9 Um novo dom?

– Seja mais claro! – cuspi de volta pra ele recebendo mais um olhar assassino de Jane.

– Você vai me ajudar a dar um fim em algumas pessoas indesejadas digamos assim – eu o olhei ainda muito confusa – Renata explique a ela. – só então notei a vampira alta um passo atrás de suas costas, ela me olhou com certo medo?

– Mestre? – ela o questionou recebendo mais um aceno de incentivo – eu só posso dizer que você me neutraliza – ela disse devagar e de forma tímida me deixando chocada

– percebi logo que sua mãe se aproximou com você nos braços aquele dia na clareira .. confesso que pensei que era sua mãe o que me fez ficar com muito medo, mais quando você tocou em Aro meu escudo foi praticamente anulado então Aro também viu que na verdade era você.

– Eu? – Isso não é fascinante?! – Aro assobiou.

– Isso é ridículo – resmungou Jane

– Eu neutralizo escudos? – consegui terminar a frase de antes.

– Não querida você os anula – o brilho que ele tinha nos olhos era assustador.

– Mais mais … – Sua mãe? – ele deduziu – por que você não anula o de sua mãe?

Primeiro porque ela aplicava o escudo em você eu suponho e segundo porque com certeza você não estava concentrada em fazer isso querida..

– Isso é loucura… isso .. não faz sentido..

– Não? Oh adorável Renesmee você esta neutralizando Renata agora mesmo – eu olhei abismada em direção a ela recebendo uma lenta confirmação.

– se você se esforçar tenho certeza que pode anulá-la. – ele dizia vitorioso enquanto me encarava de forma ansiosa.

– Eu .. eu não faço isso .. eu não posso fazer.

– Sim você pode! – dessa vez foi Renata quem falou – quando você avançou a pouco você quase anulou meu escudo por completo

– Devido a raiva – desdenhou Jane.

– Sim sim minha querida a raiva é um ótimo elemento de concentração – Aro concordou.

– Me digam logo de uma vez o que vim fazer aqui então!

Treinar esse meu novo poder que não foi! – vi Jane se segurando pra não acabar com minha irritação ali mesmo enquanto Aro me encarou divertido.. ódio!

– Renesmee querida nós só queremos te ajudar a desenvolver isso e claro que em troca queremos como eu disse antes que você nos ajude também com algumas pessoas indesejadas.

– Resumindo.. você vai me treinar.. “me ajudar a desenvolver” – falei sarcástica – para que eu possa anular os escudos dos seus adversários ou seja para você matá-los?!

– Em palavras grosseiras? – ele sorria pra mim – sim é isso mesmo minha querida!

– Eu não vou fazer! – berrei – eu não vou ser o monstro que você quer que eu seja!

– Acho que não entendeu querida você não tem escolha! – ele respondeu um pouco irritado mais logo voltou ao sorriso falso e olhar sereno de antes.

– Tenho sim! Eu prefiro morrer a isso! Então vamos logo! – dessa vez berrei em direção a Jane – me mate! Vi o desejo gigantesco estampado na íris vermelha sangue de Jane ela não esperaria um segundo pedido meu.. ela faria, dei dois passos em sua direção a vendo dar dois iguais passos em direção a mim, seus dentes afiados a mostra dando um ar horripilante ao seu rosto angelical.

– Querida – Aro começou como se eu e Jane não estivéssemos nos enfrentando com tanta fúria bem na frente dele.. ele apenas ignorou nossos gestos – você ainda não entendeu não é a sua vida que vamos tirar se você não concordar em nos ajudar – meu sangue gelou instantaneamente, eu dei um grande giro em meus calcanhares pra encará-lo quase em pânico!

– Minha família não! – berrei inconscientemente.

– Não não claro que não sua família é importante para mim, nesse caso o que a convenceria mais facilmente … Ele não terminou a frase deixando-a solta no ar.. quando ela me acertou a imagem de Jake veio forte em minha mente

– Eu te amo! – ele me apertava num abraço, tínhamos acabado de casar, tudo era uma loucura ainda mais com Las Vegas de fundo, e então ele sorriu pra mim… aquele sorriso, eu esqueci o que era mesmo loucura… – Me mostra que me ama do seu jeito então – joguei meus braços em seu pescoço, ele revirou os olhos pra mim mais ainda sorria. – Acho que esse é o meu dom – ele murmurou já muito próximo dos meus lábios.

– Sim me beijar é o seu dom – sussurrei enquanto ele abafava meu riso com seus lábios, e assim todo o resto desapareceu porque nada mais importaria a não ser a forma como ele mostrava que me amava…

– Você não… – não havia mais pânico em mim ou em minha voz o que me dominou agora era um sentimento novo: não era raiva, não era medo, não era desespero.. era uma espécie de nada .. uma espécie de sentimento que só gritava pra minha mente que aquilo não fazia sentido .. Jake morto não fazia sentido, não fazia.

– Jake? – Aro perguntou me tirando daquele tupor – é assim que o chama? Jake … usá-lo seria bem mais persuasivo… Aro não terminou sua frase de novo mas dessa vez eu era culpada, em um segundo eu estava zonza, tonta e sem chão pra não segundo seguinte concentrar todo meu odeio num salto contra seu pescoço, eu não vi muita coisa depois disso eu já estava no chão gritando ao ser torturada por Jane, ela não teria dó dessa vez, meu inconsciente achou isso ótimo só assim a imagem de Jake morto sairia da minha mente. Eu podia ver Jane rir satisfeita enquanto meus gritos e dor aumentavam.. podia ver Aro comentar com Demetri que eu só era “temperamental demais” pra logo emendar um “típico de fêmeas”, podia ver a cara de pena de Renata?

Alguns minutos mais tarde tudo parou e me senti sendo arrastada por Nahuel para o quarto no qual eles me mantinham ouvindo um “conversaremos com mais calma depois querida” de Aro, logo que chegamos ao andar de cima Nahuel me jogou com violência contra a cama me fazendo bater com força em sua armação, ele trancou rapidamente a porta, eu respirei fundo tentando ganhar forças pra levantar da posição estranha que eu estava.

Lágrimas começaram sem que eu percebesse, meu choro aumentou quando senti uma pontada violenta em meu ventre, me movimentei fracamente para cima da cama sentido a dor aumentar.. o que Nahuel me fez?

Senti um liquido quente entre as penas… me horrorizei ao sentir o cheiro de sangue! Levei rápido e desesperada um de meus dedos até o local.. eu estava sangrando!! Me obriguei a levantar, a dor ainda era grande meus movimentos foram lerdos até o bainheiro, entrei nele fechando a porta.. foi então que me deparei com um calendário preso ali atrás da maldita porta um choque imenso tomou conta de mim ao ver que hoje era exatamente 10 de setembro.

– Parabéns Renesmee – sussurrei pra mim mesma ao me deixar deslizar contra a porta, a dor que me invadia agora não era mais física

– 7 anos! – Quando você fizer 7 anos eu serei um homem mais tranqüilo sabe. – Oh claro namorar uma menina de 7 anos é bem mais sensato! O que Quil está esperando? Claire já tem 10! – ele me olhou irritado enquanto eu ria muito.

– Certo sua surpresa esta cancelada desde agora!

– Como? – Eu faria algo pra você mais o seu sarcasmo me desanima – dessa vez o sarcasmo foi dele ao dizer isso.

– O que você faria pra mim? – Na verdade seria uma viagem! Mais isso era surpresa.. mais como não vai mais acontecer tudo bem.

– Jake.. – chamei manhosa do jeito que eu sabia que ele não resistia, ele fez uma careta ao me ouvir – Jake – insisti.

– Droga! – Eu só quero você no meu aniversario..

– Só?

– Anhann – falei deitando minha cabeça em seu peito – eu não vou precisar de mais nada. – Bom você terá só a mim então.. – ele passou suas mãos em minha cintura me ajeitando melhor em seu colo.

– Promete?

– Prometo! Ele mentiu…. e eu era a única culpada por isso.

Lagrimas… agora só haviam lagrimas e dor muita dor. Poucos dias se passaram e eu já estava treinando, esses treinos aconteciam normalmente com Renata e vigiados de bem perto por Jane e Nahuel, eu não tinha muita consciência de como aquilo: o meu tal novo don funcionava mais Renata sempre dizia que eu estava evoluindo até que eu fui realmente testada.. foi no interior da Espanha eu fui escoltada por Alec e Jane o escudo do vampiro em questão era mental e físico mais se resumia apenas a ele, seu nome era Juan ele havia sido um dos Volturi.. ou seja segredos demais em uma mente que não podia ser tocada.

Tudo aconteceu de uma forma estranhamente calma e serena eu o encontrei em sua casa de veraneio e pedi um minuto para conversar como uma pessoa qualquer que estivesse interessada nos vinhos que ele vendia, Juan só notou que havia algo estranho quando Alec o cegou.

Não preciso dizer que me senti a pessoa mais repugnante do mundo ainda mais quinado ele me olhou de uma forma entendida me perguntando por que eu estava os ajudando?

Eu nem sequer tive tempo de responder Jane já tinha o estraçalhado .. então isso me perturbou enfim eu estava sendo o que neguei a vida inteira ser: um monstro.

Mais dias se passaram e cada vez mais vampiros eram mortos com minha ajuda.. eu nem sequer era mais eu mesma agora.. eu não me vestia direito não me alimentava direito não falava direito eu era uma sombra muito util mais uma sombria.

Mais mortes e agora eu já sabia como tudo funcionava eu ia tão bem que Aro começou a comemorar a esperança de que meu bloqueio também pudesse ser usado contra atacantes e não só contra defensores, intimamente eu torcia para que isso fosse verdade também assim talvez Jane perderia aquele ar insuportável de superior.

Os dias de treinos eram cada vez mais levados a serio agora conforme a dificuldade das minhas “ajudas” aumentavam, era assim que Aro chamava o que eu fazia: “ajuda”.

Tudo era monstruoso demais: a forma displicente que eles falavam das próximas vitimas e como eu deveria anulá-las era frio e cruel.

As noites eu passava atormentada com a visão de cada uma delas me perguntando sempre com os seus olhos por que eu estava ali? Isso e a metade que me faltava.. Jake não me deixavam dormir, não me deixavam pensar.. pois sempre que eu fechava os olhos eu o via e via o nojo que ele teria de mim se me visse agora, eu ria de mim mesma nesses momentos .. ria de desespero ..como eu era tola .. eu não o veria mais e então a dor voltava quando eu constatava isso e o resto da minha noite se resumia em pedir a Deus que a minha preocupação com o que ele acharia voltasse ao invés daquela dor e daquele nada .. esse ciclo acontecia todas as noites e eu me via morrendo a cada dia .. não fisicamente porque infelizmente isso não é possível a não ser que me exterminem também mais sim a minha alma, eu a via pouco a pouco sendo morta e quando isso enfim acontecesse eu não seria mais nada além do monstro que sou quando ajudo Aro.

Mais um dia amanheceu com Nahuel invadindo o quarto em que eles me mantinham, eu não dormia como todos os dias e parece que hoje ele fingiu não notar.

– Venha – ele chamou brevemente, eu o segui como o zumbi que eu era agora. Nós entramos numa sala vazia no andar de baixo.. eu pensei que Aro ou qualquer um deles estaria ali também mais não estavam – eu preciso passar pra você a próxima pessoa.

– Você? – estranhei. – Sim o próximo vampiro não é apenas mais um defensor – ele parou de falar propositalmente para me deixar curiosa.

– O que ele é então? – Um vidente e possivelmente o vampiro mais velho que existe – eu demorei alguns segundos para entender aquilo, era Nahuel que me contaria sobre a nova vitima dessa vez e tudo por ser mestiço como eu era, o tal vampiro não podia nos ver arquitetando sua morte e isso só me deixou mais curiosa me agarrei a isso a essa subita curiosidade.. era algo pra ocupar minha mente pelo menos.

– Ele não nos vê? – Não! Sua tia não nos ve.. então.. Eu que irei com você dessa vez e nos iremos para a Grécia, o nome dele é Narciso e segundo Aro ele tem quase 4 mil anos. – Como Aro contou a você?

– Ele não me contou exatamente Nessie ele apenas apontou para esse caminho mais já chega de perguntas você não está aqui para isso, você tem que treinar e se aperfeiçoar nos só temos 3 dias! – Eu já sei tudo o que teria que saber e pra você é Renesmee – acrescentei de forma fria. Ele parou por um instante decidindo se me responderia acredito eu.

– Nos sairemos daqui sozinhos em três dias então… espero que não tente nada ou Aro usara o “fator persuasivo” – rosnei inconsciente com essas palavras ele fingiu não ouvir

– Narciso também tem uma guarda então só passaremos por ela com a desculpa que estamos fugindo dos Volturi, Aro fará sua parte ao “decidir” nos caçar para que Narciso veja. Tudo será muito simples nos estamos indo exatamente num período que ele fica com apenas dois guardas que se revezam então fugir de apenas um vampiro não é difícil. Pode subir agora.

– Você não vai dizer mais nada? – O que você precisa saber eu já disse, a defesa dele é física também nada que você já não tenha anulado, agora suba! Os 3 dias passaram da forma lenta como sempre passavam, eu me forçava a ocupar minha mente durante todo o dia deixando as tormentas e a dor para as noites nas quais eu nunca dormia…

Quando a hora enfim chegou eu e Nahuel saímos pela manha da grande casa correndo em direção a estação de trem mais próxima, mais não antes de Aro ameaçar Jake mais uma vez me fazendo ter a consciência de que nada importava, nada que eu fizesse importaria por mais asqueroso que fosse desde que ele estivesse vivo nem eu mesma importaria.

Chegamos em Atenas 8 horas depois, Nahuel estava certo quando a guarda havia apenas mais uma vampiro na casa além dos muitos empregados humanos, digamos que fui ironicamente perfeita ao demonstrar meu desespero com a idéia de que Aro me recrutasse para sua guarda os convencendo facilmente, nos já estávamos indo para o andar de cima agora pedir a nossa falsa ajuda pessoalmente a Narciso.

Havia um sala grande muito branca na qual entramos rapidamente cercados pelo vampiro de guarda e mais 2 empregados, havia uma porta ali ela era enorme ocupando quase toda uma parede era de madeira maciça e com certeza levaria a outra sala.

O vampiro se aproximou dela a abrindo lentamente mais antes que Nahuel entrasse ele o impediu fazendo um gesto para que apenas eu entrasse, via confusão e o medo no rosto de Nahuel quando o vampiro-guarda pediu que ele lhe acompanhasse de volta ao andar de baixo enquanto fechava a grande porta a minhas costas.

A sala era quase tão grande quanto a anterior era branca e com uma decoração requintada mais nada ostensiva, em um canto próximo a uma mesa bonita que poderia calmamente pertencer a um escritório antigo estava um homem. um vampiro alto, magro, de pele quase transparente e aparência muito fraca, quando ele se virou para mim eu pude facilmente constatar que meu pai tinha enfim um concorrente em tamanha beleza.. apesar da pele e da aparente fraqueza ele era lindo ou que se pode chamar de chocantemente maravilhoso, ele me fez questionar se o mito do deus da beleza grega Narciso não teria sido devido a ele próprio.

Ele tinha os cabelos levemente compridos e muito lisos de uma cor castanha clara, seus olhos eram vermelhos de um tom profundo, não vivo como os de recém nascidos e nem pastosos como os de Aro, eles eram quase pretos como os olhos do meu pai ficavam quando ele tinha sede. Ele sorriu de forma contida para mim quase não deixando que eu visse uma fileira de dentes muito brancos e afiados.

– Senhor Narciso? – comecei me sentindo um pouco deslocada nesse tratamento ele aparentava ter no maximo 25 anos isso era surreal.

– Ola Ness sim sou eu, pode continuar.. – Eu vim aqui pedir que… – minha mente girou – do q-q v-você me chamou?

– De Ness? – ele ainda sorria – é a forma que Jacob te chama estou certo?

– Esta mais.. como.. – Como eu sei? Talvez seja como eu também sei que você pode anular meu escudo ou como eu também sei que Nahuel esta aqui para me exterminar ou como ainda eu também sei que a partir do que você decidir hoje muitos poderão morrer ou não?

– Você me vê? Você vê o meu futuro! – Futuro .. presente .. passado, defina o tempo se puder.. – O que você vê? – eu berrei o interrompendo, ele abaixou um pouco a cabeça sorrindo mais uma vez.

– Vejo que se você fizer as coisas certas.. poderá ser apenas Ness de novo…

Anúncios