz todo o sentido – ele continuou no tom muito baixo.

– Eu não quero saber o que você acha que faz sentido ou não Edward simplesmente não importa mais! Já fazem 2 meses, estamos no meio de setembro e nada vai mudar aquilo.

– Talvez mude Jake e eu só espero que dessa vez – ele pausou ao se levantar – Você não acredite em nada, porque as vezes o melhor é não acreditar, não quando se esta indo contra algo mais forte do que nos mesmos.

– Do que..

– Bella acreditou uma única vez que eu não amava e esse foi o nosso maior erro, não o cometa também..

Ele se virou e logo sumiu entre as arvores próximas, eu estava paralisado no lugar como a estatua que eu fiquei na manha que ela me deixou, eu não conseguia me mover e nem sequer respirar com dignidade, eu estava pasmo com a verdade que se descortinava na frente dos meus olhos agora e que brigava mais do que nunca com a dor que tudo aquilo tinha me causado.

Eu não tinha mais certeza de nada agora.. a não ser de que eu precisava vê-la e acreditar ou não no que ela me diria.

_______________

Era insana demais a forma que eu corria agora em direção a choupana que Bella e Edward dividiam, eu sentia o seu cheiro se intensificando a cada metro que eu me aproximava e isso simplesmente me enlouquecia.. quanto tempo sem aquele cheiro? Meu corpo tremeu descontrolado quando o cheiro doce e floral invadiu com força minhas narinas..

Era ela!

Meu coração parecia ser como um trem desgovernado ao chegar ainda mais próximo, eu voltei a forma humana com o menor tempo que já o havia feito na vida eu tirei uma calça moletom da minha boca e a vesti em um segundo. Abri a porta da casa com um só movimento adentrando o cômodo como uma besta que não conhecia o que era civilidade até que ela apareceu vinda do pequeno corredor. E quando eu visualizei seu corpo esguio e pequeno, seus cabelos em cachos até o final das costas, seus olhos com o tom perfeito de chocolate e sua boca vermelha que se abriu lentamente para sussurrar…

– Jake?

Eu não vi mais nada a não ser a necessidade de te-la de toca-la de consumi-la .. com passos extremamente rápidos eu cruzei a distancia entre nos levando as minhas mãos para envolver e puxar a cintura tão conhecida, eu colei nossos corpos com violência e a beijei da forma mais urgente que eu poderia fazer. Ela gemeu automaticamente a isso me deixando ainda mais insano.. emfim meu céu e inferno haviam voltado porque o nada em que vivi sem ela já era mais do que insuportável.

Anúncios